Assine VEJA por R$2,00/semana
Imagem Blog

Maquiavel Materia seguir SEGUIR Materia seguir SEGUINDO

Por José Benedito da Silva
A política e seus bastidores. Com Laísa Dall'Agnol, Victoria Bechara, Bruno Caniato, Valmar Hupsel Filho, Isabella Alonso Panho e Adriana Ferraz. Este conteúdo é exclusivo para assinantes.
Continua após publicidade

O real motivo da alfinetada de Eduardo Cunha em Deltan Dallagnol

'Tchau, querido', publicou o algoz de Dilma Rousseff poucos minutos após a cassação do mandato do ex-procurador da Lava Jato

Por Laísa Dall'Agnol Materia seguir SEGUIR Materia seguir SEGUINDO
17 Maio 2023, 20h46

“Tchau, querido”, publicou o ex-deputado federal Eduardo Cunha na noite da última terça-feira, 16, poucos minutos após a cassação do mandato do deputado federal e ex-procurador da Operação Lava Jato Deltan Dallagnol (Podemos-PR). O bordão do ex-presidente da Câmara — na versão feminina — ficou famoso à época do impeachment de Dilma Rousseff (PT), em 2016.

Cunha, como se sabe, foi um dos principais alvos da Lava Jato, sendo condenado a 15 anos de prisão pelos crimes de corrupção passiva e lavagem de dinheiro. A alfinetada em Deltan, no entanto, parece ter sido motivada por outros acontecimentos, mais recentes — envolvendo importantes aliados do Republicanos e a ministra do Turismo de Lula, Daniela Carneiro.

Foi Deltan Dallagnol o responsável pela notícia-crime, em fevereiro deste ano, a partir da qual o Ministério Público do Rio de Janeiro abriu uma investigação contra Daniela por supostas irregularidades em sua campanha eleitoral do ano passado. Segundo divulgado pelo portal Metrópoles, a campanha da agora ministra — ela foi a deputada federal mais votada do estado — teria feito uso de gráficas registradas em endereços diferentes daqueles declarados à Receita Federal. Nos locais indicados — e que teriam recebido mais de um milhão de reais em recursos eleitorais — foram encontrados pela reportagem um coworking e um frigorífico.

O ex-deputado federal Eduardo Cunha (PTB), com o ex-prefeito de Belford Roxo (RJ), Waguinho (União): jogo de intrigas
O ex-deputado federal Eduardo Cunha (PTB), com o ex-prefeito de Belford Roxo (RJ), Waguinho (União): jogo de intrigas (\/Reprodução)

Desde que voltou à política — ele chegou a concorrer a uma vaga como deputado federal por São Paulo em 2022 –, Cunha tem estreitado os laços com lideranças do Republicanos, entre eles o presidente da sigla, Marcos Pereira. É Cunha, também, quem articula para que personagens do União Brasil migrem para a legenda. Entre eles, está a ministra do Turismo de Lula.

O racha no União começou quando a atual direção passou a disputar espaço com Wagner Carneiro, ex-prefeito de Belford Roxo e marido de Daniela, que comandava o diretório do Rio de Janeiro. Conhecido como Waguinho, ele é uma das principais lideranças da Baixada Fluminense e emplacou a mulher no governo federal ao apoiar a candidatura de Lula, no ano passado, em uma região fortemente bolsonarista. Tida como uma nomeação pessoal do próprio petista, a mulher do prefeito não fatiou a pasta a seus pares e, em represália, de um dia para o outro, Waguinho perdeu a senha para acessar os recursos do fundo partidário.

https://twitter.com/DepEduardoCunha/status/1658621519709233153?s=20

Publicidade

Matéria exclusiva para assinantes. Faça seu login

Este usuário não possui direito de acesso neste conteúdo. Para mudar de conta, faça seu login

O Brasil está mudando. O tempo todo.

Acompanhe por VEJA.

MELHOR
OFERTA

Digital Completo
Digital Completo

Acesso ilimitado ao site, edições digitais e acervo de todos os títulos Abril nos apps*

a partir de R$ 2,00/semana*

ou
Impressa + Digital
Impressa + Digital

Receba Veja impressa e tenha acesso ilimitado ao site, edições digitais e acervo de todos os títulos Abril nos apps*

a partir de R$ 39,90/mês

*Acesso ilimitado ao site e edições digitais de todos os títulos Abril, ao acervo completo de Veja e Quatro Rodas e todas as edições dos últimos 7 anos de Claudia, Superinteressante, VC S/A, Você RH e Veja Saúde, incluindo edições especiais e históricas no app.
*Pagamento único anual de R$96, equivalente a R$2 por semana.

PARABÉNS! Você já pode ler essa matéria grátis.
Fechar

Não vá embora sem ler essa matéria!
Assista um anúncio e leia grátis
CLIQUE AQUI.