Clique e Assine a partir de R$ 9,90/mês
Vilma Gryzinski Mundialista Por Vilma Gryzinski Se está no mapa, é interessante. Notícias comentadas sobre países, povos e personagens que interessam a participantes curiosos da comunidade global. Este conteúdo é exclusivo para assinantes.

O presidente eleito do Chile acha Bolsonaro “perigo para a humanidade”

Gabriel Boric vai ter que decidir se veste manto completo da nova esquerda, com forte identidade ecológica, ou mostra jogo de cintura

Por Vilma Gryzinski Atualizado em 21 dez 2021, 09h48 - Publicado em 21 dez 2021, 07h42

“Meu compromisso é cuidar da democracia todos os dias da minha vida”. Foram as palavras mais promissoras do discurso da vitória de Gabriel Boric.

Ele também disse que “o crescimento econômico que se assenta na desigualdade profunda tem pés de barro”. Quem pode discordar? Não existe nenhum país de primeiro mundo com níveis extremos de desigualdade como os da América Latina, um dos mais complexos problemas que temos.

Resolvê-lo, obviamente, tem propostas divergentes e os chilenos – principalmente as chilenas, que na faixa abaixo dos 30 anos, deram 70% de seus votos a ele – endossaram as propostas do presidente eleito.

Algumas das ideias de Boric, em suas próprias palavras, principalmente numa ótima entrevista ao Bloomberg:

. “Diante dos incêndios na Amazônia, Bolsonaro se autodenominou ‘capitão motosserra’ e culpou as ONGs pela catástrofe. Bolsonaro é um perigo para o meio-ambiente e para a humanidade”.

. “Quando a Amazônia está queimando e sendo desflorestada e Jair Bolsonaro diz que ninguém me fala o que fazer em meu país, eu digo a ele: ‘Companheiro, não é só o seu país, você está destruindo o que pertence a toda a humanidade”.

. “Eu me sinto parte de uma tradição de esquerdismo na América Latina e espero que consiga fomentar uma nova cooperação, a partir do sul, para enfrentar os desafios que toda a humanidade tem pela frente. E a prioridade número um para a humanidade é o aquecimento do planeta”.

. “No nível político e sócio-econômico, o Chile dos anos oitenta foi o berço do experimento neoliberal. Quando se redemocratizou, não mudou o sistema. Seus excessos foram controlados, mas não sua essência. Precisamos de um novo modelo de desenvolvimento em que a criação de riqueza não se baseie primordialmente na mineração”.

Continua após a publicidade

. “Precisamos quebrar e descentralizar a concentração de riqueza e incluir uma perspectiva ambiental”.

. “Visitei a Venezuela em 2010 e não é este o rumo que quero seguir. Eu quero um lugar onde as regras sejam claras e onde possamos redistribuir as riquezas de forma melhor. Hoje, no Chile e no mundo, precisamos mudar a forma como entendemos o desenvolvimento”.

. “Aos investidores estrangeiros, eu digo que qualquer um que deseje investir de forma ambientalmente sustentável, com boas condições trabalhistas, que produza transferência de tecnologia e de cadeias de produção, é mais do que bem-vindo”.

Problema: o dinheiro estrangeiro já está saindo do Chile, tanto de investidores de fora quanto de chilenos que querem proteger seu patrimônio. A bolsa despencou e o dólar subiu depois da vitória do candidato esquerdista. São reações previsíveis, imediatistas, mas não dá para prever dias tranquilos pela frente para os chilenos nem muito menos para o próprio Boric.

O cientista político argentino Héctor Schamis, professor em Cornell, escreveu no Infobae um resumo do que está à espera dele quando se tornar presidente:

“Terá que resolver uma posição fiscal complexa, recuperar a confiança do investidor estrangeiro, motor do crescimento econômico sustentável, definir um sistema de aposentadorias equilibrado, abordar as frustrações dos jovens, tragédia de hoje no Chile e em todas as partes”.

“Terá que gerar governabilidade sem a leis das leis, a nova constituição está em processo. E terá que ser presidencial, além de ser presidente, neutralizando as tentativas do Partido Comunista de governar dos bastidores. Se o PC pudesse, o comeria cru”.

Sem contar salvar a Amazônia e o mundo, tarefas que ele também, indiretamente, se atribui. Vai ser uma jornada e tanto.

Giro VEJA: Queiroga passa pano para Bolsonaro e minimiza ameaças à Anvisa

Continua após a publicidade

Publicidade

Essa é uma matéria exclusiva para assinantes. Se já é assinante, entre aqui. Assine para ter acesso a esse e outros conteúdos de jornalismo de qualidade.

Essa é uma matéria fechada para assinantes e não identificamos permissão de acesso na sua conta. Para tentar entrar com outro usuário, clique aqui ou adquira uma assinatura na oferta abaixo

Informação de qualidade e confiável, a apenas um clique. Assine VEJA.

Impressa + Digital

Plano completo de VEJA. Acesso ilimitado aos conteúdos exclusivos em todos formatos: revista impressa, site com notícias 24h e revista digital no app (celular/tablet).

Colunistas que refletem o jornalismo sério e de qualidade do time VEJA.

Receba semanalmente VEJA impressa mais Acesso imediato às edições digitais no App.



a partir de R$ 39,90/mês

MELHOR
OFERTA

Digital

Plano ilimitado para você que gosta de acompanhar diariamente os conteúdos exclusivos de VEJA no site, com notícias 24h e ter acesso a edição digital no app, para celular e tablet. Edições de Veja liberadas no App de maneira imediata.

a partir de R$ 9,90/mês

ou

30% de desconto

1 ano por R$ 82,80
(cada mês sai por R$ 6,90)