Clique e Assine a partir de R$ 19,90/mês
Matheus Leitão Blog de notícias exclusivas e opinião nas áreas de política, direitos humanos e meio ambiente. Jornalista desde 2000, Matheus Leitão é vencedor de prêmios como Esso e Vladimir Herzog

O alerta bombástico de Edson Fachin

Entenda

Por Matheus Leitão Atualizado em 23 fev 2022, 17h51 - Publicado em 16 fev 2022, 10h20

Edson Fachin, ministro do STF que assumirá a presidência do Tribunal Superior Eleitoral (TSE) em uma semana, acordou o país nesta quarta-feira, 16, com um aviso ensurdecedor.

“Posso dizer a vocês que a Justiça Eleitoral já pode estar sob ataque de hackers, não apenas de atividades de criminosos, mas também de países, tal como a Rússia, que não tem legislação adequada de controle”, afirmou o magistrado, vivendo novamente um momento da carreira em que ficará sob forte holofote, numa entrevista ao Estado de S.Paulo.

De acordo com Fachin, “a preocupação com o ciberespaço se avolumou imensamente nos últimos meses” – isso horas após o magistrado dizer, durante reunião de transição no TSE com o ministro Luís Barroso, que a Rússia declarou guerra à Justiça Eleitoral.

Em nenhum momento, Fachin citou que o presidente Jair Bolsonaro está na Rússia, numa visita estapafúrdia em meio a rumores de Guerra. Não é à toa ou coincidência. Fachin faz o alerta hoje, justamente quando o presidente brasileiro se reúne com o líder russo, Vladimir Putin, para um almoço no Kremlin.

Na entrevista ao matutino, Fachin afirma que o Brasil terá, em 2022, “o maior teste das instituições democráticas”. Como quem olha para Bolsonaro de frente, ressaltou duas coisas:

1 – “Não há mais espaço para o populismo autoritário no Brasil”.

2 – “Nós tivemos 25 anos de uma ditadura  que trouxe consequências nefastas para o Brasil. Ditadura nunca mais”.

Continua após a publicidade

O presidente da República, como se sabe, é defensor das duas coisas – até por ser a maior viúva da ditadura militar brasileira.

O que se percebe com todas essas declarações é que Fachin seguirá o bom trabalho de Barroso e fechará o cerco, por exemplo, contra o Telegram, o aplicativo – sim, o app é russo – que mais ganhou de usuários ao redor do mundo. O magistrado ficará até 17 de agosto, mandato curto, mas será essencial para nortear as eleições, que serão presididas por Alexandre de Moraes.

Se Fachin mantiver a boa toada de hoje nos próximos meses, poderá não só banir o Telegram do Brasil, uma das possibilidades estudadas pelo TSE, como também o autoritarismo covarde que se alimenta dele para difundir informações falsas.

Antes de virar ministro do STF, em 2015, Fachin conquistou notoriedade no meio jurídico por novas teses envolvendo direito civil e de família, áreas nas quais se especializou em seu escritório de advocacia.

Depois que assumiu a cadeira na corte, enfrentou a árdua relatoria da Lava Jato, que impôs a ele assumir as ações penais na corte contra políticos. Isso, após a morte trágica do colega de toga Teori Zavascki.

Naquele momento, ninguém achava que sua trajetória encontraria um desafio maior, mas o país estava enganado. Fachin não fugiu, e mostra agora que não fugirá de novo. Pelas declarações, vai liderar, com mão de ferro, a corte no ano eleitoral mais estrepitoso das últimas quatro décadas.

“O mundo não virou planeta sem lei”. Bolsonaro, o maior beneficiado pelas fake news em 2018, que coloque as barbas de molho. Ele e os seus concorrentes. A justiça é cega, mas Fachin está com os olhos bem abertos.

Continua após a publicidade

Publicidade

Essa é uma matéria exclusiva para assinantes. Se já é assinante, entre aqui. Assine para ter acesso a esse e outros conteúdos de jornalismo de qualidade.

Essa é uma matéria fechada para assinantes e não identificamos permissão de acesso na sua conta. Para tentar entrar com outro usuário, clique aqui ou adquira uma assinatura na oferta abaixo

Informação de qualidade e confiável, a apenas um clique. Assine VEJA.

Impressa + Digital

Plano completo da VEJA! Acesso ilimitado aos conteúdos exclusivos em todos formatos: revista impressa, site com notícias 24h e revista digital no app, para celular e tablet.

Colunistas que refletem o jornalismo sério e de qualidade do time VEJA.

Receba semanalmente VEJA impressa mais Acesso imediato às edições digitais no App.

a partir de R$ 39,90/mês

Digital

Plano ilimitado para você que gosta de acompanhar diariamente os conteúdos exclusivos de VEJA no site, com notícias 24h e ter acesso a edição digital no app, para celular e tablet.

Colunistas que refletem o jornalismo sério e de qualidade do time VEJA.

Edições da Veja liberadas no App de maneira imediata.

a partir de R$ 19,90/mês