Assine VEJA por R$2,00/semana
Imagem Blog

Maquiavel

Por José Benedito da Silva
A política e seus bastidores. Com Laísa Dall'Agnol, Victoria Bechara, Bruno Caniato, Valmar Hupsel Filho, Isabella Alonso Panho e Adriana Ferraz. Este conteúdo é exclusivo para assinantes.
Continua após publicidade

Decisão contra Hardt eleva expectativa sobre a nova batalha de Moro

Conselho Nacional de Justiça julga nesta terça-feira, 16, reclamações disciplinares contra os dois ex-juízes da força-tarefa da Lava-Jato em Curitiba

Por Isabella Alonso Panho Atualizado em 9 Maio 2024, 12h20 - Publicado em 15 abr 2024, 18h13

A decisão do Conselho Nacional de Justiça (CNJ) desta segunda-feira, 15, que afastou das funções a juíza federal Gabriela Hardt e mais três magistrados do TRF-4 (Tribunal Regional Federal da 4ª Região) ligados à Operação Lava-Jato aumenta a expectativa em torno do julgamento que o mesmo colegiado fará nesta terça-feira, 16. Estão na pauta do CNJ duas reclamações disciplinares: uma contra Hardt e o senador Sergio Moro (União Brasil-PR), que foi o rosto e a voz da força-tarefa de Curitiba, e outra contra os desembargadores Carlos Eduardo Thompson Flores Lens e Loraci Flores de Lima e o juiz federal Danilo Pereira Junior — que era, até esta manhã, o titular da 13ª Vara Federal de Curitiba.

Na terça-feira passada, 9, Moro obteve uma vitória no Tribunal Regional Eleitoral do Paraná (TRE-PR). A Corte, por um placar de 5 a 2, absolveu o senador das acusações de abuso de poder econômico e o manteve na cadeira de parlamentar. A vitória, no entanto, é provisória, tanto pelo fato de que pode haver recurso ao Tribunal Superior Eleitoral (que cassou o ex-procurador Deltan Dallagnol mesmo depois de uma absolvição por unanimidade no Paraná) quanto pelos outros problemas que Moro enfrenta com a Justiça. Um dos maiores é esse julgamento no CNJ.

A 13ª Vara Federal foi periciada através de uma correição do próprio TRF-4. O resultado foi parar no CNJ e virou uma reclamação disciplinar aberta em setembro de 2023 contra Moro e Hardt. A suspeita que paira sobre os dois é de que eles destinaram, de forma ilegal, milhões de reais obtidos nos processos da força-tarefa. No começo de abril, a correição na vara da Lava-Jato foi finalizada.

Conta cara

Salomão já deixou claro que vai pesar a caneta. Na decisão desta segunda-feira, ele disse que Hardt, que sucedeu Moro na vara de Curitiba, está “aparentemente descambando para a ilegalidade” e levantou a possibilidade de que, além da sanção administrativa, ela venha a responder por crimes que, juntos, somam 26 anos de pena. O corregedor cita peculato, prevaricação, corrupção privilegiada e corrupção passiva.

Continua após a publicidade

A conta também pode ficar cara para Moro. Em setembro, quando a reclamação foi aberta, Salomão destacou que o ex-juiz da Lava-Jato possuía 56 procedimentos administrativos contra si quando deixou a magistratura para se dedicar à vida partidária. A lei diz que o gesto é proibido quando há processo administrativo disciplinar — porque o candidato poderia deixar a carreira em uma manobra para “se livrar” deles. No entanto, no caso de Dallagnol, a Justiça estendeu esse entendimento para todos os procedimentos que poderiam, no futuro, virar ou não processos administrativos disciplinares.

Salomão deu a entender que o mesmo pode acontecer com Moro. “A jurisprudência do CNJ já vem caminhando para impedir que a saída da carreira por parte do magistrado representado possa implicar em impunidade administrativa e disciplinar”, disse o corregedor em setembro.

Os dois desembargadores e o juiz de primeira instância estão na mira do CNJ por outro motivo. Eles são suspeitos de terem burlado decisões do ministro Dias Toffoli, do STF, que anulavam feitos da Lava-Jato. Os três, assim como Hardt, foram afastados das funções até a conclusão do julgamento.

Publicidade

Matéria exclusiva para assinantes. Faça seu login

Este usuário não possui direito de acesso neste conteúdo. Para mudar de conta, faça seu login

Domine o fato. Confie na fonte.

10 grandes marcas em uma única assinatura digital

MELHOR
OFERTA

Digital Completo
Digital Completo

Acesso ilimitado ao site, edições digitais e acervo de todos os títulos Abril nos apps*

a partir de R$ 2,00/semana*

ou
Impressa + Digital
Impressa + Digital

Receba Veja impressa e tenha acesso ilimitado ao site, edições digitais e acervo de todos os títulos Abril nos apps*

a partir de R$ 39,90/mês

*Acesso ilimitado ao site e edições digitais de todos os títulos Abril, ao acervo completo de Veja e Quatro Rodas e todas as edições dos últimos 7 anos de Claudia, Superinteressante, VC S/A, Você RH e Veja Saúde, incluindo edições especiais e históricas no app.
*Pagamento único anual de R$96, equivalente a R$2 por semana.

PARABÉNS! Você já pode ler essa matéria grátis.
Fechar

Não vá embora sem ler essa matéria!
Assista um anúncio e leia grátis
CLIQUE AQUI.