Assine VEJA por R$2,00/semana
Imagem Blog

Radar Materia seguir SEGUIR Materia seguir SEGUINDO

Por Robson Bonin
Notas exclusivas sobre política, negócios e entretenimento. Com Gustavo Maia, Nicholas Shores e Ramiro Brites. Este conteúdo é exclusivo para assinantes.
Continua após publicidade

Antes de depor, Zambelli enviou à PF lista das ‘mentiras’ do hacker

Ofício enviado a delegado da Polícia Federal mostrou divergências em manifestações de Walter Delgatti sobre o mesmo assunto

Por Ramiro Brites Materia seguir SEGUIR Materia seguir SEGUINDO
16 nov 2023, 15h54

Carla Zambelli prestou na terça-feira depoimento à Polícia Federal sobre o caso em que é acusada de patrocinar Walter Delgatti a invadir os computadores do Conselho Nacional de Justiça e de um suposto plano de deslegitimação das urnas eletrônicas, envolvendo o ex-presidente Jair Bolsonaro e integrantes do Ministério da Defesa

O interrogatório durou cerca de uma hora e meia e a deputada respondeu a todos os questionamentos. Antes de depor, a defesa de Zambelli enviou uma lista ao delegado da Superintendência da PF em Brasília, em que detalha as divergências nas manifestações do hacker sobre o caso. 

O advogado Daniel Bialski elencou diferentes versões sobre seis assuntos, em quatro manifestações de Delgatti — dois depoimentos à PF, um à CPMI do 8 de janeiro e outro à CPI do Legislativo do DF sobre os Atos Antidemocráticos. 

“Divergências que comprovam que o investigado é useiro e vezeiro em mentir”, escreveu o advogado à PF.

Continua após a publicidade

Em cada declaração, ele diz que se encontrou com Zambelli em um local diferente. Ora na Rodovia Bandeirantes, ora na Rodovia Anhanguera, numa lanchonete ou num posto de combustíveis. Ele também diverge, nas quatro manifestações, sobre o número de vezes em que esteve no Palácio do Alvorada e no Ministério da Defesa

O advogado também aponta que Delgatti diverge sobre o acesso aos sistema do CNJ, se a deputada teria dado às ordens e se o ex-presidente Jair Bolsonaro tinha conhecimento sobre a invasão. 

Ele ainda teria divergido sobre ter grampeado o ministro Alexandre de Moraes, do STF; sobre a elaboração de um mandado de prisão falso incluso nos computadores do CNJ em desfavor do magistrado e também sobre os valores recebidos pelo hacker.

Publicidade

Matéria exclusiva para assinantes. Faça seu login

Este usuário não possui direito de acesso neste conteúdo. Para mudar de conta, faça seu login

O Brasil está mudando. O tempo todo.

Acompanhe por VEJA.

MELHOR
OFERTA

Digital Completo
Digital Completo

Acesso ilimitado ao site, edições digitais e acervo de todos os títulos Abril nos apps*

a partir de R$ 2,00/semana*

ou

Impressa + Digital
Impressa + Digital

Receba Veja impressa e tenha acesso ilimitado ao site, edições digitais e acervo de todos os títulos Abril nos apps*

a partir de R$ 39,90/mês

*Acesso ilimitado ao site e edições digitais de todos os títulos Abril, ao acervo completo de Veja e Quatro Rodas e todas as edições dos últimos 7 anos de Claudia, Superinteressante, VC S/A, Você RH e Veja Saúde, incluindo edições especiais e históricas no app.
*Pagamento único anual de R$96, equivalente a R$2 por semana.

PARABÉNS! Você já pode ler essa matéria grátis.
Fechar

Não vá embora sem ler essa matéria!
Assista um anúncio e leia grátis
CLIQUE AQUI.