Assine VEJA por R$2,00/semana
Imagem Blog

Matheus Leitão

Blog de notícias exclusivas e opinião nas áreas de política, direitos humanos e meio ambiente. Jornalista desde 2000, Matheus Leitão é vencedor de prêmios como Esso e Vladimir Herzog
Continua após publicidade

Por que Bolsonaro tem que ser investigado em relação à Petrobras

Entenda

Por Matheus Leitão Materia seguir SEGUIR Materia seguir SEGUINDO Atualizado em 15 abr 2022, 08h44 - Publicado em 14 abr 2022, 14h16

A revelação feita pelo jornal O Estado de S.Paulo – sobre mensagens do presidente Jair Bolsonaro enviadas no início de seu mandato ao então presidente da Petrobras Roberto Castello Branco – comprovam aquilo que já era uma suspeita: existe, sim, uma tentativa de interferência na política de preços da Petrobras.

“Recuem”, teria escrito Bolsonaro em mensagem no WhatsApp para Castello Branco. “Assim vocês querem me derrubar”, aparece em outra mensagem.

As mensagens e a tentativa de Bolsonaro de influenciar nos preços dos combustíveis são uma infração à Lei das Sociedades Anônimas, que prevê que nenhum acionista pode agir em defesa de seus próprios interesses. É abuso de poder do acionista majoritária. Fere também a Lei das Estatais. E o estatuto da empresa.

Aqui, o interesse do presidente é claro e pessoal: ele tenta, desde sempre, segurar os valores para não perder popularidade. Ele sabe que o preço do combustível impacta diretamente na forma como os brasileiros vêem o governo.

Continua após a publicidade

Agora, em ano eleitoral e com um novo presidente indicado pelo governo prestes a entrar na Petrobras, essas tentativas devem ficar ainda mais intensas.

O presidente infringiu a lei e deveria enfrentar mais uma investigação por essas mensagens, justamente porque esse comportamento não é novo. Bolsonaro é reincidente.

As frases reveladas pelo Estadão foram direcionadas a Castello Branco, mas Bolsonaro também pressionou o general Joaquim Silva e Luna, que entrou no lugar de Castello Branco na presidência da Petrobras.

Continua após a publicidade

À VEJA, Silva e Luna detalhou como o presidente tentou intervir na companhia.

Esta coluna mostrou como Silva e Luna, inclusive, enfrentou o presidente.

O novo indicado para a presidência da Petrobras terá um trabalho difícil pela frente. Enquanto isso, fica a expectativa de que Bolsonaro enfrente mais uma investigação pelos absurdos que tenta fazer dentro da companhia.

Continua após a publicidade

Além de ser investigado por atos antidemocráticos,e ter sido por interferência na Polícia Federal, o presidente precisa prestar esclarecimentos sobre o que tenta fazer com o preço dos combustíveis.

Publicidade

Matéria exclusiva para assinantes. Faça seu login

Este usuário não possui direito de acesso neste conteúdo. Para mudar de conta, faça seu login

Domine o fato. Confie na fonte.

10 grandes marcas em uma única assinatura digital

MELHOR
OFERTA

Digital Completo
Digital Completo

Acesso ilimitado ao site, edições digitais e acervo de todos os títulos Abril nos apps*

a partir de R$ 2,00/semana*

ou
Impressa + Digital
Impressa + Digital

Receba Veja impressa e tenha acesso ilimitado ao site, edições digitais e acervo de todos os títulos Abril nos apps*

a partir de R$ 39,90/mês

*Acesso ilimitado ao site e edições digitais de todos os títulos Abril, ao acervo completo de Veja e Quatro Rodas e todas as edições dos últimos 7 anos de Claudia, Superinteressante, VC S/A, Você RH e Veja Saúde, incluindo edições especiais e históricas no app.
*Pagamento único anual de R$96, equivalente a R$2 por semana.

PARABÉNS! Você já pode ler essa matéria grátis.
Fechar

Não vá embora sem ler essa matéria!
Assista um anúncio e leia grátis
CLIQUE AQUI.