Veja Digital - Plano para Democracia: R$ 1,00/mês
Maquiavel Por José Benedito da Silva A política e seus bastidores. Com João Pedroso de Campos, Reynaldo Turollo Jr., Tulio Kruse, Diogo Magri, Victoria Bechara e Sérgio Quintella. Este conteúdo é exclusivo para assinantes.

Armas de origem legal abastecem os crimes mais comuns, diz estudo

Pesquisa mostra que roubo e furto são a principal origem de armas de fogo usadas por bandidos com mais frequência

Por Tulio Kruse 26 jun 2022, 09h35

O afrouxamento das regras de posse e porte de armas no Brasil, feito por meio de decretos assinados pelo presidente Jair Bolsonaro (PL), tem consequência direta nos crimes cometidos à mão armada. A origem das armas de fogo que são apreendidas com mais frequência pela polícias — pistolas usadas em assaltos e assassinatos — está principalmente no mercado legal. É o que apontam uma pesquisa do Instituto Sou Da Paz, que comparou os dados de boletins de ocorrência sobre furtos e roubos de armas com dados de apreensões, além de outros estudos na área de segurança pública que corroboram as mesmas conclusões.

Entre os cinco modelos de arma mais apreendidos no estado de São Paulo, que correspondem a mais da metade do total, a principal fonte de fornecimento é o mercado legal. Segundo o instituto, “em vários casos há uma correspondência quase espelhada” entre os tipos de armas que foram perdidas e aquelas que a polícia recupera. Os dados rebatem a percepção de que a origem das armas usadas por criminosos seja o contrabando de outros países — o que é mais comum no caso de armas mais longas, como rifles, fuzis e metralhadoras, embora o mercado legal também sirva como fonte para elas.

Empresas de segurança privada, repartições públicas e as próprias residências de colecionadores, atiradores e caçadores (os CACs) são, nessa ordem, os locais onde ocorrem com mais frequências os furtos e roubos que abastecem o crime, diz a pesquisa. Em geral, criminosos miram em lugares que concentram número maior de armas.

“Os casos analisados mostram que é comum que tão logo a arma seja retirada do proprietário legal, ela já comece a ser empregada no crime, às vezes no mesmo dia”, diz o texto do estudo “Desvio Fatal”. Entre os dados que contribuem para essa conclusão está o fato de que, em mais da metade das apreensões, as armas são recuperadas a uma distância de até 20 quilômetros do local do desvio e, em 32% dos casos, a menos de 10 quilômetros. Mais da metade dos casos em que as armas são recuperadas ocorre em até um ano após o dono comunicar que teve a arma furtada ou roubada.

Continua após a publicidade

Publicidade

Essa é uma matéria exclusiva para assinantes. Se já é assinante, entre aqui. Assine para ter acesso a esse e outros conteúdos de jornalismo de qualidade.

Essa é uma matéria fechada para assinantes e não identificamos permissão de acesso na sua conta. Para tentar entrar com outro usuário, clique aqui ou adquira uma assinatura na oferta abaixo

Informação de qualidade e confiável, a apenas um clique. Assine VEJA.

Plano para Democracia

- R$ 1 por mês.

- Acesso ao conteúdo digital completo até o fim das eleições.

- Conteúdos exclusivos de VEJA no site, com notícias 24h e acesso à edição digital da revista no app.

- Válido até 31/10/2022, sem renovação.

3 meses por R$ 3,00
( Pagamento Único )

Digital Completo



Acesso digital ilimitado aos conteúdos dos sites e apps da Veja e de todas publicações Abril: Veja, Veja SP, Veja Rio, Veja Saúde, Claudia, Placar, Superinteressante,
Quatro Rodas, Você SA e Você RH.

a partir de R$ 9,90/mês

ou

30% de desconto

1 ano por R$ 82,80
(cada mês sai por R$ 6,90)