Clique e Assine a partir de R$ 9,90/mês
Maquiavel Por José Benedito da Silva A política e seus bastidores. Com João Pedroso de Campos, Reynaldo Turollo Jr., Tulio Kruse, Diogo Magri, Victoria Bechara e Sérgio Quintella. Este conteúdo é exclusivo para assinantes.

Inquérito do TSE avança na apuração do uso de TV pública por Bolsonaro

Na primeira frente de investigação foram ouvidos vários servidores e diretores da EBC, que transmitiu live de Bolsonaro com ataques às urnas

Por Reynaldo Turollo Jr. 3 set 2021, 17h10

Principal resposta da Justiça Eleitoral aos ataques do presidente Jair Bolsonaro contra o sistema de votação, o inquérito administrativo aberto pelo TSE (Tribunal Superior Eleitoral) tem avançado a passos largos na apuração do uso de recursos públicos para a autopromoção do futuro candidato. Essa é a primeira frente de investigação e a mais avançada. No último mês, vários servidores da EBC (Empresa Brasil de Comunicação), que é pública, prestaram depoimento à equipe que trabalha no inquérito. O corregedor do TSE, ministro Luis Felipe Salomão, acompanhou pessoalmente as oitivas, junto com a Polícia Federal.

Investigadores suspeitam de uso dos equipamentos da EBC para fins eleitorais e com muita antecipação, o que é vedado. Se a irregularidade ficar comprovada, Bolsonaro pode, no cenário mais grave, ter seu registro de candidatura negado pelo TSE no ano que vem. A live do presidente com ataques às urnas, que motivou a abertura do inquérito, foi transmitida pela TV pública no final de julho. Na transmissão, Bolsonaro admitiu não ter provas, mas apenas indícios de que as urnas são fraudáveis, e usou fake news já desmentidas para tentar desacreditar o sistema.

O presidente não é o único que pode ser prejudicado na esfera eleitoral. Também está na mira do inquérito administrativo o ministro da Justiça e da Segurança Pública, Anderson Torres, que apareceu na live. Na ocasião, ele leu documentos da Polícia Federal sugerindo melhorias nas urnas eletrônicas, o que ajudou a criar um clima de desconfiança em relação ao sistema. Uma possível candidatura de Torres em 2022 tem sido ventilada em Brasília. A participação dele na transmissão também coloca em risco o seu registro de candidatura.

Publicidade

Essa é uma matéria exclusiva para assinantes. Se já é assinante, entre aqui. Assine para ter acesso a esse e outros conteúdos de jornalismo de qualidade.

Essa é uma matéria fechada para assinantes e não identificamos permissão de acesso na sua conta. Para tentar entrar com outro usuário, clique aqui ou adquira uma assinatura na oferta abaixo

Informação de qualidade e confiável, a apenas um clique. Assine VEJA.

Impressa + Digital

Plano completo de VEJA. Acesso ilimitado aos conteúdos exclusivos em todos formatos: revista impressa, site com notícias 24h e revista digital no app (celular/tablet).

Colunistas que refletem o jornalismo sério e de qualidade do time VEJA.

Receba semanalmente VEJA impressa mais Acesso imediato às edições digitais no App.



a partir de R$ 39,90/mês

MELHOR
OFERTA

Digital

Plano ilimitado para você que gosta de acompanhar diariamente os conteúdos exclusivos de VEJA no site, com notícias 24h e ter acesso a edição digital no app, para celular e tablet. Edições de Veja liberadas no App de maneira imediata.

a partir de R$ 9,90/mês

ou

30% de desconto

1 ano por R$ 82,80
(cada mês sai por R$ 6,90)