Clique e Assine a partir de R$ 19,90/mês
Maquiavel Por José Benedito da Silva A política e seus bastidores. Com João Pedroso de Campos, Reynaldo Turollo Jr., Tulio Kruse e Diogo Magri. Este conteúdo é exclusivo para assinantes.

Bloqueio do TSE a perfis bolsonaristas atingiu até sósia de Roberto Carlos

Roberto Boni, 'comentarista político' do canal Universo, que tem 484 mil inscritos, é um dos onze suspeitos de espalhar fake news sobre eleições nas redes

Por Camila Nascimento Atualizado em 18 ago 2021, 14h09 - Publicado em 18 ago 2021, 14h00

A decisão do corregedor do Tribunal Superior Eleitoral (TSE), Luis Felipe Salomão, de bloquear o repasse de verbas publicitárias a canais e perfis suspeitos de espalharem fake news sobre a urna eletrônica e o processo eleitoral brasileiro atingiu vários ativistas bolsonaristas nas redes sociais, entre eles um sósia do cantor Roberto Carlos.

No total, onze influenciadores foram atingidos. Um deles é Roberto Boni, que além de atuar como cover do cantor, é comentarista político do canal Universo, do YouTube, que conta com 484 mil inscritos.

Essa não é a primeira vez que o sósia bolsonarista de Roberto Carlos fica na mira da justiça. Em junho de 2020, ele foi um dos 21 alvos da Operação Lume, da Polícia Federal, deflagrada para investigar o financiamento e a organização de manifestações contra a democracia.

O Roberto Carlos cover usa o seu canal para defender aliados do presidente e atos antidemocráticos. Em seus últimos vídeos postados no YouTube, o sósia do “Rei” cobra um posicionamento mais radical do presidente Jair Bolsonaro após a prisão do ex-deputado federal Roberto Jefferson (PT), por determinação do ministro Alexandre de Moraes, do Supremo Tribunal Federal. “Dê jeito nessa bagaça, porque o povo está com o senhor, o povo já foi às ruas várias vezes, o povo não sai das ruas em apoio ao senhor, o que necessita mais?”, questionou.

Ao falar sobre a desmonetização de canais bolsonaristas, Roberto Boni não economizou nas teorias conspiratórias. Ele não acredita que a decisão tenha sido apenas do ministro Salomão. “Isso é mandado gente, isso deve vir até do Partido Comunista Chinês”, afirmou.

Além do sósia do Roberto Carlos, foi bloqueada a monetização dos perfis e canais bolsonaristas Ravox, de Adilson Nelson Dini; Giro de Notícias, de Alberto Junio da Silva; Terça Livre, de Allan dos Santos; Te Atualizei, de Bárbara Zambaldi Destafani; Direto aos Fatos, de Camila Abdo; Vlog do Lisboa, de Fernando Lisboa da Conceição; Alan Lopes; Emerson Teixeira, Marcelo Frazão de Almeida e Oswaldo Eustáquio.

O movimento Nas Ruas e os veículos de mídia Folha Política e Jornal da Cidade Online também foram desmonetizados. Ao todo, os afetados pela decisão tinham 9,1 milhões de inscritos no YouTube.

Continua após a publicidade


Publicidade

Essa é uma matéria exclusiva para assinantes. Se já é assinante, entre aqui. Assine para ter acesso a esse e outros conteúdos de jornalismo de qualidade.

Essa é uma matéria fechada para assinantes e não identificamos permissão de acesso na sua conta. Para tentar entrar com outro usuário, clique aqui ou adquira uma assinatura na oferta abaixo

Informação de qualidade e confiável, a apenas um clique. Assine VEJA.

Impressa + Digital

Plano completo da VEJA! Acesso ilimitado aos conteúdos exclusivos em todos formatos: revista impressa, site com notícias 24h e revista digital no app, para celular e tablet.

Colunistas que refletem o jornalismo sério e de qualidade do time VEJA.

Receba semanalmente VEJA impressa mais Acesso imediato às edições digitais no App.

a partir de R$ 39,90/mês

Digital

Plano ilimitado para você que gosta de acompanhar diariamente os conteúdos exclusivos de VEJA no site, com notícias 24h e ter acesso a edição digital no app, para celular e tablet.

Colunistas que refletem o jornalismo sério e de qualidade do time VEJA.

Edições da Veja liberadas no App de maneira imediata.

a partir de R$ 19,90/mês