Assine VEJA por R$2,00/semana
Imagem Blog

O Som e a Fúria Materia seguir SEGUIR Materia seguir SEGUINDO

Por Felipe Branco Cruz
Pop, rock, jazz, black music ou MPB: tudo o que for notícia no mundo da música está na mira deste blog, para o bem ou para o mal
Continua após publicidade

Como uma cantora de samba gravou o primeiro rock no Brasil

Livro conta a história dos primórdios do rock no país e revela como o estilo entrou no país da bossa nova e do samba

Por Felipe Branco Cruz Materia seguir SEGUIR Materia seguir SEGUINDO
Atualizado em 26 out 2023, 09h23 - Publicado em 26 jun 2023, 17h06

Uma das grandes lutas de Rita Lee para se firmar como roqueira no Brasil sempre foi a discriminação contra as mulheres. Rita afirmava que cansou de ouvir que para fazer rock no país era preciso ter culhões – ao que ela respondia que ovários e útero também. Curiosamente, o que poucas pessoas sabem é que o primeiro rock tocado no Brasil foi tocado por uma mulher, Nora Ney, em 26 de outubro de 1955 – anos antes da Jovem Guarda, por exemplo.

A incrível história de como a artista desafiou as convenções da época, num período em que o samba e a bossa nova dominavam as rádios brasileiras, é contada no livro Baby… Rock! Histórias do Rock ‘n’ Roll no Brasil de 1955 a 1965, de Ricardo Bandeira. Na obra, o autor conta que Nora interpretou a canção Rock Around The Clock, de Bill Haley and His Comets, no auditório da Rádio Nacional, no Rio de Janeiro. Além do clássico guitarra, baixo e bateria, é possível ouvir na gravação de Nora também uma sanfona. Na banda, estavam Radamés Gnattali (piano e arranjos), Zé Menezes (guitarra) e Chiquinho do Acordeon. A cantora, no entanto, ganharia notoriedade nacional por sua gravação do samba-canção Ninguém Me Ama, feita três anos antes.

Embora tenha cantado em inglês, o disco com a gravação da música saiu com o título em português, Ronda das Horas. Foi apenas dez anos depois, em 22 de agosto de 1965, que Roberto Carlos subiria ao palco do Teatro Record, em São Paulo, para apresentar o primeiro programa Jovem Guarda, e popularizar o ritmo entre os jovens, especialmente com a música Quero que Tudo Vá Para o Inferno.

Com 392 páginas, o livro de Ricardo Bandeira conta com dezenas de entrevistas e depoimentos que ajudam a entender como o estilo musical entrou no país – especialmente numa época em que havia uma ojeriza à guitarra elétrica. Já o primeiro rock original gravado em português no país, quem diria, foi feito por Cauby Peixoto, com Rock ‘n’ Roll em Copacabana.

Continua após a publicidade

 

Publicidade

Matéria exclusiva para assinantes. Faça seu login

Este usuário não possui direito de acesso neste conteúdo. Para mudar de conta, faça seu login

O Brasil está mudando. O tempo todo.

Acompanhe por VEJA.

MELHOR
OFERTA

Digital Completo
Digital Completo

Acesso ilimitado ao site, edições digitais e acervo de todos os títulos Abril nos apps*

a partir de R$ 2,00/semana*

ou

Impressa + Digital
Impressa + Digital

Receba Veja impressa e tenha acesso ilimitado ao site, edições digitais e acervo de todos os títulos Abril nos apps*

a partir de R$ 39,90/mês

*Acesso ilimitado ao site e edições digitais de todos os títulos Abril, ao acervo completo de Veja e Quatro Rodas e todas as edições dos últimos 7 anos de Claudia, Superinteressante, VC S/A, Você RH e Veja Saúde, incluindo edições especiais e históricas no app.
*Pagamento único anual de R$96, equivalente a R$2 por semana.

PARABÉNS! Você já pode ler essa matéria grátis.
Fechar

Não vá embora sem ler essa matéria!
Assista um anúncio e leia grátis
CLIQUE AQUI.