Assine VEJA por R$2,00/semana
Imagem Blog

O Som e a Fúria Materia seguir SEGUIR Materia seguir SEGUINDO

Por Felipe Branco Cruz
Pop, rock, jazz, black music ou MPB: tudo o que for notícia no mundo da música está na mira deste blog, para o bem ou para o mal
Continua após publicidade

Rock in Rio: Axl Rose tortura fãs de Guns N’ Roses com voz estridente

Apesar dos vocais esganiçados e desafinados de Axl, os solos de Slash e o entrosamento da banda deram algum alento em apresentação sofrível

Por Felipe Branco Cruz Materia seguir SEGUIR Materia seguir SEGUINDO
9 set 2022, 03h59

O Guns N’ Roses enfrenta um impasse difícil de resolver. Dono da banda, o vocalista Axl Rose não pode ser demitido, mas também não tem a menor condição de continuar cantando. A apresentação que o grupo fez nesta quinta-feira, 8, no Rock in Rio, beirou a tortura para os fãs. Embora a banda esteja entrosada e tocando melhor do que nunca, a voz de Axl soa esganiçada e desafinada, tornando algo que deveria ser prazeroso em um sofrimento sem fim.

Famosa por seus longos atrasos, a banda entrou no palco cinco minutos após o horário programado, mas o início promissor logo se mostraria efêmero. O grupo abriu a apresentação com músicas mais graves, como It’s So Easy e Mr Browstone, para só depois de estar com a voz aquecida, Axl finalmente cantar Welcome To The Jungle, faixa aguda que tradicionalmente abria os shows. Não por acaso, a dificuldade de segurar os agudos foi compensada pelos vocais de apoio do baixista Duff McKagan e pela perícia de Slash na guitarra.

Entre o público, era notório o desconforto com a performance de Axl Rose, de 60 anos, com comentários por vezes jocosos de que sua voz estava tão estranha que parecia se tratar do dublador do Mickey Mouse. Ela foi comparada ainda a de um garoto pré-adolescente, com as variações de tom entre agudo e grave.

Como resultado, muita gente debandou da Cidade do Rock antes do fim. Lá pela metade do show, que teve 2h30 de duração, já era possível caminhar com relativa tranquilidade entre o público em espaços onde antes era impossível se mover.

Talvez o momento mais curioso tenha sido na música Knockin’ On Heaven’s Door, cover de Bob Dylan, em que Axl surgiu com um chapéu e uma camisa com a bandeira do Reino Unido, em homenagem à rainha Elizabeth II, que morreu nesta quinta-feira. Certamente nenhum fã de Guns N’ Roses esperava uma grande performance vocal de Axl, mas também não precisava ter sido tão chocante.

Publicidade

Matéria exclusiva para assinantes. Faça seu login

Este usuário não possui direito de acesso neste conteúdo. Para mudar de conta, faça seu login

O Brasil está mudando. O tempo todo.

Acompanhe por VEJA.

MELHOR
OFERTA

Digital Completo
Digital Completo

Acesso ilimitado ao site, edições digitais e acervo de todos os títulos Abril nos apps*

a partir de R$ 2,00/semana*

ou

Impressa + Digital
Impressa + Digital

Receba Veja impressa e tenha acesso ilimitado ao site, edições digitais e acervo de todos os títulos Abril nos apps*

a partir de R$ 39,90/mês

*Acesso ilimitado ao site e edições digitais de todos os títulos Abril, ao acervo completo de Veja e Quatro Rodas e todas as edições dos últimos 7 anos de Claudia, Superinteressante, VC S/A, Você RH e Veja Saúde, incluindo edições especiais e históricas no app.
*Pagamento único anual de R$96, equivalente a R$2 por semana.

PARABÉNS! Você já pode ler essa matéria grátis.
Fechar

Não vá embora sem ler essa matéria!
Assista um anúncio e leia grátis
CLIQUE AQUI.