Clique e Assine a partir de R$ 19,90/mês
Me Engana que Eu Posto Por Coluna A verdade por trás de manchetes falsas que se espalham pela internet. Editado por João Pedroso de Campos.

Vídeo de crianças em dança inapropriada é cubano, não brasileiro

Imagens foram publicadas originalmente no Facebook do pai de uma das crianças e gerou polêmica em Cuba em 2016. Funk foi incluído no vídeo por montagem

Por João Pedroso de Campos Atualizado em 6 dez 2017, 20h37 - Publicado em 3 ago 2017, 17h37

Circula no Facebook desde a semana passada um vídeo que supostamente mostra crianças brasileiras uniformizadas dançando funk dentro de uma escola. A coreografia e a letra da música, nada infantis, geraram uma súbita polêmica na rede social, acompanhada de pedidos por ações do governo e da Polícia Federal, entre outros, para encontrar o colégio e punir os responsáveis por ele.

“Meu Deus! Olha o que essa ESCOLA ensina as crianças! Vamos compartilhar até que as autoridades tomem providências”, escreveu Sônia Almeida, autora da publicação, visualizada até agora por cerca de 765.000 usuários do Facebook e compartilhada outras 18.000 vezes só na rede social.

//Reprodução

Embora as imagens mostrem, efetivamente, crianças executando uma coreografia (no mínimo) nada apropriada a elas, o vídeo não foi feito no Brasil, mas na cidade de Esmeralda, em Cuba, e a música que os pequenos dançam não é um funk, mas um reggaeton, ritmo caribenho.

A trilha sonora cujo refrão é “novinha, deixe de marra, que eu sei que tu vai gostar, vem cá, deixa eu penetrar…” foi incluída no vídeo por meio de uma simples edição, apenas para enganar e indignar brasileiros.

Continua após a publicidade

Segundo o portal cubano Martí Notícias, as imagens foram publicadas originalmente em abril de 2016 no perfil no Facebook de Jorge Luis Pérez Paz, pai do garoto que aparece no vídeo (veja abaixo).

Diante da repercussão negativa da publicação, segundo o portal, Pérez Paz excluiu a postagem da rede social, mas as imagens acabaram replicadas no YouTube, de onde foram retiradas e utilizadas na “versão brasileira”.

//Reprodução

 

Agora você também pode colaborar com o Me engana que eu posto no combate às notícias mentirosas da internet. Recebeu alguma informação que suspeita – ou tem certeza – ser falsa? Envie para o blog via WhatsApp, no número (11) 9 9967-9374.

Continua após a publicidade


Publicidade

Essa é uma matéria exclusiva para assinantes. Se já é assinante, entre aqui. Assine para ter acesso a esse e outros conteúdos de jornalismo de qualidade.

Essa é uma matéria fechada para assinantes e não identificamos permissão de acesso na sua conta. Para tentar entrar com outro usuário, clique aqui ou adquira uma assinatura na oferta abaixo

Informação de qualidade e confiável, a apenas um clique. Assine VEJA.

Impressa + Digital

Plano completo da VEJA! Acesso ilimitado aos conteúdos exclusivos em todos formatos: revista impressa, site com notícias 24h e revista digital no app, para celular e tablet.

Colunistas que refletem o jornalismo sério e de qualidade do time VEJA.

Receba semanalmente VEJA impressa mais Acesso imediato às edições digitais no App.

a partir de R$ 39,90/mês

Digital

Plano ilimitado para você que gosta de acompanhar diariamente os conteúdos exclusivos de VEJA no site, com notícias 24h e ter acesso a edição digital no app, para celular e tablet.

Colunistas que refletem o jornalismo sério e de qualidade do time VEJA.

Edições da Veja liberadas no App de maneira imediata.

a partir de R$ 19,90/mês