Veja Digital - Plano para Democracia: R$ 1,00/mês
Matheus Leitão Blog de notícias exclusivas e opinião nas áreas de política, direitos humanos e meio ambiente. Jornalista desde 2000, Matheus Leitão é vencedor de prêmios como Esso e Vladimir Herzog

Um passo assustador na mistura entre política e religião

Pastor da Assembleia de Deus admitiu que se envolve em emendas parlamentares

Por Matheus Leitão Atualizado em 23 fev 2022, 17h53 - Publicado em 10 fev 2022, 14h06

Uma revelação feita pelo jornal O Estado de S. Paulo nesta quinta-feira, 10, mostra como a mistura indevida de política com religião está alcançando novos níveis no país.

Segundo a reportagem, José Wellington Bezerra da Costa, líder da Assembleia de Deus do Belém, em São Paulo, admitiu com todas as letras que faz a intermediação do pagamento de emendas recebidas por três de seus filhos que são parlamentares: o deputado federal Paulo Freire Costa (PL-SP), a deputada estadual Marta Costa (PSD-SP) e a vereadora Rute Costa (PSDB-SP).

“A emenda só vai para o prefeito por intermédio do pedido do pastor da Assembleia de Deus”, teria dito José Wellington durante reunião realizada nesta semana.

A fala revela como religiosos estão tentando entrar na política para proteger seus próprios interesses. Já não basta a maluquice que é ter parte do orçamento sendo diretamente administrada pelo Congresso, agora fica evidente que não é o parlamentar que está escolhendo o destino dos recursos, e sim um Pastor.

Procurado pelo jornal, José Wellington confirmou sua conduta e defendeu a atitude. “Quando o prefeito de uma cidade precisa de uma verba, é evidente que nós mandamos o pastor da nossa igreja para que ele tenha conhecimento com o prefeito”, disse.

Continua após a publicidade

Além de mexer com recursos públicos, o pastor faz campanha política dentro da igreja. “Meus irmãos, trabalhem para eleger os nossos irmãos na fé, procurem eleger os nossos irmãos na fé. Glória! Seja fiel a este nome: Assembleia de Deus no Brasil”.

As falas de José Wellington expõem a conduta que tem sido adotada por diversos líderes religiosos nos últimos. Usar o púlpito da igreja como palanque e tentar interferir nos recursos públicos em prol de seus fiéis já é comum e o movimento deve ganhar ainda mais força com a nova liderança da bancada evangélica na Câmara.

Nesta quarta-feira, 10, o deputado Sóstenes Cavalcante (DEM-RJ) assumiu a presidência da Frente Parlamentar Evangélica. Em entrevista ao Estado de S. Paulo, ele admitiu que sua prioridade será aumentar a participação de evangélicos no Congresso.

“Focar na eleição para ampliar a bancada com o máximo de colegas. Somos sub-representados. Somos 30% da população brasileira, e não somos 30% dos deputados, muito menos dos senadores”, declarou o deputado, discípulo de Silas Malafaia.

Com a postura de Sóstenes e a interferência de líderes como José Wellington, o Brasil vai ver, infelizmente, política e religião se misturando cada vez mais.

Continua após a publicidade

Publicidade

Essa é uma matéria exclusiva para assinantes. Se já é assinante, entre aqui. Assine para ter acesso a esse e outros conteúdos de jornalismo de qualidade.

Essa é uma matéria fechada para assinantes e não identificamos permissão de acesso na sua conta. Para tentar entrar com outro usuário, clique aqui ou adquira uma assinatura na oferta abaixo

Informação de qualidade e confiável, a apenas um clique. Assine VEJA.

Plano para Democracia

- R$ 1 por mês.

- Acesso ao conteúdo digital completo até o fim das eleições.

- Conteúdos exclusivos de VEJA no site, com notícias 24h e acesso à edição digital da revista no app.

- Válido até 31/10/2022, sem renovação.

3 meses por R$ 3,00
( Pagamento Único )

Digital Completo



Acesso digital ilimitado aos conteúdos dos sites e apps da Veja e de todas publicações Abril: Veja, Veja SP, Veja Rio, Veja Saúde, Claudia, Placar, Superinteressante,
Quatro Rodas, Você SA e Você RH.

a partir de R$ 9,90/mês

ou

30% de desconto

1 ano por R$ 82,80
(cada mês sai por R$ 6,90)