Clique e Assine a partir de R$ 9,90/mês
Maquiavel Por José Benedito da Silva A política e seus bastidores. Com João Pedroso de Campos, Reynaldo Turollo Jr., Tulio Kruse, Diogo Magri, Victoria Bechara e Sérgio Quintella. Este conteúdo é exclusivo para assinantes.

Pesquisa eleitoral de Rondônia é suspensa após pedido do PL

TRE de Rondônia aceitou pedido do partido do senador Marcos Rogério por considerar a pesquisa produzida "sem a metodologia científica" necessária

Por Da Redação Atualizado em 23 jun 2022, 18h50 - Publicado em 23 jun 2022, 17h19

O PL, partido do senador Marcos Rogério (RO), conseguiu a suspensão da divulgação da pesquisa eleitoral sobre o governo de Rondônia, realizada pelo instituto Real Time Big Data e publicada no último dia 16 de junho. O levantamento, que mostrava Rogério atrás do atual governador Marcos Rocha (União Brasil) — 32% a 18% das intenções de voto, com margem de erro de três pontos para mais ou para menos –, foi considerado não confiável pelo juiz Edenir Sebastião Albuquerque da Rosa, do Tribunal Regional Eleitoral de Rondônia.

Segundo a decisão da Justiça eleitoral, a pesquisa não cumpre as normas do Tribunal Superior Eleitoral (TSE) porque não indicou os bairros percorridos nos municípios durante a realização do levantamento, não apontou a quantidade de eleitores ouvidos em cada cidade e por ser “vago a respeito do nível econômico das pessoas entrevistadas”.

Por isso, de acordo com o TRE-RO, a pesquisa cadastrada no TSE com o número RO-00114/2022 é “nociva ao interesse público” e foi produzida “sem a metodologia científica” exigida. “A ausência desses elementos produz um resultado potencialmente diverso da realidade, prejudicando a formação de opinião dos eleitores acerca da falsa ideia dos índices de aprovação ou rejeição dos candidatos listados”, diz trecho da nota.

Em contato com a reportagem, o diretor do instituto Real Time Big Data, Lucas Thut Sahd, diz que os argumentos colocados pelo PL e aceitos pelo TRE-RO são infundados e que, tão logo o instituto seja notificado juridicamente, irá recorrer da decisão.

“Não se compreende a questão de identificação dos diferentes bairros nos municípios pesquisados, uma vez que a eleição e os candidatos são estaduais. A identificação de bairros – além de não ser exigência legal para eleições estaduais – não produz qualquer alteração nos resultados divulgados. A metodologia científica utilizada segue rigorosamente os dados disponibilizados pelo próprio TSE (…). As informações de gênero, nível social/econômico e todas as demais exigidas pelas normas constam expressamente do registro junto ao TSE. Eventuais questionamentos, sem qualquer fundamento legal, mostram apenas descontentamento com os resultados”, diz nota divulgada pelo instituto.

Continua após a publicidade

Publicidade

Essa é uma matéria exclusiva para assinantes. Se já é assinante, entre aqui. Assine para ter acesso a esse e outros conteúdos de jornalismo de qualidade.

Essa é uma matéria fechada para assinantes e não identificamos permissão de acesso na sua conta. Para tentar entrar com outro usuário, clique aqui ou adquira uma assinatura na oferta abaixo

Informação de qualidade e confiável, a apenas um clique. Assine VEJA.

Impressa + Digital

Plano completo de VEJA. Acesso ilimitado aos conteúdos exclusivos em todos formatos: revista impressa, site com notícias 24h e revista digital no app (celular/tablet).

Colunistas que refletem o jornalismo sério e de qualidade do time VEJA.

Receba semanalmente VEJA impressa mais Acesso imediato às edições digitais no App.



a partir de R$ 39,90/mês

MELHOR
OFERTA

Digital

Plano ilimitado para você que gosta de acompanhar diariamente os conteúdos exclusivos de VEJA no site, com notícias 24h e ter acesso a edição digital no app, para celular e tablet. Edições de Veja liberadas no App de maneira imediata.

a partir de R$ 9,90/mês

ou

30% de desconto

1 ano por R$ 82,80
(cada mês sai por R$ 6,90)