Clique e Assine a partir de R$ 19,90/mês
Matheus Leitão Blog de notícias exclusivas e opinião nas áreas de política, direitos humanos e meio ambiente. Jornalista desde 2000, Matheus Leitão é vencedor de prêmios como Esso e Vladimir Herzog

A procuradora de Bolsonaro e o corte no microfone

Após quatro décadas no Ministério Público, Lindôra Araújo ainda não sabe que serve ao Estado brasileiro e não a um governo de plantão

Por Matheus Leitão Atualizado em 17 nov 2021, 10h44 - Publicado em 17 nov 2021, 10h43

Braço direito de Augusto Aras na Procuradoria-Geral da República, Lindôra Araújo resolveu assumir de vez que age em nome de um governo e não do Estado brasileiro.

A subprocuradora-geral cortou o microfone do presidente da Ordem dos Advogados do Brasil, Felipe Santa Cruz, no 9º Fórum Jurídico de Lisboa, após ele falar mal de quem? Jair Bolsonaro.

Lindora era mediadora do evento organizado pelo ministro Gilmar Mendes, do Supremo Tribunal Federal (STF), em Portugal, mas não aceita uma visão crítica ao atual governo.

O tiro, contudo, saiu pela culatra. Felipe Santa Cruz acabou aplaudido de pé, após ter seu microfone desligado por ela.

“Primeiro, nós enfrentamos a resistência sistemática, não pontual, mas cotidiana, de setores do Executivo, do supremo mandatário do nosso país, à própria ideia de combate a pandemia”, disse Santa Cruz.

Não há nada de errado na frase do presidente da OAB. Bolsonaro foi o negacionista dos negacionistas espalhados pelo mundo afora.

Continua após a publicidade

Santa Cruz continuou: ”Na semana em que mais morreram brasileiros de Covid, na semana mais terrível da pandemia, gastamos a nossa semana construindo um parecer sobre a bizantina discussão que tomou conta do mundo jurídico brasileiro e das redes sociais: do poder moderador das Forças Armadas”.

Outra verdade. O presidente da República, além de ser um vergonhoso antivax, é um gerador contumaz de crises políticas, o que, como tenho dito aqui na coluna, derrubou sua popularidade.

Lindora nem disfarçou quando explicou porque cortou o microfone enquanto Santa Cruz dizia que era preciso salvar a democracia brasileira.

“Bom, eu não entendi, não sabia que era um discurso político. Mas, de qualquer maneira, eu agradeço a todos e dou por encerrado o painel”, afirmou Lindora, numa alusão à provável candidatura de Santa Cruz no ano que vem no Rio de Janeiro.

O incrível é que Lindora está no Ministério Público desde 1984 – ou seja, há quase 40 anos – passou por diversos governos, mas até hoje não entendeu qual é a função constitucional do MP. Certamente não é de ser censora, nem protetora do governo de plantão.

Nisso, temos que admitir: parece muito com o presidente Jair Bolsonaro, que não entende a cadeira que ocupa.

Continua após a publicidade


Publicidade

Essa é uma matéria exclusiva para assinantes. Se já é assinante, entre aqui. Assine para ter acesso a esse e outros conteúdos de jornalismo de qualidade.

Essa é uma matéria fechada para assinantes e não identificamos permissão de acesso na sua conta. Para tentar entrar com outro usuário, clique aqui ou adquira uma assinatura na oferta abaixo

Informação de qualidade e confiável, a apenas um clique. Assine VEJA.

Impressa + Digital

Plano completo da VEJA! Acesso ilimitado aos conteúdos exclusivos em todos formatos: revista impressa, site com notícias 24h e revista digital no app, para celular e tablet.

Colunistas que refletem o jornalismo sério e de qualidade do time VEJA.

Receba semanalmente VEJA impressa mais Acesso imediato às edições digitais no App.

a partir de R$ 39,90/mês

Digital

Plano ilimitado para você que gosta de acompanhar diariamente os conteúdos exclusivos de VEJA no site, com notícias 24h e ter acesso a edição digital no app, para celular e tablet.

Colunistas que refletem o jornalismo sério e de qualidade do time VEJA.

Edições da Veja liberadas no App de maneira imediata.

a partir de R$ 19,90/mês