Assine VEJA por R$2,00/semana
Imagem Blog

Maquiavel

Por José Benedito da Silva
A política e seus bastidores. Com Laísa Dall'Agnol, Victoria Bechara, Bruno Caniato, Valmar Hupsel Filho, Isabella Alonso Panho e Adriana Ferraz. Este conteúdo é exclusivo para assinantes.
Continua após publicidade

Como o desmatamento na Amazônia sob Lula é visto na Europa

Levantamento do Instituto Paraná Pesquisas mediu a percepção atual sobre o tema no exterior

Por Da Redação Atualizado em 9 Maio 2024, 09h58 - Publicado em 28 fev 2024, 10h43

Apesar dos esforços do presidente Luiz Inácio Lula da Silva (PT) para frear o desmatamento na Amazônia e promover o Brasil como referência na proteção ao meio ambiente, os resultados do governo não impressionam tanto no exterior. Em Portugal, por exemplo, a maioria da população acredita que a situação ambiental na maior floresta tropical do mundo continua igual ou até mesmo pior do que nos últimos anos, segundo levantamento divulgado nesta quarta-feira, 28, pelo Instituto Paraná Pesquisas.

De acordo com o estudo, 33,6% dos portugueses entendem que o desmatamento na Amazônia “permanece igual” desde que o petista assumiu seu terceiro mandato à frente do Palácio do Planalto, e outros 21,8% avaliam que a crise ambiental na floresta piorou desde 2023 – apenas 17,9% acreditam que a proteção ao bioma amazônico melhorou com o início do atual governo.

O levantamento indica, ainda, um considerável desconhecimento ou desinteresse pela situação na Amazônia, já que 26,8% dos entrevistados disseram que não sabem comentar o tema ou preferiram não responder.

Variações por região e idade

O recorte demográfico da pesquisa aponta que a popularidade da política ambiental de Lula varia significativamente conforme a região de Portugal onde vivem os entrevistados. No Alentejo, região litorânea no sudoeste do país europeu, 30% dos moradores afirmaram que a situação da Amazônia melhorou desde o ano passado – em contrapartida, na região da capital Lisboa, 23,8% veem piora na crise ambiental e mais de um terço acreditam que nada mudou com a posse do petista.

Continua após a publicidade

Na estratificação por faixa etária, as críticas à efetividade da política de preservação ambiental são bem mais presentes entre os portugueses mais jovens. Dentre os entrevistados com 18 a 34 anos de idade, 33,3% responderam que o desmatamento na floresta piorou, contra 22,1% na faixa entre 35 a 54 anos e 16% dos participantes mais velhos.

O Instituto Paraná Pesquisas entrevistou 840 pessoas em Portugal, por telefone, entre os dias 8 e 17 de fevereiro. A margem de erro do levantamento é estimada em 3,4 pontos percentuais.

Publicidade

Matéria exclusiva para assinantes. Faça seu login

Este usuário não possui direito de acesso neste conteúdo. Para mudar de conta, faça seu login

Domine o fato. Confie na fonte.

10 grandes marcas em uma única assinatura digital

MELHOR
OFERTA

Digital Completo
Digital Completo

Acesso ilimitado ao site, edições digitais e acervo de todos os títulos Abril nos apps*

a partir de R$ 2,00/semana*

ou
Impressa + Digital
Impressa + Digital

Receba Veja impressa e tenha acesso ilimitado ao site, edições digitais e acervo de todos os títulos Abril nos apps*

a partir de R$ 39,90/mês

*Acesso ilimitado ao site e edições digitais de todos os títulos Abril, ao acervo completo de Veja e Quatro Rodas e todas as edições dos últimos 7 anos de Claudia, Superinteressante, VC S/A, Você RH e Veja Saúde, incluindo edições especiais e históricas no app.
*Pagamento único anual de R$96, equivalente a R$2 por semana.

PARABÉNS! Você já pode ler essa matéria grátis.
Fechar

Não vá embora sem ler essa matéria!
Assista um anúncio e leia grátis
CLIQUE AQUI.