Assine VEJA por R$2,00/semana
Imagem Blog

Radar Materia seguir SEGUIR Materia seguir SEGUINDO

Por Robson Bonin
Notas exclusivas sobre política, negócios e entretenimento. Com Gustavo Maia, Nicholas Shores e Ramiro Brites. Este conteúdo é exclusivo para assinantes.
Continua após publicidade

A tensão com Lira que deixou a MP dos ministérios para os últimos dias

Em reunião fechada, presidente da Câmara, líderes do Centrão e até governistas se revoltam com a articulação política do Planalto: 'acabou a lua de mel'

Por Nicholas Shores Materia seguir SEGUIR Materia seguir SEGUINDO
Atualizado em 31 Maio 2023, 12h00 - Publicado em 31 Maio 2023, 11h20

“Acabou a lua de mel”, define um líder governista que participou da reunião na presidência da Câmara na noite de terça-feira em que Arthur Lira e o núcleo duro do Centrão passaram horas se queixando da articulação política do Palácio do Planalto.

A revolta com Alexandre Padilha, responsável por gerenciar emendas parlamentares, e Rui Costa, a quem cabe filtrar e liberar indicações para cargos no governo, é generalizada e colocou em risco a MP que organiza a estrutura da Esplanada dos Ministérios de Lula.

A votação da medida provisória ficou para a manhã desta quarta-feira. Sua validade só vai até as 23h59 de quinta-feira. Se a Câmara aprová-la, ainda precisa passar pelo Senado – e, se sofrer alterações, retorna para nova análise dos deputados, sob pena de caducar e restabelecer a organização administrativa do governo Bolsonaro.

Na terça de manhã, Lira recebeu coordenadores de bancadas estaduais no Congresso. Ambos os lados trocaram reclamações sobre a lentidão do Planalto na nomeação de indicados para cargos federais de segundo e terceiro escalão.

Continua após a publicidade

No início da noite, os representantes das bancadas foram ao gabinete de Padilha e cobraram, além do destravamento dos cargos, a execução de emendas impositivas e maior participação do Congresso na distribuição de verbas dos ministérios – demanda pública de Lira depois da extinção das emendas de relator, tachadas como “orçamento secreto”.

A tensão imediata ficará no ar até a abertura do painel de votação da MP da organização administrativa na Câmara. Sem os votos do Centrão, o governo não aprova nem um simples projeto de lei.

Mas, se não forem resolvidas, as fissuras mais amplas na relação com o Congresso vão perseverar por tempo muito maior do mandato de Lula.

Publicidade

Matéria exclusiva para assinantes. Faça seu login

Este usuário não possui direito de acesso neste conteúdo. Para mudar de conta, faça seu login

O Brasil está mudando. O tempo todo.

Acompanhe por VEJA.

MELHOR
OFERTA

Digital Completo
Digital Completo

Acesso ilimitado ao site, edições digitais e acervo de todos os títulos Abril nos apps*

a partir de R$ 2,00/semana*

ou
Impressa + Digital
Impressa + Digital

Receba Veja impressa e tenha acesso ilimitado ao site, edições digitais e acervo de todos os títulos Abril nos apps*

a partir de R$ 39,90/mês

*Acesso ilimitado ao site e edições digitais de todos os títulos Abril, ao acervo completo de Veja e Quatro Rodas e todas as edições dos últimos 7 anos de Claudia, Superinteressante, VC S/A, Você RH e Veja Saúde, incluindo edições especiais e históricas no app.
*Pagamento único anual de R$96, equivalente a R$2 por semana.

PARABÉNS! Você já pode ler essa matéria grátis.
Fechar

Não vá embora sem ler essa matéria!
Assista um anúncio e leia grátis
CLIQUE AQUI.