Assine VEJA por R$2,00/semana
Imagem Blog

Maquiavel Materia seguir SEGUIR Materia seguir SEGUINDO

Por José Benedito da Silva
A política e seus bastidores. Com Laísa Dall'Agnol, Victoria Bechara, Bruno Caniato, Valmar Hupsel Filho, Isabella Alonso Panho e Adriana Ferraz. Este conteúdo é exclusivo para assinantes.
Continua após publicidade

PL contra a união homoafetiva vira uma grande confusão na Câmara

Texto determina que casais do mesmo sexo não podem ser equiparados a um núcleo familiar; sessão foi adiada após tumulto e bate-boca

Por Da Redação
Atualizado em 20 set 2023, 13h32 - Publicado em 20 set 2023, 13h32

O projeto de lei 5.167/2009, que proíbe o reconhecimento legal de uniões homoafetivas, virou uma grande confusão na Câmara. A reunião da Comissão de Previdência, Assistência Social, Infância, Adolescência e Família, que analisaria o texto na terça-feira, 19, foi palco de tumulto e troca de farpas entre parlamentares, e a votação teve que ser adiada para a próxima quarta-feira, 27.

O adiamento frustrou os planos do presidente do colegiado, Fernando Rodolfo (PL-PE), que deixou de comparecer ao enterro do próprio pai em Caruaru (PE) para mediar a sessão. Após quase cinco horas de discussão, os deputados aprovaram a realização de uma audiência pública na próxima terça-feira, 26, quando serão ouvidos quatro convidados a favor e quatro contrários ao projeto.

A sessão teve presença de ativistas pelos direitos das pessoas LGBT e chegou a ser suspensa devido a um bate-boca entre os deputados — a confusão começou após os defensores do projeto acusarem a oposição de quebrar um acordo firmado na comissão e usar instrumentos legais para barrar a tramitação do texto.

Depois que a deputada Erika Kokay (PT-DF) questionou o procedimento da votação na próxima semana, o relator do projeto, Pastor Eurico (PL-PE) se irritou e disse que “quem propõe isso não tem minha confiança”, ao que a deputada respondeu: “O senhor também não tem minha confiança” — o que deu início uma série de farpas entre os parlamentares presentes.

Continua após a publicidade

Os críticos ao projeto afirmam que a medida é inconstitucional —  em 2011, o Supremo Tribunal Federal (STF) permitiu a união estável entre pessoas do mesmo sexo, decisão que foi seguida pelo Conselho Nacional de Justiça (CNJ) que, em 2013, determinou que os cartórios reconheçam também o casamento homoafetivo.

Na prática, o PL 5.167/2009 tenta reverter essas decisões e estabelecer que a união entre casais gays não seja considerada como núcleo familiar — na justificativa, o relator cita trechos da Bíblia e afirma que “Deus não criou Adão e um outro Adão”. “Ele fez uma mulher, Eva, como parceira apropriada para Adão”, argumentou.

 

Publicidade

Matéria exclusiva para assinantes. Faça seu login

Este usuário não possui direito de acesso neste conteúdo. Para mudar de conta, faça seu login

O Brasil está mudando. O tempo todo.

Acompanhe por VEJA.

MELHOR
OFERTA

Digital Completo
Digital Completo

Acesso ilimitado ao site, edições digitais e acervo de todos os títulos Abril nos apps*

a partir de R$ 2,00/semana*

ou

Impressa + Digital
Impressa + Digital

Receba Veja impressa e tenha acesso ilimitado ao site, edições digitais e acervo de todos os títulos Abril nos apps*

a partir de R$ 39,90/mês

*Acesso ilimitado ao site e edições digitais de todos os títulos Abril, ao acervo completo de Veja e Quatro Rodas e todas as edições dos últimos 7 anos de Claudia, Superinteressante, VC S/A, Você RH e Veja Saúde, incluindo edições especiais e históricas no app.
*Pagamento único anual de R$96, equivalente a R$2 por semana.

PARABÉNS! Você já pode ler essa matéria grátis.
Fechar

Não vá embora sem ler essa matéria!
Assista um anúncio e leia grátis
CLIQUE AQUI.