Clique e Assine a partir de R$ 9,90/mês
Matheus Leitão Blog de notícias exclusivas e opinião nas áreas de política, direitos humanos e meio ambiente. Jornalista desde 2000, Matheus Leitão é vencedor de prêmios como Esso e Vladimir Herzog

O que a reação de Lula diante da saia-justa de Eduardo Suplicy revela

Entenda

Por Matheus Leitão Atualizado em 21 jun 2022, 17h57 - Publicado em 21 jun 2022, 14h40

Lula ficou constrangido. Bastante, aliás.

Ao ver a apresentação das diretrizes do seu programa de governo à Presidência ser interrompido, nesta terça-feira, 21, por um Eduardo Suplicy revoltado por se sentir escanteado no PT, o ex-presidente abaixou a cabeça.

Lula mostrou aos correligionários que estava lendo um documento, com um leve sorriso no rosto, mas o ambiente era ruim – de climão mesmo –, se fôssemos definir como as novas gerações gostam de descrever.

Suplicy interrompeu Aloizio Mercadante apenas na apresentação do esboço que daqui a semanas culminará no programa de Lula, que lidera as pesquisas eleitorais. Ou seja, era um evento menor, mas o próprio PT deu ares de grandiosidade a ele.

Ocorre que Suplicy roubou a cena:

Continua após a publicidade

“[Quero] entregar ao Aloizio Mercadante a proposta que não foi considerada ainda, entre os itens principais, a instituição da renda básica de cidadania, aprovada por todos os partidos, sancionada pelo presidente Lula e está no programa do PT há muito anos, todo ano. Ele [Mercadante] tem alguma coisa comigo, não me convidou para esta reunião. Você sabe com quem que eu soube da reunião? Ontem à noite (…) ‘Você não vai na reunião do partido?’ Não fui convidado, mas hoje eu estou aqui. E continuarei trabalhando muito para que Lula e Alckmin instituam a renda básica de cidadania enquanto eu estiver vivo ainda”.

Enquanto Lula lia constrangido um documento e mudava as páginas rapidamente, Geraldo Alckmin, o vice na chapa do ex-presidente, batia palmas para as declarações de Suplicy e olhava para ele, fazendo sinal de positivo.

Em Brasília, todos conhecem a obsessão – no bom sentido – de Suplicy com a renda básica de cidadania, uma bandeira que ele carrega há décadas e que, às vezes, gera constrangimento por sua insistência.

Mas a pauta é boa e merecia um melhor tratamento do PT, assim como Suplicy.

Ele é um quadro histórico do partido – aliás, ali, todos eram -, mas Suplicy passa imagem de humildade, enquanto Mercadante, de arrogância. Já o Lula… Bem, o Lula é o Lula.

Continua após a publicidade

Publicidade

Essa é uma matéria exclusiva para assinantes. Se já é assinante, entre aqui. Assine para ter acesso a esse e outros conteúdos de jornalismo de qualidade.

Essa é uma matéria fechada para assinantes e não identificamos permissão de acesso na sua conta. Para tentar entrar com outro usuário, clique aqui ou adquira uma assinatura na oferta abaixo

Informação de qualidade e confiável, a apenas um clique. Assine VEJA.

Impressa + Digital

Plano completo de VEJA. Acesso ilimitado aos conteúdos exclusivos em todos formatos: revista impressa, site com notícias 24h e revista digital no app (celular/tablet).

Colunistas que refletem o jornalismo sério e de qualidade do time VEJA.

Receba semanalmente VEJA impressa mais Acesso imediato às edições digitais no App.



a partir de R$ 39,90/mês

MELHOR
OFERTA

Digital

Plano ilimitado para você que gosta de acompanhar diariamente os conteúdos exclusivos de VEJA no site, com notícias 24h e ter acesso a edição digital no app, para celular e tablet. Edições de Veja liberadas no App de maneira imediata.

a partir de R$ 9,90/mês

ou

30% de desconto

1 ano por R$ 82,80
(cada mês sai por R$ 6,90)