Clique e Assine a partir de R$ 19,90/mês
Maquiavel Por José Benedito da Silva A política e seus bastidores. Com João Pedroso de Campos, Reynaldo Turollo Jr., Tulio Kruse e Diogo Magri. Este conteúdo é exclusivo para assinantes.

Por que os jovens brasileiros ainda relutam em tirar o título de eleitor

Número de eleitores de 16 e 17 anos é o mais baixo desde a redemocratização do país

Por Leonardo Lellis Atualizado em 30 mar 2022, 15h06 - Publicado em 30 mar 2022, 15h05

Com o registro do menor contingente de eleitores de 16 e 17 anos aptos a votar até fevereiro deste ano, artistas e celebridades entraram em campo para reforçar uma campanha do Tribunal Superior Eleitoral (TSE) para incentivar o alistamento dessa faixa etária e quebrar resistências deste público à política tradicional. Segundo dados publicados pela Corte, até o mês passado havia 834 mil pessoas com 16 e 17 anos com o título de eleitor — apenas 0,56% do total do eleitorado. O número é o menor desde a redemocratização.

O desinteresse dessa faixa etária pela participação na vida democrática é explicado, em alguma medida, pela desconfiança desse público nas instituições políticas tradicionais. É o que mostra uma pesquisa da ONG Luminate Group, que fez um levantamento qualitativo entre jovens do Brasil, da Argentina, México e Colômbia.

“A descrença e a desconfiança profundas que os jovens têm nas instituições das democracias realmente existentes não significam, necessariamente, falta de adesão ou de comprometimento com os valores democráticos”, aponta o estudo, que ainda alerta para a importância de se ampliar a noção política para além das instâncias tradicionais, como partidos políticos.

No caso brasileiro, a pesquisa indica o peso das redes sociais no processo de politização — algo que escalou alguns degraus de importância no engajamento de celebridades como a cantora Anitta e a ex-BBB Juliette Freire na campanha para incentivar o alistamento eleitoral. 

“Vários entrevistados afirmaram ter começado a ganhar consciência política, ao verem comentários nas redes de pessoas que seguiam ou de influenciadores de quem gostavam e com os quais concordavam. Tal processo também podia ser desencadeado por comentários com os quais estavam em desacordo, o que fazia com que começassem a pensar sobre agendas nas quais nunca tinham pensado.”

Para além das desconfianças do jovem nas instituições políticas tradicionais, a pesquisa mostra que a polarização também ajuda a explicar a queda do interesse dos jovens pela política. “Essa divisão familiar provocada pelo contexto político brasileiro atual também contribui para que os entrevistados, em geral, percebam a política como uma forma constante de enfrentamento e divisão, já que em seus próprios lares a política é experimentada dessa forma, e as redes sociais também figuram como espaços de briga politica constante e agressividade permanente”, aponta.

Uma nova abordagem é também considerada fundamental para ampliar a participação. “O que nós jovens sentimos é a necessidade de uma mudança de tom ao chamado pelo voto: nós estamos atentos e mobilizados e o que nos move a tirar o título é entender nosso poder, não a cobrança de que carregamos o peso dos rumos de todo um país. Nós somos protagonistas e queremos que as outras gerações caminhem conosco em nossa formação política, não que assumam que não temos interesse ou não entendemos a importância do voto”, explica Helena Branco, da Girl Up Brasil, organização que criou a campanha #SeuVotoImporta.

Continua após a publicidade

Publicidade

Essa é uma matéria exclusiva para assinantes. Se já é assinante, entre aqui. Assine para ter acesso a esse e outros conteúdos de jornalismo de qualidade.

Essa é uma matéria fechada para assinantes e não identificamos permissão de acesso na sua conta. Para tentar entrar com outro usuário, clique aqui ou adquira uma assinatura na oferta abaixo

Informação de qualidade e confiável, a apenas um clique. Assine VEJA.

Impressa + Digital

Plano completo da VEJA! Acesso ilimitado aos conteúdos exclusivos em todos formatos: revista impressa, site com notícias 24h e revista digital no app, para celular e tablet.

Colunistas que refletem o jornalismo sério e de qualidade do time VEJA.

Receba semanalmente VEJA impressa mais Acesso imediato às edições digitais no App.

a partir de R$ 39,90/mês

Digital

Plano ilimitado para você que gosta de acompanhar diariamente os conteúdos exclusivos de VEJA no site, com notícias 24h e ter acesso a edição digital no app, para celular e tablet.

Colunistas que refletem o jornalismo sério e de qualidade do time VEJA.

Edições da Veja liberadas no App de maneira imediata.

a partir de R$ 19,90/mês