Clique e Assine a partir de R$ 19,90/mês
Matheus Leitão Blog de notícias exclusivas e opinião nas áreas de política, direitos humanos e meio ambiente. Jornalista desde 2000, Matheus Leitão é vencedor de prêmios como Esso e Vladimir Herzog

Era só o que faltava, Paulo Guedes

Decreto que entrega à Casa Civil a palavra final sobre gestão do Orçamento é mais um esvaziamento do ministério da Economia

Por Matheus Leitão Atualizado em 14 jan 2022, 10h19 - Publicado em 14 jan 2022, 10h16

O ministro da Economia, Paulo Guedes, vem perdendo o poder desde que chegou… ao poder. De super ministro está virando agora  mini-ministro do governo Jair Bolsonaro.

Desta vez, foi o decreto da gestão, que entregou ao ministro Ciro Nogueira a palavra final para qualquer mudança no Orçamento.

O Ministério da Economia tem dentro dele o que era a pasta de Planejamento, Orçamento e Gestão, portanto é por ele, Guedes, que teria que passar qualquer decisão de sobras o dinheiro do governo, ou remanejamento de verba.

Não contente em inflar o RP9 (o orçamento secreto), que dá ao deputado Arthur Lira e outros integrantes do centrão parcela grande do Orçamento, o presidente Bolsonaro agora entregou a gestão do dia a dia do Orçamento, que sempre foi atribuição da Economia, a outra parte do centrão. No caso, o ministro Ciro Nogueira.

Isso não vai provocar reação do ministro Paulo Guedes. Ele já está dizendo que, assim, poderá dividir com Nogueira as brigas em torno dos nacos do orçamento.

Mas isso é “jogo do contente”, como fazia a personagem da história infantil Poliana. A conclusão é uma só: Guedes diminuiu mais um pouco e agora em área central do seu ministério.

Continua após a publicidade

Publicidade