Clique e Assine a partir de R$ 19,90/mês
Radar Por Robson Bonin Notas exclusivas sobre política, negócios e entretenimento. Com Gustavo Maia, Laísa Dall'Agnol e Lucas Vettorazzo. Este conteúdo é exclusivo para assinantes.

Aras pede reparação a etnia indígena por construção da usina de Itaipu

Ação civil originária foi apresentada ao STF contra a União, a Funai, o Incra e a Itaipu Binacional.

Por Gustavo Maia Atualizado em 15 dez 2021, 16h05 - Publicado em 15 dez 2021, 16h02

O procurador-geral da República, Augusto Aras, protocolou há pouco no STF uma ação civil originária para pedir reparação pela violação a direitos humanos e fundamentais a uma etnia indígena pela construção da Usina Hidrelétrica de Itaipu, em decorrência das “ações e omissões” da União, da Funai, do Incra e da Itaipu Binacional.

Na petição, encaminhada ao presidente do Supremo, Luiz Fux, Aras aponta que a obra causou danos materiais e morais ao Avá-Guarani (óu Nhandeva) no lado brasileiro, especificamente as comunidades dos territórios do Guasu Ocoy-Jacutinga e do Guasu Guavirá.

“Demonstrar-se-á que a postura do Estado brasileiro (União, Incra, Funai) e da Itaipu Binacional de negar e deixar de reconhecer a tradicionalidade territorial dos Avá-Guarani na área levaram a fluxos migratórios e remoções forçadas, com violações a seus direitos à diferença e ao território tradicionalmente ocupado”, diz a ação.

Aras afirma também que a construção da usina hidrelétrica, realizada entre 1973 e 1982, impactou “de forma irreversível o modo de vida dos Avá-Guarani, já que territórios sagrados da etnia nas parcialidades Ocoy-Jacutinga e Guasu Guavirá foram total ou parcialmente alagados pelos reservatórios”.

“Esse apagamento dos traços e da existência Avá-Guarani, embora iniciado antes da construção da UHE Itaipu, teve seu recrudescimento com o projeto e a construção do empreendimento, que implicou consequências irreversíveis à etnia, cuja reparação por parte dos demandados é medida de direito que se impõe”, ressaltou o chefe do MPF.

Ao final da ação, Aras assinala que, “embora de valor inestimável, por cautela dá-se à causa o valor de 10 milhões de reais”.

Continua após a publicidade


Publicidade

Essa é uma matéria exclusiva para assinantes. Se já é assinante, entre aqui. Assine para ter acesso a esse e outros conteúdos de jornalismo de qualidade.

Essa é uma matéria fechada para assinantes e não identificamos permissão de acesso na sua conta. Para tentar entrar com outro usuário, clique aqui ou adquira uma assinatura na oferta abaixo

Informação de qualidade e confiável, a apenas um clique. Assine VEJA.

Impressa + Digital

Plano completo da VEJA! Acesso ilimitado aos conteúdos exclusivos em todos formatos: revista impressa, site com notícias 24h e revista digital no app, para celular e tablet.

Colunistas que refletem o jornalismo sério e de qualidade do time VEJA.

Receba semanalmente VEJA impressa mais Acesso imediato às edições digitais no App.

a partir de R$ 39,90/mês

Digital

Plano ilimitado para você que gosta de acompanhar diariamente os conteúdos exclusivos de VEJA no site, com notícias 24h e ter acesso a edição digital no app, para celular e tablet.

Colunistas que refletem o jornalismo sério e de qualidade do time VEJA.

Edições da Veja liberadas no App de maneira imediata.

a partir de R$ 19,90/mês