Clique e Assine a partir de R$ 19,90/mês
Maquiavel Por José Benedito da Silva A política e seus bastidores. Com João Pedroso de Campos, Reynaldo Turollo Jr., Tulio Kruse e Diogo Magri. Este conteúdo é exclusivo para assinantes.

Olavo foi ‘farol para milhões’, diz Bolsonaro; veja repercussão da morte

Escritor considerado guru do bolsonarismo morreu aos 74 anos após oito dias internado por Covid-19

Por Da Redação Atualizado em 25 jan 2022, 07h17 - Publicado em 25 jan 2022, 04h28

O presidente Jair Bolsonaro lamentou, em post publicado no Twitter na madrugada desta terça-feira, 25, a morte do escritor Olavo de Carvalho aos 74 anos em um hospital de Richmond, na região de Virgínia (EUA), onde estava internado havia oito dias em razão de Covid-19. A família não informou a causa da morte.

“Nos deixa hoje um dos maiores pensadores da história do nosso país. Olavo foi um gigante na luta pela liberdade e um farol para milhões de brasileiros. Seu exemplo e seus ensinamentos nos marcarão para sempre”, escreveu o presidente.

Os filhos de Jair Bolsonaro, Eduardo e Carlos, também lamentaram a morte ainda durante a madrugada. “Aqui na Terra seus livros, vídeos e ensinamentos permanecerão por muito tempo ainda”, escreveu Eduardo. Já Carlos afirmou que admirava Olavo “por seu vasto conhecimento, bom humor e, principalmente, por sua coragem”.

Bolsonaristas que passaram ou ainda estão no governo também lamentaram. O assessor para assuntos internacionais da Presidência da República, Filipe Martins, que tentou imprimir a filosofia olavista à política externa brasileira e não postava desde 7 de setembro do ano passado, voltou ao Twitter para comentar a morte de Olavo. “Para mim hoje é como se a filosofia brasileira tivesse morrido”, escreveu.

Arthur Weintraub, que foi assessor da Presidência da República, apontado como um dos mentores da política negacionista do governo contra a Covid-19 e que hoje está rompido com o governo, também lamentou. “Muito triste perder esse gigante. Nunca vamos esquecê-lo”, disse.

Continua após a publicidade

A chamada ala olavista já chegou a ter grande importância nos primeiros anos do governo Bolsonaro, mas perdeu espaço para o Centrão e muitos dos seus seguidores viraram críticos da gestão. O próprio Olavo vinha atacando os rumos que o presidente havia imprimido a sua administração. Em dezembro passado, ele disse que ainda votaria em Bolsonaro em 2022 “por falta de alternativas”.

O discurso conservador de Olavo, de direita e muitas vezes negacionista – principalmente em relação à vacina contra a Covid-19 (que não se sabe se ele tomou) – também inspirou a movimentação da ala mais radical do bolsonarismo. Na madrugada desta terça-feira, vários sites e perfis de direita lamentaram a morte do escritor.

“A notícia que nunca gostaríamos de receber”, postou o perfil oficial do Movimento Brasil Conservador (MBC) nas redes sociais.

Críticas

A informação da morte de Olavo também foi lembrada com críticas na rede, principalmente de pessoas ligadas à esquerda, que lembraram de sua militância contra a vacina, sua pregação anticomunista e seus posicionamentos conservadores em relação a comportamento e religião.

A filha Heloisa de Carvalho Martin Arribas, que era rompida com o pai, também o criticou ao saber da sua morte. “Que Deus perdoe ele de todas as maldades que cometeu”, postou Heloísa no Twitter.

Continua após a publicidade

Publicidade

Essa é uma matéria exclusiva para assinantes. Se já é assinante, entre aqui. Assine para ter acesso a esse e outros conteúdos de jornalismo de qualidade.

Essa é uma matéria fechada para assinantes e não identificamos permissão de acesso na sua conta. Para tentar entrar com outro usuário, clique aqui ou adquira uma assinatura na oferta abaixo

Informação de qualidade e confiável, a apenas um clique. Assine VEJA.

Impressa + Digital

Plano completo da VEJA! Acesso ilimitado aos conteúdos exclusivos em todos formatos: revista impressa, site com notícias 24h e revista digital no app, para celular e tablet.

Colunistas que refletem o jornalismo sério e de qualidade do time VEJA.

Receba semanalmente VEJA impressa mais Acesso imediato às edições digitais no App.

a partir de R$ 39,90/mês

Digital

Plano ilimitado para você que gosta de acompanhar diariamente os conteúdos exclusivos de VEJA no site, com notícias 24h e ter acesso a edição digital no app, para celular e tablet.

Colunistas que refletem o jornalismo sério e de qualidade do time VEJA.

Edições da Veja liberadas no App de maneira imediata.

a partir de R$ 19,90/mês