Assine VEJA por R$2,00/semana
Imagem Blog

Maquiavel

Por José Benedito da Silva
A política e seus bastidores. Com Laísa Dall'Agnol, Victoria Bechara, Bruno Caniato, Valmar Hupsel Filho, Isabella Alonso Panho e Adriana Ferraz. Este conteúdo é exclusivo para assinantes.
Continua após publicidade

Ondas de calor aumentaram quase oito vezes em 30 anos no Brasil, diz Inpe

País registra 52 dias de calor extremo entre 2011 e 2020; temperaturas máximas também cresceram

Por Bruno Caniato Atualizado em 9 Maio 2024, 20h07 - Publicado em 14 nov 2023, 13h17

Entre 2011 e 2020, o Brasil registrou 52 dias com ondas de calor, segundo dados recentes publicados pelo Instituto Nacional de Pesquisas Espaciais (Inpe). O dado representa quase oito vezes o total verificado nos trinta anos entre 1961 e 1990, quando foram sete dias de calor extremo, e indica uma tendência cada vez mais acelerada de aquecimento — as ondas de calor duraram vinte dias entre 1991 e 2000 e chegaram a quarenta dias na década seguinte.

Para referência, o Inpe considera “onda de calor” um registro de seis dias consecutivos com temperaturas acima do valor considerado extremo naquele período. A intensidade dos eventos de calor extremo também aumentou — nos últimos dez anos, os termômetros chegaram a ultrapassar o limite máximo em 3 ºC, enquanto essas temperaturas além do normal não passavam de 1,5 ºC entre 1961 e 1990.

Outro fator alarmante constatado pelos cientistas foi a forte oscilação nos níveis de chuva, que cresceram em algumas regiões do país e diminuíram em outras ao longo da década de 2010. Nesse período, a taxa média de precipitação caiu até 40% na área que engloba Nordeste, Sudeste e Centro-Oeste, e chegou a subir 30% na zona que abrange o Sul e partes de São Paulo e Mato Grosso do Sul.

Para o coordenador dos estudos no Inpe, Lincoln Alves, os registros de eventos extremos mais frequentes e intensos evidenciam claramente os efeitos da crise climática mundial no Brasil. “O mais recente relatório do IPCC [painel climático da ONU] destacou que as mudanças climáticas estão impactando diversas regiões do mundo de maneiras distintas, e elas irão se agravar nas próximas décadas proporcionalmente ao aquecimento global”, afirma o pesquisador.

Publicidade

Matéria exclusiva para assinantes. Faça seu login

Este usuário não possui direito de acesso neste conteúdo. Para mudar de conta, faça seu login

Domine o fato. Confie na fonte.

10 grandes marcas em uma única assinatura digital

MELHOR
OFERTA

Digital Completo
Digital Completo

Acesso ilimitado ao site, edições digitais e acervo de todos os títulos Abril nos apps*

a partir de R$ 2,00/semana*

ou
Impressa + Digital
Impressa + Digital

Receba Veja impressa e tenha acesso ilimitado ao site, edições digitais e acervo de todos os títulos Abril nos apps*

a partir de R$ 39,90/mês

*Acesso ilimitado ao site e edições digitais de todos os títulos Abril, ao acervo completo de Veja e Quatro Rodas e todas as edições dos últimos 7 anos de Claudia, Superinteressante, VC S/A, Você RH e Veja Saúde, incluindo edições especiais e históricas no app.
*Pagamento único anual de R$96, equivalente a R$2 por semana.

PARABÉNS! Você já pode ler essa matéria grátis.
Fechar

Não vá embora sem ler essa matéria!
Assista um anúncio e leia grátis
CLIQUE AQUI.