Assine VEJA por R$2,00/semana
Imagem Blog

Maquiavel

Por José Benedito da Silva
A política e seus bastidores. Com Laísa Dall'Agnol, Victoria Bechara, Bruno Caniato, Valmar Hupsel Filho, Isabella Alonso Panho e Adriana Ferraz. Este conteúdo é exclusivo para assinantes.
Continua após publicidade

Ex-ministro tenta no STF repetir Lula e anular provas da Odebrecht

Paulo Bernardo responde a ação na Justiça Federal que inclui registros de sistemas da empreiteira. Ele quer extensão de decisão de Lewandowski

Por João Pedroso de Campos Materia seguir SEGUIR Materia seguir SEGUINDO Atualizado em 16 set 2022, 18h17 - Publicado em 16 set 2022, 13h54

Ex-ministro das Comunicações e do Planejamento nos governos do PT, Paulo Bernardo quer que o ministro do Supremo Tribunal Federal (STF) Ricardo Lewandowski estenda a ele uma decisão que beneficiou o ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva (PT) ao vetar o uso de provas apresentadas no acordo de leniência da Odebrecht.

Com o pedido, Bernardo, que é ex-marido da presidente do PT, deputada Gleisi Hoffmann, tenta derrubar uma ação penal na Justiça Federal do Rio Grande do Sul, na qual é acusado de receber dinheiro do departamento de propinas da empreiteira.

A denúncia contra ele está baseada em depoimentos de delatores e dados dos sistemas “Drousys” e “My Web Day B”, utilizados pela Odebrecht para gerir o caixa paralelo com recursos ilícitos, nos quais o codinome atribuído a Bernardo era “Filósofo”. Em decisão em junho de 2021, Lewandowski decretou a “imprestabilidade” dessas provas, entre outras incluídas no acordo de leniência da Odebrecht, em um processo a que Lula respondia.

O pedido de extensão foi feito pela defesa do ex-ministro petista no âmbito do processo em que Lula obteve acesso a mensagens trocadas por procuradores da Operação Lava Jato, vazados a partir da atuação de hackers. Os advogados de Paulo Bernardo chamam a atenção para um diálogo em que uma procuradora afirma que os sistemas da Odebrecht eram transportados em sacolas de supermercado por membros do Ministério Público Federal. Ao anular as provas da Odebrecht e beneficiar Lula, Lewandowski citou o caso e afirmou que os dados foram manuseados “sem qualquer cuidado quanto à sua adequada preservação”.

Depois da decisão que vetou as provas da Odebrecht contra o ex-presidente, o ministro do Supremo já estendeu seus efeitos ao dono do Grupo Petrópolis, Walter Faria, e suspendeu ações penais nas quais ele era réu, em setembro de 2021. Os defensores de Paulo Bernardo querem que o mesmo entendimento seja aplicado ao petista, com as provas anuladas e a ação penal trancada na Justiça Federal.

Publicidade

Matéria exclusiva para assinantes. Faça seu login

Este usuário não possui direito de acesso neste conteúdo. Para mudar de conta, faça seu login

Domine o fato. Confie na fonte.

10 grandes marcas em uma única assinatura digital

MELHOR
OFERTA

Digital Completo
Digital Completo

Acesso ilimitado ao site, edições digitais e acervo de todos os títulos Abril nos apps*

a partir de R$ 2,00/semana*

ou
Impressa + Digital
Impressa + Digital

Receba Veja impressa e tenha acesso ilimitado ao site, edições digitais e acervo de todos os títulos Abril nos apps*

a partir de R$ 39,90/mês

*Acesso ilimitado ao site e edições digitais de todos os títulos Abril, ao acervo completo de Veja e Quatro Rodas e todas as edições dos últimos 7 anos de Claudia, Superinteressante, VC S/A, Você RH e Veja Saúde, incluindo edições especiais e históricas no app.
*Pagamento único anual de R$96, equivalente a R$2 por semana.

PARABÉNS! Você já pode ler essa matéria grátis.
Fechar

Não vá embora sem ler essa matéria!
Assista um anúncio e leia grátis
CLIQUE AQUI.