Veja Digital - Plano para Democracia: R$ 1,00/mês
Maquiavel Por José Benedito da Silva A política e seus bastidores. Com João Pedroso de Campos, Reynaldo Turollo Jr., Tulio Kruse, Diogo Magri, Victoria Bechara e Sérgio Quintella. Este conteúdo é exclusivo para assinantes.

De novo, o destino de Lula está nas mãos de Cármen Lúcia

Ex-presidente do STF, que complicou a vida do petista ao não pautar ações sobre 2ª instância, assume a Segunda Turma e pode influir em trâmite sobre recurso

Por José Benedito da Silva 20 jun 2019, 18h32

A ministra Cármen Lúcia, do Supremo Tribunal Federal, complicou a vida do ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva ao não pautar o julgamento de três ações que pediam a revisão da prisão após condenação em segunda instância.

As ações, todas relatadas pelo ministro Marco Aurélio Mello – favorável à revisão -, estavam prontas para votação desde o início de 2018, mas a ministra, apesar de muitas pressões de outros ministros e de partidos como PT e PCdoB, não pautou o julgamento até deixar o cargo, em setembro daquele ano.

Se a prisão em segunda instância fosse revista – e havia boas chances de isso acontecer -, Lula não teria sido preso em abril de 2018, pois seria preciso esperar o trâmite do processo pelo Superior Tribunal de Justiça e, eventualmente, até pelo STF. O petista foi preso após condenação pelo Tribunal Regional Federal da 4ª Região (TRF4).

Agora, Cârmen assume a presidência da Segunda Turma do STF no mesmo dia, terça-feira, 25, em que está pautado o julgamento de um recurso de Lula pedindo a suspeição do juiz Sergio Moro e a anulação do processo.

A nova presidente pode mudar a pauta a qualquer momento e o caso nem ser votado na terça-feira. Mas, mesmo se mantiver o recurso de Lula na sessão, como ele é o quinto da fila, pode não ser votado e ficar para outro dia, provavelmente para agosto, já que essa é a última reunião da turma antes do recesso do Judiciário. Aí, sua inclusão de novo na pauta dependeria de Cármen.

A defesa de Lula conta com o julgamento do recurso neste momento em que Sergio Moro, agora ministro, está na berlinda por causa da divulgação pelo site The Intercept Brasil de diálogos entre o então juiz da Lava Jato e o procurador Deltan Dallagnol, coordenador da força-tarefa da operação em Curitiba, no qual discutem e combinam estratégias em processos em andamento, entre eles um envolvendo Lula.

Os votos de Cármen Lúcia e Edson Fachin já foram dados, contra a pretensão de Lula. Já a favor do petista são esperados os votos de Gilmar Mendes e Ricardo Lewandowski – a posição do decano Celso de Mello é uma incógnita.

Continua após a publicidade

Publicidade

Essa é uma matéria exclusiva para assinantes. Se já é assinante, entre aqui. Assine para ter acesso a esse e outros conteúdos de jornalismo de qualidade.

Essa é uma matéria fechada para assinantes e não identificamos permissão de acesso na sua conta. Para tentar entrar com outro usuário, clique aqui ou adquira uma assinatura na oferta abaixo

Informação de qualidade e confiável, a apenas um clique. Assine VEJA.

Plano para Democracia

- R$ 1 por mês.

- Acesso ao conteúdo digital completo até o fim das eleições.

- Conteúdos exclusivos de VEJA no site, com notícias 24h e acesso à edição digital da revista no app.

- Válido até 31/10/2022, sem renovação.

3 meses por R$ 3,00
( Pagamento Único )

Digital Completo



Acesso digital ilimitado aos conteúdos dos sites e apps da Veja e de todas publicações Abril: Veja, Veja SP, Veja Rio, Veja Saúde, Claudia, Placar, Superinteressante,
Quatro Rodas, Você SA e Você RH.

a partir de R$ 9,90/mês

ou

30% de desconto

1 ano por R$ 82,80
(cada mês sai por R$ 6,90)