Assine VEJA por R$2,00/semana
Imagem Blog

Maquiavel

Por José Benedito da Silva
A política e seus bastidores. Com Laísa Dall'Agnol, Victoria Bechara, Bruno Caniato, Valmar Hupsel Filho, Isabella Alonso Panho e Adriana Ferraz. Este conteúdo é exclusivo para assinantes.
Continua após publicidade

O esquema de rachadinha denunciado por uma Bolsonaro em Brasília

Polícia Civil do DF deflagra operação contra o deputado distrital Daniel Donizet (PL) após depoimento de sua suplente, Kelly Bolsonaro

Por Caíque Alencar Atualizado em 14 dez 2021, 18h48 - Publicado em 14 dez 2021, 10h59

O termo rachadinha, usado para designar a prática de políticos de reter parte dos salários dos servidores em seu gabinete, já existia há algum tempo, mas foi popularizado com a chegada do presidente Jair Bolsonaro ao poder.

Antes mesmo de ele tomar posse, no final de 2018, veio à tona a denúncia envolvendo seu filho Zero Um, Flávio Bolsonaro (PL), que teria montado um esquema desse tipo em seu gabinete na Assembleia Legislativa do Rio de Janeiro, quando era deputado estadual.

Depois, o próprio presidente foi alvo de suspeitas do tipo dos tempos em que ainda era um inexpressivo deputado federal em Brasília. O seu filho Zero Dois, Carlos Bolsonaro, também é investigado por prática desse tipo na Câmara Municipal do Rio de Janeiro.

Nesta terça-feira, 14, uma novidade: um político que carrega Bolsonaro no nome denunciou um esquema de rachadinha. Kelly Bolsonaro (Patriota) disse em depoimento ao Ministério Público que havia cerca de 20 funcionários fantasmas ligados ao gabinete do deputado distrital Daniel Donizet (PL). Ela é suplente do parlamentar e fez a denúncia após ter assumido por um período o mandato no lugar de Donizet, que foi ocupar um cargo no governo do Distrito Federal e, segundo ela, ter tomado conhecimento da existência dos fantasmas no gabinete.

Continua após a publicidade

Apesar de usar o sobrenome do presidente, Kelly não faz parte da família presidencial. Ela usa o sobrenome em suas campanhas políticas por admiração que tem pelo chefe do Executivo Federal. Seu nome de verdade é Kelly Cristina Pereira dos Santos.

Registro da candidatura de Kelly Bolsonaro a deputada distrital em 2018 no site do TSE
Registro da candidatura de Kelly Bolsonaro a deputada distrital em 2018 no site do TSE (TSE/Reprodução)

 

A denúncia resultou na deflagração nesta terça-feira, 14, da Operação Melinoe, pela Polícia Civil do Distrito Federal. A investigação, que teve início em 2019, visa apurar existência de servidores que, apesar de assinarem as folhas de ponto, não compareciam para prestar serviço.

Amarelas On Air: Kassab vê Lula garantido no 2° turno e Bolsonaro em ‘queda livre’

Publicidade

Matéria exclusiva para assinantes. Faça seu login

Este usuário não possui direito de acesso neste conteúdo. Para mudar de conta, faça seu login

Domine o fato. Confie na fonte.

10 grandes marcas em uma única assinatura digital

MELHOR
OFERTA

Digital Completo
Digital Completo

Acesso ilimitado ao site, edições digitais e acervo de todos os títulos Abril nos apps*

a partir de R$ 2,00/semana*

ou
Impressa + Digital
Impressa + Digital

Receba Veja impressa e tenha acesso ilimitado ao site, edições digitais e acervo de todos os títulos Abril nos apps*

a partir de R$ 39,90/mês

*Acesso ilimitado ao site e edições digitais de todos os títulos Abril, ao acervo completo de Veja e Quatro Rodas e todas as edições dos últimos 7 anos de Claudia, Superinteressante, VC S/A, Você RH e Veja Saúde, incluindo edições especiais e históricas no app.
*Pagamento único anual de R$96, equivalente a R$2 por semana.

PARABÉNS! Você já pode ler essa matéria grátis.
Fechar

Não vá embora sem ler essa matéria!
Assista um anúncio e leia grátis
CLIQUE AQUI.