Assine VEJA por R$2,00/semana
Imagem Blog

Matheus Leitão Materia seguir SEGUIR Materia seguir SEGUINDO

Blog de notícias exclusivas e opinião nas áreas de política, direitos humanos e meio ambiente. Jornalista desde 2000, Matheus Leitão é vencedor de prêmios como Esso e Vladimir Herzog
Continua após publicidade

Por que Javier Milei procurou Lula 

... e de forma tão efusiva

Por Matheus Leitão Materia seguir SEGUIR Materia seguir SEGUINDO
Atualizado em 27 nov 2023, 10h55 - Publicado em 27 nov 2023, 10h00

O forte aceno do presidente eleito da Argentina, Javier Milei, a Lula neste domingo, 26, mostrou um chefe de estado prestes a ser empossado cedendo finalmente à realidade. A realidade, por exemplo, de que a parceria entre os argentinos e o Brasil tem uma longa tradição, é robusta economicamente e não pode ser tratada como se fosse desnecessária para os hermanos.

Por isso, Milei enviou uma carta pelos meios tradicionais da diplomacia – com a visita da futura ministra das Relações Exteriores daquele país, Diana Mondino, ao Brasil – e a entrega da missiva ao chanceler Mauro Vieira.

É a extrema-direita cedendo ao duro pragmatismo político da região sul-americana.

Depois dos xingamentos e da deselegância durante a campanha – quando Milei chamou Lula de ladrão e comunista -, agora o tom foi outro, completamente diferente.

Continua após a publicidade

Na carta, Milei, fala de estima e respeito pelo presidente brasileiro, afirma que “os dois países estão intimamente ligados pela geografia e história e, a partir disso, [deseja] seguir compartilhando áreas complementares a nível de integração física, comércio e presença internacional que permitam que toda essa ação conjunta se traduza, para os dois lados, em crescimento e prosperidade para argentinos e brasileiros”.

Esse foi o momento mais pragmático da carta, confirmada pelas declarações de Diana Mondino, dizendo que uma coisa é a briga ideológica, a outra coisa são as pessoas e os estados. Segundo ela, a Argentina quer ter relação com todos os países da região, especialmente o Brasil e um Mercosul mais forte.

O movimento da futura embaixadora vai no caminho oposto ao de meses atrás, quando o Mercosul foi achincalhado pelo próprio Milei, definido como um “fracasso”.

Continua após a publicidade

Na política real, o líder da extrema-direita precisa ceder à longa parceria entre Brasil e Argentina, e a embaixadora já fala em fechar o acordo do bloco de forma mais rápida possível.

Aliás, parceria da mesma forma que a Argentina tem com a China, país com quem Milei disse que romperia as relações. Até parece! A Argentina precisa do Brasil, da China e do Mercosul, e ele parece ter entendido isso.

Especialmente na política, a realidade sempre se impõe à ficção.

Publicidade

Matéria exclusiva para assinantes. Faça seu login

Este usuário não possui direito de acesso neste conteúdo. Para mudar de conta, faça seu login

O Brasil está mudando. O tempo todo.

Acompanhe por VEJA.

MELHOR
OFERTA

Digital Completo
Digital Completo

Acesso ilimitado ao site, edições digitais e acervo de todos os títulos Abril nos apps*

a partir de R$ 2,00/semana*

ou
Impressa + Digital
Impressa + Digital

Receba Veja impressa e tenha acesso ilimitado ao site, edições digitais e acervo de todos os títulos Abril nos apps*

a partir de R$ 39,90/mês

*Acesso ilimitado ao site e edições digitais de todos os títulos Abril, ao acervo completo de Veja e Quatro Rodas e todas as edições dos últimos 7 anos de Claudia, Superinteressante, VC S/A, Você RH e Veja Saúde, incluindo edições especiais e históricas no app.
*Pagamento único anual de R$96, equivalente a R$2 por semana.

PARABÉNS! Você já pode ler essa matéria grátis.
Fechar

Não vá embora sem ler essa matéria!
Assista um anúncio e leia grátis
CLIQUE AQUI.