Clique e Assine a partir de R$ 19,90/mês
Maquiavel Por José Benedito da Silva A política e seus bastidores. Com João Pedroso de Campos, Reynaldo Turollo Jr., Tulio Kruse e Diogo Magri. Este conteúdo é exclusivo para assinantes.

Pediatras acionam PGR e Câmara contra Bia Kicis por vazamento de dados

Sociedade Brasileira de Pediatria acusa deputada bolsonarista de ter divulgado dados pessoais de três médicos favoráveis à vacinação de crianças

Por Reynaldo Turollo Jr. Atualizado em 17 jan 2022, 11h55 - Publicado em 17 jan 2022, 11h53

A Sociedade Brasileira de Pediatria (SBP) informou nesta segunda-feira, 17, que vai representar contra a deputada federal Bia Kicis (PSL-DF) na Câmara e na Procuradoria-Geral da República por ter divulgado, em redes sociais, dados pessoais de três médicos que falaram a favor da vacinação de crianças na audiência pública promovida pelo Ministério da Saúde no início do ano. Para a entidade, “o gesto praticado pela deputada Bia Kicis não pode ficar impune”.

Bia Kicis é uma das principais aliadas do presidente Jair Bolsonaro (PL) e divulgadora de conteúdo negacionista, que coloca em xeque as vacinas e medidas de prevenção contra a covid-19. Os médicos que tiveram dados pessoais vazados pela parlamentar, conforme ela mesma teria admitido, são Isabella Ballalai, vice-presidente da Sociedade Brasileira de Imunizações (SBIM), Marco Aurélio Sáfadi, presidente do Departamento de Infectologia da SBP, e Renato Kfouri, presidente do Departamento de Imunizações da SBP e diretor da SBIM.

“Pela imprensa, a deputada Bia Kicis (presidente da Comissão de Constituição e Justiça da Câmara dos Deputados) assumiu a responsabilidade pela publicização de informações, o que deixou os médicos acima citados em situação de vulnerabilidade, sendo alvos de ameaças e intimidações pelo seu posicionamento em relação ao tema da vacinação de crianças contra a covid-19”, diz a nota de repúdio assinada pela SBP.

O texto informa que a entidade pede ao Ministério Público Federal que seja apurada a fonte do vazamento, “com a responsabilização dos envolvidos por descumprimento da legislação em vigor, dando resposta à sociedade, principalmente aos pediatras do país”, e ao Conselho de Ética da Câmara dos Deputados para que seja instaurado um inquérito. “Se for confirmada a violação do decoro parlamentar, ela deve ser processada e julgada conforme o Código de Ética da Câmara dos Deputados”, conclui.

Continua após a publicidade

Publicidade

Essa é uma matéria exclusiva para assinantes. Se já é assinante, entre aqui. Assine para ter acesso a esse e outros conteúdos de jornalismo de qualidade.

Essa é uma matéria fechada para assinantes e não identificamos permissão de acesso na sua conta. Para tentar entrar com outro usuário, clique aqui ou adquira uma assinatura na oferta abaixo

Informação de qualidade e confiável, a apenas um clique. Assine VEJA.

Impressa + Digital

Plano completo da VEJA! Acesso ilimitado aos conteúdos exclusivos em todos formatos: revista impressa, site com notícias 24h e revista digital no app, para celular e tablet.

Colunistas que refletem o jornalismo sério e de qualidade do time VEJA.

Receba semanalmente VEJA impressa mais Acesso imediato às edições digitais no App.

a partir de R$ 39,90/mês

Digital

Plano ilimitado para você que gosta de acompanhar diariamente os conteúdos exclusivos de VEJA no site, com notícias 24h e ter acesso a edição digital no app, para celular e tablet.

Colunistas que refletem o jornalismo sério e de qualidade do time VEJA.

Edições da Veja liberadas no App de maneira imediata.

a partir de R$ 19,90/mês