Assine VEJA por R$2,00/semana
Imagem Blog

Matheus Leitão Materia seguir SEGUIR Seguindo Materia SEGUINDO

Blog de notícias exclusivas e opinião nas áreas de política, direitos humanos e meio ambiente. Jornalista desde 2000, Matheus Leitão é vencedor de prêmios como Esso e Vladimir Herzog
Continua após publicidade

Brasil e Israel vivem maior momento de tensão e de relação estremecida

Entenda

Por Matheus Leitão Materia seguir SEGUIR Materia seguir SEGUINDO Atualizado em 9 Maio 2024, 20h11 - Publicado em 9 nov 2023, 19h26

Aumentou a temperatura no desentendimento entre os governos brasileiro e israelense. 

De um lado tem a demora na liberação dos brasileiros. Um diplomata graduado usou a palavra “inexplicável” diante da pergunta sobre o atraso. Mas o mais grave foi o comportamento e nota do embaixador de Israel em Brasilia. 

Daniel Zonshine disse que “se escolheram o Brasil é porque tem gente que ajuda”. Ele se referia à operação da operação da Polícia Federal que prendeu duas pessoas investigadas por suposta cooperação com o Hezbollah.

O Brasil decidiu aumentar as pressões para libertar os brasileiros que estão em situação dramática e sob risco na guerra entre Israel e Hamas. Além de não libertarem os brasileiros, o representante do governo de Israel faz ilações sobre o Brasil.

Continua após a publicidade

Nesta quinta-feira, 9, o ministro da Justiça, Flávio Dino, repudiou publicamente – e de forma enfática – qualquer tentativa do gabinete do primeiro-ministro daquele país, Benjamin Netanyahu, de interferir na soberania nacional.

“Nenhuma força estrangeira manda na Polícia Federal do Brasil. E nenhum representante de governo estrangeiro pode pretender antecipar o resultado da investigação conduzida pela Polícia Federal, ainda em andamento”, disse Dino.

É que no dia anterior, Israel informou ao mundo que a agência de inteligência Mossad cooperou com a Polícia Federal brasileira, compartilhando informações sobre o grupo radical libanês Hezbollah. 

Continua após a publicidade

Os extremistas estariam planejando um suposto atentado terrorista no Brasil, que foi impedido pela PF.

Como a coluna informou, se o judiciário brasileiro confirmar, ao fim do processo legal, as investigações da Polícia Federal sobre a célula do Hezbollah no Brasil, estaremos diante de um fato inédito na história do país.

Em meio à subida de temperatura, o ato do embaixador de Israel no Brasil, Daniel Zonshine, de encontrar Jair Bolsonaro no Congresso – junto com parlamentares da oposição – foi avaliado como “hostil” diplomaticamente.

Continua após a publicidade

Trata-se daquele momento em que os diplomatas definem como “relações estremecidas”.

Publicidade

Matéria exclusiva para assinantes. Faça seu login

Este usuário não possui direito de acesso neste conteúdo. Para mudar de conta, faça seu login

Domine o fato. Confie na fonte.

10 grandes marcas em uma única assinatura digital

MELHOR
OFERTA

Digital Completo
Digital Completo

Acesso ilimitado ao site, edições digitais e acervo de todos os títulos Abril nos apps*

a partir de R$ 2,00/semana*

ou
Impressa + Digital
Impressa + Digital

Receba Veja impressa e tenha acesso ilimitado ao site, edições digitais e acervo de todos os títulos Abril nos apps*

a partir de R$ 39,90/mês

*Acesso ilimitado ao site e edições digitais de todos os títulos Abril, ao acervo completo de Veja e Quatro Rodas e todas as edições dos últimos 7 anos de Claudia, Superinteressante, VC S/A, Você RH e Veja Saúde, incluindo edições especiais e históricas no app.
*Pagamento único anual de R$96, equivalente a R$2 por semana.

PARABÉNS! Você já pode ler essa matéria grátis.
Fechar

Não vá embora sem ler essa matéria!
Assista um anúncio e leia grátis
CLIQUE AQUI.