Assine VEJA por R$2,00/semana
Imagem Blog

Matheus Leitão Materia seguir SEGUIR Materia seguir SEGUINDO

Blog de notícias exclusivas e opinião nas áreas de política, direitos humanos e meio ambiente. Jornalista desde 2000, Matheus Leitão é vencedor de prêmios como Esso e Vladimir Herzog
Continua após publicidade

A perspicaz tentativa de Zema de dar um drible político em Lula

Ou... de se diferenciar de Tarcísio de Freitas e Cláudio Castro

Por Matheus Leitão Materia seguir SEGUIR Materia seguir SEGUINDO
7 fev 2024, 16h32

O governador de Minas Gerais, Romeu Zema, fez um movimento político perspicaz, nesta quarta, 7, ao se dizer “convocado” para as eleições presidenciais de 2026 horas antes de se encontrar com Lula.

Em entrevista à rádio Jovem Pan, o governador mineiro fez o seguinte raciocínio: “se fizer uma boa gestão, se formos bem avaliados, talvez esse caminho [da candidatura à presidência] possa se concretizar no futuro”.

Romeu Zema ainda aproveitou para criticar a esquerda, classificando-a na entrevista de “antiga” – especialmente no que diz respeito à condução econômica federal imposta pelo PT ao país.

“Nós temos que chorar hoje, porque o Brasil está caminhando para uma situação tenebrosa. Uma dívida crescente e isso inviabiliza qualquer investimento futuro”, afirmou.

Ocorre que o governador de Minas Gerais deu as declarações após confirmar sua presença ao lado de Lula em evento nesta quinta, 8, e conseguir o que mais queria, segundo aliados: uma reunião sozinho com o presidente.

Continua após a publicidade

A movimentação de Zema no tabuleiro político é uma espécie de vacina aos encantos de Lula que tem feito gestos políticos a governadores da oposição ligados a Jair Bolsonaro.

Os bolsonaristas Tarcísio de Freitas e Cláudio Castro já caíram no feitiço do presidente, com trocas de elogios públicos de lado a lado.

Não que Zema não esteja disposto a fazer isso, mas agora pode fazê-lo com uma carta na manga: a de que, entre os três, ele é o que mais se coloca como adversário do PT.

PS – O governador de Minas, aliás, terá o seu primeiro encontro com Lula após a eleição e já foi cobrado publicamente pelo presidente por nunca ter ido a Brasília conversar sobre os desafios do estado. Entre os três políticos, Zema ainda é o que mais fez acenos à extrema-direita.

Publicidade

Matéria exclusiva para assinantes. Faça seu login

Este usuário não possui direito de acesso neste conteúdo. Para mudar de conta, faça seu login

O Brasil está mudando. O tempo todo.

Acompanhe por VEJA.

MELHOR
OFERTA

Digital Completo
Digital Completo

Acesso ilimitado ao site, edições digitais e acervo de todos os títulos Abril nos apps*

a partir de R$ 2,00/semana*

ou

Impressa + Digital
Impressa + Digital

Receba Veja impressa e tenha acesso ilimitado ao site, edições digitais e acervo de todos os títulos Abril nos apps*

a partir de R$ 39,90/mês

*Acesso ilimitado ao site e edições digitais de todos os títulos Abril, ao acervo completo de Veja e Quatro Rodas e todas as edições dos últimos 7 anos de Claudia, Superinteressante, VC S/A, Você RH e Veja Saúde, incluindo edições especiais e históricas no app.
*Pagamento único anual de R$96, equivalente a R$2 por semana.

PARABÉNS! Você já pode ler essa matéria grátis.
Fechar

Não vá embora sem ler essa matéria!
Assista um anúncio e leia grátis
CLIQUE AQUI.