Clique e Assine a partir de R$ 9,90/mês
Vilma Gryzinski Mundialista Por Vilma Gryzinski Se está no mapa, é interessante. Notícias comentadas sobre países, povos e personagens que interessam a participantes curiosos da comunidade global. Este conteúdo é exclusivo para assinantes.

Atitude animal: massacre dos cervos e o jogador que chutou o gato

Imagens chocantes mostrando resultado de caçada fechada na Espanha e de futebolista francês agredindo seu pet provocam revolta geral

Por Vilma Gryzinski Atualizado em 10 fev 2022, 10h07 - Publicado em 10 fev 2022, 07h29

Ser legal não significa ser justo, argumentou uma organização de proteção dos direitos dos animais diante do vídeo feito numa fazenda da região de Córdoba.

As imagens mostram 447 cervos e javalis enfileirados – para cumprir, ironicamente,  normas sanitárias -, depois de ser abatidos por caçadores que pagaram 1 000 euros por cabeça. Detalhe: a propriedade rural onde aconteceu a caçada é cercada, o que impossibilita a fuga de qualquer animal. A caçada vira “caçada”.

A associação de caçadores disse que, além de legal, a matança mantém o equilíbrio ambiental e controla espécies que não têm mais predadores naturais.  A carne dos animais abatidos é aproveitada, para consumo local ou exportação.

Todos os argumentos estão certos – o que não significa que ver tantos animais silvestres sacrificados seja menos chocante.

Evitar o sofrimento animal é um dos imperativos morais mais complicados que existem, pois o “rei das feras”, como o provavelmente vegetariano Leonardo da Vinci chamava o homem, tem uma alimentação mais eficiente com o consumo da carne.

Às vezes, a exigência não tem complicação nenhuma. É o que está acontecendo com Kurt Zouma, jogador do West Ham e da seleção francesa. Filmado pelo irmão, Yoan,que também é jogador, agredindo um de seus dois gatos da raça bengal – delicados leopardos em miniatura -, Zouma provocou reações em cadeia que ainda estão se propagando.

O gato aparentemente faz alguma coisa fora da caixa de areia. Zouma o agarra, dando um chute que faz o animal atravessar a cozinha de sua casa em Essex, na Inglaterra. Depois joga dois pés de tênis no bicho, refugiado debaixo da mesa de jantar. Quando uma criança pega o gato, o jogador dá um tapa que faz o gato voar.

Poucas coisas provocam reações tão unânimes na Inglaterra quanto maltratar animais. O abaixo-assinado de protesto não para de aumentar. O West Ham tentou administrar a revolta avisando que o jogador seria multado em duas semanas de salário – 250 mil libras, oito vezes mais em reais, dinheiro que seria destinado a entidades de proteção aos animais. 

Também mandou Zouma divulgar um pedido de desculpas daqueles escritos por advogados. “Não há justificativas para o meu comportamento”, diz a nota.

“Posso garantir que nossos gatos estão perfeitamente bem e com saúde. São amados e queridos por nossa família e este comportamento foi um incidente isolado que não se repetirá”.

Continua após a publicidade

Não mesmo: a Real Sociedade de Proteção aos Animais tirou os gatos da casa do jogador e abriu uma investigação própria, como permite a lei.

Na França, a Fundação 30 Milhões de Amigos, a maior do gênero, mobilizou advogados para entrar com uma queixa contra o jogador, mesmo que a agressão tenha acontecido fora do país. O crime de maus tratos a animais pode ser punido com até quatro anos de prisão segundo legislação em vigor desde o ano passado.

O West Ham, um time do povão da zona leste de Londres, demorou para perceber o tamanho da encrenca e escalou Zouma para um jogo no domingo. O jogador foi vaiado cada vez que tocou a bola, tanto pelos adversários, do Watford, quanto pelos próprios torcedores.

Agora, ele está fora da próxima partida. Perdeu o contrato com a Adidas e dois patrocinadores do time caíram fora.

Zouma, um francês de Lyon, filho de emigrantes da República Centro-Africana, provocou uma crise por motivo nunca visto no mundo do futebol, onde geralmente é o envolvimento abusivo com gatas humanas que causa escândalos.

“Muitas pessoas estão dizendo que este jogador não pode mais usar as cores da França”, disse uma porta-voz do Partido Animalista francês – existe e tem uma candidata a presidente com 2% das preferências.

Outra candidata, Marine Le Pen, a direitista simpática à causa animal, disparou: “É uma vergonha. Continuo a achar que os que praticam crueldade contra animais que não podem se defender são igualmente capazes de crueldade contra os homens. A violência nunca é anódina”.

Na Espanha das cenas chocantes do resultado da caçada fechada aos cervos e javalis, existe um precedente enorme de desastre de imagem que a questão animal pode causar. O rei Juan Carlos começou a desabar em 2012, quando sofreu uma queda durante uma caçada em Botsuana, um luxo bancado por um xeque árabe, na companhia da amante alemã.

Por causa do incidente, começaram a circular fotos de caçadas com grandes animais abatidos – tudo legalmente, embora desastroso em termos de relações públicas.

Dois anos depois, ele abdicou em favor do filho. Hoje, vive em Abu Dabi, impedido de voltar ao país pelo peso negativo que isso teria para o sucessor, embora tenham sido encerradas as investigações  por corrupção passiva e evasão fiscal.

Imagens que falam por si são poderosas e quando mostram abusos, de qualquer tipo, provocam uma revolta moral que não é fácil de controlar.

Continua após a publicidade


Publicidade

Essa é uma matéria exclusiva para assinantes. Se já é assinante, entre aqui. Assine para ter acesso a esse e outros conteúdos de jornalismo de qualidade.

Essa é uma matéria fechada para assinantes e não identificamos permissão de acesso na sua conta. Para tentar entrar com outro usuário, clique aqui ou adquira uma assinatura na oferta abaixo

Informação de qualidade e confiável, a apenas um clique. Assine VEJA.

Impressa + Digital

Plano completo de VEJA. Acesso ilimitado aos conteúdos exclusivos em todos formatos: revista impressa, site com notícias 24h e revista digital no app (celular/tablet).

Colunistas que refletem o jornalismo sério e de qualidade do time VEJA.

Receba semanalmente VEJA impressa mais Acesso imediato às edições digitais no App.



a partir de R$ 39,90/mês

MELHOR
OFERTA

Digital

Plano ilimitado para você que gosta de acompanhar diariamente os conteúdos exclusivos de VEJA no site, com notícias 24h e ter acesso a edição digital no app, para celular e tablet. Edições de Veja liberadas no App de maneira imediata.

a partir de R$ 9,90/mês

ou

30% de desconto

1 ano por R$ 82,80
(cada mês sai por R$ 6,90)