Assine VEJA por R$2,00/semana
Imagem Blog

O Som e a Fúria

Por Felipe Branco Cruz
Pop, rock, jazz, black music ou MPB: tudo o que for notícia no mundo da música está na mira deste blog, para o bem ou para o mal
Continua após publicidade

Filme sobre Beth Carvalho revela baú de imagens inéditas da sambista

Novo documentário resgata 800 horas de vídeos caseiros feitos pela cantora

Por Felipe Branco Cruz Materia seguir SEGUIR Materia seguir SEGUINDO 4 fev 2023, 08h00

Beth Carvalho (1946-2019) já era uma estrela do samba no início da década de 70, aos 20 e poucos anos, quando Cartola a chamou para mostrar algumas novas composições. Na época aos 65, o bamba andava deprimido. Apesar da longa carreira, ele nunca havia tido a oportunidade de gravar um álbum. O compositor, no entanto, era idolatrado por Beth. Ao saber que ele tinha novidades, a cantora imediatamente subiu o Morro da Mangueira para encontrá-lo — e, quem sabe, voltar de lá com uma boa canção. No violão, o sambista tocou As Rosas Não Falam e O Mundo É um Moinho, hoje dois clássicos incontornáveis da música brasileira. Lançada no álbum Mundo Melhor (1976), As Rosas Não Falam se tornaria um dos maiores sucessos da carreira de Beth e daria a Cartola, finalmente, a chance de gravar seu primeiro álbum. O registro em áudio desse momento histórico é uma das pérolas do documentário Andança: os Encontros e as Memórias de Beth Carvalho, em cartaz nos cinemas. Com acesso inédito a mais de 800 fitas VHS, cassetes e fotos, o diretor Pedro Bronz e o produtor Leonardo Bruno contam a história da intérprete por meio de vídeos e áudios amadores gravados pela própria.

HISTÓRIA - Com Guilherme de Brito, Cavaquinho e Arlindo Cruz: aglutinadora -
HISTÓRIA - Com Guilherme de Brito, Cavaquinho e Arlindo Cruz: aglutinadora – (Ivan Klingen/.)

Beth Carvalho: De pé no chão

Boa parte desses registros foi feita por Beth Carvalho enquanto buscava novas músicas para seu repertório. Ela gostava de ouvir os compositores tocarem ao vivo nos quintais das casas ou em botecos no subúrbio do Rio — e gravava tudo. Por meio de sua memorabilia, confirma-se que Beth não era só uma sambista de sucesso e prestígio: ela teve o papel essencial de interconectar e projetar os criadores do gênero. Até os anos 1970, suas gravações eram feitas em fitas cassete — mais tarde substituídas por câmeras filmadoras. Com seu sorriso fácil e jeito expansivo, Beth naturalmente atraía todos para sua órbita e retribuía, levando os sambistas para seus shows e apresentando-os às gravadoras. Foi assim com Cartola, mas também com Zeca Pagodinho, Arlindo Cruz, Jorge Aragão e muitos outros — o que lhe valeu o apelido de Madrinha do Samba. “Beth baseou sua carreira em encontros. Ela não esperava o repertório chegar. Queria ver a música viva, in loco”, diz o produtor Bruno.

Canto de rainhas

Continua após a publicidade

Em um dos registros íntimos, Beth conversa com Nelson Cavaquinho, outro gigante do samba, sobre uma nova composição. Ele, então, toca pela primeira vez Folhas Secas e Juízo Final, que também se tornariam clássicos da carreira da cantora. “Beth é uma pessoa agregadora. Ela fez amizade com os pioneiros, como Cartola e Elizeth Cardoso, com os contemporâneos, como João Nogueira e Martinho da Vila, e com a nova geração, como Zeca e Arlindo e a turma do Fundo de Quintal”, diz Bruno.

CINEASTA - Beth e Pagodinho: registros preciosos do dia a dia nos estúdios -
CINEASTA - Beth e Pagodinho: registros preciosos do dia a dia nos estúdios – (//Divulgação)

Ao Vivo No Parque Madureira

O documentário é feito apenas com imagens caseiras captadas por Beth, dando a sensação de se estar assistindo àqueles filmes antigos de família. De fato, às vezes é isso mesmo que acontece: há até cenas do nascimento da filha única da cantora, Luana Carvalho, que passou a infância acompanhando a mãe nos estúdios. Ou da festa de 40 anos de Beth, no quintal da sua casa, com a presença dos maiores sambistas do país. “Fiquei em dúvida se as pessoas iriam gostar de estar dentro da minha casa, vendo a gente cantar sambas no sofá”, conta Luana. “Hoje em dia todo mundo grava tudo, mas naquela época a atitude de Beth de registrar as rodas de samba foi revolucionária”, afirma o diretor Bronz.

Continua após a publicidade

Beth Carvalho – Canta o Samba de São Paulo

As lentes da cantora captam instantes de sua folclórica militância esquerdista — como o beija-mão a Fidel Castro em Havana, em 1994, acompanhada de uma comitiva que incluía Aracy Balabanian e Ney Matogrosso. Fidel pede para Beth uma cédula da então nova moeda brasileira, o real, e a autografa. “Agora a nota vai aumentar seu valor”, jacta-se o ditador cubano — provando que a cena, que sempre foi contada com ares de anedota por Beth, ocorreu de fato. O último show da cantora, no qual ela se apresentou deitada numa cama devido a problemas na coluna, em 2019, também está lá. Como prova sua maior embaixadora, o samba nunca pode parar.

Publicado em VEJA de 8 de fevereiro de 2023, edição nº 2827

CLIQUE NAS IMAGENS ABAIXO PARA COMPRAR

Beth Carvalho: De pé no chão
Beth Carvalho: De pé no chão
Canto de rainhas
Canto de rainhas
Ao Vivo No Parque Madureira
Ao Vivo No Parque Madureira
Beth Carvalho - Canta o Samba de São Paulo
Beth Carvalho – Canta o Samba de São Paulo

*A Editora Abril tem uma parceria com a Amazon, em que recebe uma porcentagem das vendas feitas por meio de seus sites. Isso não altera, de forma alguma, a avaliação realizada pela VEJA sobre os produtos ou serviços em questão, os quais os preços e estoque referem-se ao momento da publicação deste conteúdo.

Publicidade

Matéria exclusiva para assinantes. Faça seu login

Este usuário não possui direito de acesso neste conteúdo. Para mudar de conta, faça seu login

Domine o fato. Confie na fonte.

10 grandes marcas em uma única assinatura digital

MELHOR
OFERTA

Digital Completo
Digital Completo

Acesso ilimitado ao site, edições digitais e acervo de todos os títulos Abril nos apps*

a partir de R$ 2,00/semana*

ou
Impressa + Digital
Impressa + Digital

Receba Veja impressa e tenha acesso ilimitado ao site, edições digitais e acervo de todos os títulos Abril nos apps*

a partir de R$ 39,90/mês

*Acesso ilimitado ao site e edições digitais de todos os títulos Abril, ao acervo completo de Veja e Quatro Rodas e todas as edições dos últimos 7 anos de Claudia, Superinteressante, VC S/A, Você RH e Veja Saúde, incluindo edições especiais e históricas no app.
*Pagamento único anual de R$96, equivalente a R$2 por semana.

PARABÉNS! Você já pode ler essa matéria grátis.
Fechar

Não vá embora sem ler essa matéria!
Assista um anúncio e leia grátis
CLIQUE AQUI.