Clique e Assine a partir de R$ 9,90/mês
Maquiavel Por José Benedito da Silva A política e seus bastidores. Com João Pedroso de Campos, Reynaldo Turollo Jr., Tulio Kruse, Diogo Magri, Victoria Bechara e Sérgio Quintella. Este conteúdo é exclusivo para assinantes.

Contra ataques de Bolsonaro, eleições terão observadores internacionais

Pela primeira vez, TSE convidou missões de observação eleitoral de outros países para acompanharem o pleito de outubro. Três já confirmaram presença

Por Da Redação Atualizado em 3 Maio 2022, 15h09 - Publicado em 3 Maio 2022, 14h15

Pela primeira vez, as eleições presidenciais serão acompanhadas por ao menos três organismos internacionais a convite do TSE (Tribunal Superior Eleitoral). A medida, evidentemente, tem o objetivo de evitar que os ataques do presidente Jair Bolsonaro (PL) e de seus aliados consigam desacreditar o processo eleitoral. Candidato à reeleição e segundo colocado nas pesquisas, Bolsonaro tem lançado suspeitas infundadas contra as urnas eletrônicas, em uso no país desde 1996. No ano passado, a Câmara barrou a implantação do voto impresso, bandeira do bolsonarismo.

Já confirmaram presença em outubro as missões de observação eleitoral da Organização dos Estados Americanos (OEA), do Parlamento do Mercosul (Parlasul) e da Rede Eleitoral da Comunidade dos Países de Língua Portuguesa (CPLP). O presidente do TSE, ministro Edson Fachin, ainda negocia a vinda de representantes das organizações americanas Carter Center e International Foundation for Electoral Systems (Ifes), da Unión Interamericana de Organismos Electorales (Uniore) e da Rede Mundial de Justiça Eleitoral.

Segundo o tribunal, todos os especialistas que vêm ao Brasil na função de observadores atuam de forma independente e têm autonomia para escolher as seções eleitorais que serão visitadas pelos organismos internacionais. A atuação é diferente da de autoridades internacionais que já acompanham o pleito como convidadas há vários anos. Ao final, de acordo com o TSE, as missões farão relatórios com sugestões de aprimoramento que serão divulgados ao público.

União Europeia
O TSE informou também nesta terça-feira, 3, que não conseguiu viabilizar a vinda de uma “missão integral de observação eleitoral” da União Europeia, com a qual havia iniciado as tratativas em março. A Corte afirmou ter constatado que “não estavam presentes todas as condições necessárias” para a visita, que incluiria dezenas de técnicos e trataria de diversos temas relacionados ao sistema eleitoral. “Nos próximos meses, se for verificada a necessidade e o interesse de ambos os lados, poderá haver uma participação mais reduzida e de caráter técnico de membros da União Europeia no período eleitoral”, afirmou o tribunal.

Continua após a publicidade

Publicidade

Essa é uma matéria exclusiva para assinantes. Se já é assinante, entre aqui. Assine para ter acesso a esse e outros conteúdos de jornalismo de qualidade.

Essa é uma matéria fechada para assinantes e não identificamos permissão de acesso na sua conta. Para tentar entrar com outro usuário, clique aqui ou adquira uma assinatura na oferta abaixo

Informação de qualidade e confiável, a apenas um clique. Assine VEJA.

Impressa + Digital

Plano completo de VEJA. Acesso ilimitado aos conteúdos exclusivos em todos formatos: revista impressa, site com notícias 24h e revista digital no app (celular/tablet).

Colunistas que refletem o jornalismo sério e de qualidade do time VEJA.

Receba semanalmente VEJA impressa mais Acesso imediato às edições digitais no App.



a partir de R$ 39,90/mês

MELHOR
OFERTA

Digital

Plano ilimitado para você que gosta de acompanhar diariamente os conteúdos exclusivos de VEJA no site, com notícias 24h e ter acesso a edição digital no app, para celular e tablet. Edições de Veja liberadas no App de maneira imediata.

a partir de R$ 9,90/mês

ou

30% de desconto

1 ano por R$ 82,80
(cada mês sai por R$ 6,90)