Clique e Assine a partir de R$ 9,90/mês
Vilma Gryzinski Mundialista Por Vilma Gryzinski Se está no mapa, é interessante. Notícias comentadas sobre países, povos e personagens que interessam a participantes curiosos da comunidade global. Este conteúdo é exclusivo para assinantes.

O novo lema: ‘Yankees, come home’

A esquerda agora acha o máximo quando americanos interferem

Por Vilma Gryzinski Atualizado em 27 Maio 2022, 15h40 - Publicado em 28 Maio 2022, 08h00

Lincoln Gordon. A simples menção ao nome do embaixador americano na época do golpe de 1964 provocava reações furiosas entre intelectuais e militantes de esquerda. Não deixavam de ter razão. Por causa de suas análises — implacavelmente cortantes, como se ficou sabendo quando o telegrama de março de 1964, desdobrado em cinco partes, do embaixador à cúpula do governo americano foi revelado —, os EUA interferiram nos acontecimentos políticos do Brasil, embora nem tenha dado tempo de bancarem de fato os golpistas com a Operação Brother Sam. Agora, a nova embaixadora americana, Elizabeth Bagdley, é saudada como uma guerreira da luz por ter dito que a próxima eleição “não será um momento fácil por causa de muitos dos comentários dele”. “Ele”, claro, é Bolsonaro. Qual o papel de embaixadores? Servir a seus países com discrição, fazer unicamente declarações diplomáticas em público e só soltar as feras em situação de guerra. A senhora Bagdley ainda nem chegou a Brasília, mas já extrapolou suas atribuições.

“O governo Biden quer falar duro com Bolsonaro — e um pouco mais manso com Cuba e Venezuela”

Yankees, go home também é coisa do passado quando William Burns, o diretor da CIA — da CIA! —, se reúne em particular com integrantes do alto escalão do governo brasileiro, em julho do ano passado, e a notícia chega à agência Reuters nesse mês de maio. Burns também vira um ente do bem por ter dito que o presidente deveria parar de “minar a confiança” no sistema eleitoral. As fontes dos repórteres foram “duas pessoas familiarizadas com o assunto”. Como não podem ser extraterrestres que gravaram tudo sem a CIA saber, não é difícil imaginar de onde veio a informação. Obviamente, o governo Biden quer falar duro com Bolsonaro — e um pouco mais manso com Cuba e Venezuela. Não chega a ser surpresa. Curiosa é a reação dos afetados pela doença infantil do antiamericanismo em todas as instâncias, menos quando o envolvido é “ele”.

A última dos imperialistas, se ainda é possível usar ironias, foi a advertência da revista The Economist de que o futuro do aquecimento global “depende em parte” de Bolsonaro ser ou não reeleito. Opiniões sobre o presidente à parte, isso é resumidamente uma asneira. A ideia de que alguém em Brasília controla a Amazônia, como um gênio do mal, não combina com as análises habitualmente brilhantes da revista inglesa. É claro que ações do governo influem, nos dois sentidos, mas o papel atribuído à eleição presidencial não tem senso de proporção nem cabimento.

Lincoln Gordon escreveu no seu telegrama ter se convencido de que João Goulart “está agora definitivamente comprometido com uma campanha para assumir poderes ditatoriais, aceitando a colaboração ativa do Partido Comunista Brasileiro e de outros revolucionários de extrema esquerda para este fim”. E avisou: “Se ele vier a ser bem-sucedido, é mais do que provável que o Brasil cairia sob o controle comunista, mesmo que Goulart eventualmente possa esperar se voltar contra seus apoiadores comunistas, de acordo com o modelo peronista que, acredito, ele pessoalmente prefere”. Gordon morreu negando qualquer conspiração e o sigilo de seus telegramas só caiu em 2004. Amassem-no ou odiassem-no, nunca abriu o bico.

Publicado em VEJA de 1 de junho de 2022, edição nº 2791

Continua após a publicidade


Publicidade

Essa é uma matéria exclusiva para assinantes. Se já é assinante, entre aqui. Assine para ter acesso a esse e outros conteúdos de jornalismo de qualidade.

Essa é uma matéria fechada para assinantes e não identificamos permissão de acesso na sua conta. Para tentar entrar com outro usuário, clique aqui ou adquira uma assinatura na oferta abaixo

Informação de qualidade e confiável, a apenas um clique. Assine VEJA.

Impressa + Digital

Plano completo de VEJA. Acesso ilimitado aos conteúdos exclusivos em todos formatos: revista impressa, site com notícias 24h e revista digital no app (celular/tablet).

Colunistas que refletem o jornalismo sério e de qualidade do time VEJA.

Receba semanalmente VEJA impressa mais Acesso imediato às edições digitais no App.



a partir de R$ 39,90/mês

MELHOR
OFERTA

Digital

Plano ilimitado para você que gosta de acompanhar diariamente os conteúdos exclusivos de VEJA no site, com notícias 24h e ter acesso a edição digital no app, para celular e tablet. Edições de Veja liberadas no App de maneira imediata.

a partir de R$ 9,90/mês

ou

30% de desconto

1 ano por R$ 82,80
(cada mês sai por R$ 6,90)