Assine VEJA por R$2,00/semana
Imagem Blog

O Som e a Fúria

Por Felipe Branco Cruz
Pop, rock, jazz, black music ou MPB: tudo o que for notícia no mundo da música está na mira deste blog, para o bem ou para o mal
Continua após publicidade

Roger Waters chama Joe Biden de criminoso de guerra em show no Brasil

Declaração foi feita durante um show de sua turnê de despedida dos palcos, 'This Is Not a Drill', e remete ao apoio do presidente americano a Israel

Por Da Redação Atualizado em 9 Maio 2024, 20h20 - Publicado em 3 nov 2023, 12h02

O polêmico Roger Waters raramente se exime de declarações políticas pungentes e inflamatórias — pelo contrário, elas fazem parte do DNA de suas apresentações ao vivo. De volta ao Brasil após cinco anos de sua última passagem marcante, Waters está no processo de realizar 6 shows de sua turnê de despedida dos palcos, This Is Not A Drill. Na última quarta-feira, 1 de novembro, ele realizou o terceiro em Porto Alegre, onde utilizou o palco para expor imagens do presidente americano Joe Biden ao lado das palavras “criminoso de guerra”, em português.

A crítica ao líder dos Estados Unidos é suscitada por seu apoio financeiro e armamentista ao Estado de Israel e seus ataques à Faixa de Gaza, cenário principal da guerra contra o Hamas, que matou cerca de 1,4 mil pessoas em ataques surpresas a Israel no dia 7 de outubro. A retaliação israelense, até o momento, matou 9.061 palestinos, a maioria deles civis, incluindo 3.760 crianças e, por hora, não parece acabar tão cedo.

Waters ainda se apresenta em Curitiba, Belo Horizonte e São Paulo nos dias 4, 8 e 11 de novembro. Um dos membros fundadores da banda Pink Floyd, ele sempre manteve uma carreira repleta de protestos, alinhado à esquerda. Defensor da criação do Estado Palestino há longa data, ele é amplamente criticado por israelenses e sionistas, que o acusam de antissemitismo.

Continua após a publicidade

Em maio deste ano, as acusações contra o cantor se intensificaram depois que um trecho do seu show no qual ele veste trajes que remetem  ao uniforme militar nazista viralizou nas redes sociais. O figurino faz parte de um antigo personagem criado pela banda, o roqueiro Pink, que acredita ser um ditador, e é interpretado pelo artista com intenção satírica e crítica desde os anos 1980. No mesmo mês, o Departamento de Estado da administração Biden reforçou a opinião de que o conteúdo do show era, de fato, antissemita. Waters, por sua vez, nega as acusações e afirma separar suas críticas ao Estado de Israel da crença judaica.

Acompanhe notícias e dicas culturais nos blogs a seguir:

Continua após a publicidade

Tela Plana para novidades da TV e do streaming
O Som e a Fúria sobre artistas e lançamentos musicais
Em Cartaz traz dicas de filmes no cinema e no streaming
Livros para notícias sobre literatura e mercado editorial

Publicidade

Matéria exclusiva para assinantes. Faça seu login

Este usuário não possui direito de acesso neste conteúdo. Para mudar de conta, faça seu login

Domine o fato. Confie na fonte.

10 grandes marcas em uma única assinatura digital

MELHOR
OFERTA

Digital Completo
Digital Completo

Acesso ilimitado ao site, edições digitais e acervo de todos os títulos Abril nos apps*

a partir de R$ 2,00/semana*

ou
Impressa + Digital
Impressa + Digital

Receba Veja impressa e tenha acesso ilimitado ao site, edições digitais e acervo de todos os títulos Abril nos apps*

a partir de R$ 39,90/mês

*Acesso ilimitado ao site e edições digitais de todos os títulos Abril, ao acervo completo de Veja e Quatro Rodas e todas as edições dos últimos 7 anos de Claudia, Superinteressante, VC S/A, Você RH e Veja Saúde, incluindo edições especiais e históricas no app.
*Pagamento único anual de R$96, equivalente a R$2 por semana.

PARABÉNS! Você já pode ler essa matéria grátis.
Fechar

Não vá embora sem ler essa matéria!
Assista um anúncio e leia grátis
CLIQUE AQUI.