Assine VEJA por R$2,00/semana
Imagem Blog

O Som e a Fúria

Por Felipe Branco Cruz
Pop, rock, jazz, black music ou MPB: tudo o que for notícia no mundo da música está na mira deste blog, para o bem ou para o mal
Continua após publicidade

A estratégia notável de Rita Lee para conduzir até o fim sua despedida

Em nova autobiografia, cantora se mostrou serena diante da morte

Por Felipe Branco Cruz Materia seguir SEGUIR Materia seguir SEGUINDO Atualizado em 26 out 2023, 09h27 - Publicado em 24 Maio 2023, 12h48

Nascida em 31 de dezembro de 1947, a capricorniana Rita Lee disse em sua nova autobiografia, lançada nesta segunda-feira, 22, que havia decidido mudar sua data de aniversário para 22 de maio, dia de Santa Rita de Cássia, mas que continuaria com o mesmo signo. Uma das maiores artistas do Brasil, Rita descreve com humor ácido e honestidade ímpar os últimos dois anos de vida, após a descoberta do câncer.

Com a proximidade da morte, Rita Lee (que passou a encarar o fim da vida com naturalidade), deu início também a um processo de conduzir todos os detalhes de sua passagem. Tal como ela decidiu mudar a data de seu aniversário, Rita escolheu o local do velório, no Planetário do Parque do Ibirapuera, e cuidou de todos os lançamentos que viriam nos anos seguintes posteriores a sua morte.

Tal como um diário, Rita descreve no livro sua rotina de tratamento, mas a obra funciona também com um testamento, onde ela adianta que já deixou pronta músicas inéditas, livros e um documentário a serem lançados em breve. No dia do diagnóstico, os médicos disseram para o marido Roberto de Carvalho que Rita teria apenas mais uns meses de vida. Rita encarou a morte e mesmo sendo a favor da eutanásia, decidiu fazer o tratamento após ter sido convencida pelos filhos.

A nova autobiografia é um relato cru, honesto e super divertido de uma cantora que jamais se autocensurou – em contraste com o fato de ter sido uma das artistas mais censuradas pela ditadura militar. Há momentos escatológicos em que descreve flatulências descontroladas, o uso de fraldas geriátricas e escarradas de muco produzidos pelo pulmão adoentado. Rita não esconde suas dores e dificuldades em enfrentar o tratamento e responde todas as dúvidas que os fãs pudessem ter (e outras que eles nem sabiam que tinham) sobre o período de reclusão que ela se meteu após a pandemia e o diagnóstico de câncer.

Continua após a publicidade

Rita foi um caso raro de honestidade até o fim da vida e seu último livro é a prova de que ela soube como nunca conduzir sua despedida do seu corpo de carne e osso, mas a sua eternização no panteão sagrado dos grandes artistas brasileiros.

 

 

Publicidade

Matéria exclusiva para assinantes. Faça seu login

Este usuário não possui direito de acesso neste conteúdo. Para mudar de conta, faça seu login

Domine o fato. Confie na fonte.

10 grandes marcas em uma única assinatura digital

MELHOR
OFERTA

Digital Completo
Digital Completo

Acesso ilimitado ao site, edições digitais e acervo de todos os títulos Abril nos apps*

a partir de R$ 2,00/semana*

ou
Impressa + Digital
Impressa + Digital

Receba Veja impressa e tenha acesso ilimitado ao site, edições digitais e acervo de todos os títulos Abril nos apps*

a partir de R$ 39,90/mês

*Acesso ilimitado ao site e edições digitais de todos os títulos Abril, ao acervo completo de Veja e Quatro Rodas e todas as edições dos últimos 7 anos de Claudia, Superinteressante, VC S/A, Você RH e Veja Saúde, incluindo edições especiais e históricas no app.
*Pagamento único anual de R$96, equivalente a R$2 por semana.

PARABÉNS! Você já pode ler essa matéria grátis.
Fechar

Não vá embora sem ler essa matéria!
Assista um anúncio e leia grátis
CLIQUE AQUI.