Clique e Assine a partir de R$ 19,90/mês
Maquiavel Por José Benedito da Silva A política e seus bastidores. Com João Pedroso de Campos, Reynaldo Turollo Jr., Tulio Kruse e Diogo Magri. Este conteúdo é exclusivo para assinantes.

Quatro pesquisas e uma certeza: Bolsonaro tem alguma coisa para comemorar

Últimos levantamentos divulgados mostram governo ainda desaprovado pela maioria, mas nem tudo é má notícia

Por Da Redação Atualizado em 22 mar 2022, 16h49 - Publicado em 21 mar 2022, 17h20

Os últimos quatro levantamentos sobre o cenário eleitoral divulgados pelos institutos de pesquisas confirmaram, com pequenas variações, a liderança da corrida ao Palácio do Planalto pelo ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva (PT), seguido pelo atual presidente, Jair Bolsonaro (PL).

Outra unanimidade entre essas quatro pesquisas é que a avaliação do governo Bolsonaro melhorou ou, no mínimo, deixou de piorar — embora o presidente ainda tenha a sua gestão rejeitada pela maioria da população.

Na pesquisa XP/Ipespe, por exemplo, a taxa de ruim/péssimo oscilou negativamente de 55% no final de janeiro para 53% no início de março, enquanto a de ótimo/bom fez movimento inverso e subiu de 23% para 25%.  Para exemplificar como o cenário mudou, entre outubro de 2020 e setembro de 2021, a reprovação ao seu governo piorou sucessivamente, indo de 31% para 55%, enquanto a aprovação despencou de 39% para 23%.

Já no levantamento da Genial/Quaest, o índice de ruim/péssimo também caiu em relação à reta final do ano passado: de 56% em novembro foi para 49% em março deste ano, enquanto o de ótimo/bom foi de 19% para 24%.

No Paraná Pesquisas, a taxa de ruim/péssimo caiu de 50,3% em novembro de 2021 para 47% em março deste ano, enquanto a de ótimo/bom foi de 27,2% para 28,1%.

A última pesquisa, do BTG/FSB, feita no último final de semana, não tem comparação com outros levantamentos, mas mostra uma fotografia parecida: Bolsonaro tem a aprovação de em torno de 30%, contingente que historicamente lhe deu apoio desde o início da gestão – ele tem 29% de ótimo/bom contra 53% de ruim/péssimo.

É, claro, que ainda não dá para Bolsonaro comemorar, porque a rejeição ao seu governo ainda é alta, mas já para respirar mais aliviado. Talvez não por muito tempo. A ver qual será o impacto do aumento dos combustíveis e de outros produtos que impactam a maioria da população, como trigo, em razão principalmente da guerra na Ucrânia.

Continua após a publicidade


Publicidade

Essa é uma matéria exclusiva para assinantes. Se já é assinante, entre aqui. Assine para ter acesso a esse e outros conteúdos de jornalismo de qualidade.

Essa é uma matéria fechada para assinantes e não identificamos permissão de acesso na sua conta. Para tentar entrar com outro usuário, clique aqui ou adquira uma assinatura na oferta abaixo

Informação de qualidade e confiável, a apenas um clique. Assine VEJA.

Impressa + Digital

Plano completo da VEJA! Acesso ilimitado aos conteúdos exclusivos em todos formatos: revista impressa, site com notícias 24h e revista digital no app, para celular e tablet.

Colunistas que refletem o jornalismo sério e de qualidade do time VEJA.

Receba semanalmente VEJA impressa mais Acesso imediato às edições digitais no App.

a partir de R$ 39,90/mês

Digital

Plano ilimitado para você que gosta de acompanhar diariamente os conteúdos exclusivos de VEJA no site, com notícias 24h e ter acesso a edição digital no app, para celular e tablet.

Colunistas que refletem o jornalismo sério e de qualidade do time VEJA.

Edições da Veja liberadas no App de maneira imediata.

a partir de R$ 19,90/mês