Clique e Assine a partir de R$ 9,90/mês
Maquiavel Por José Benedito da Silva A política e seus bastidores. Com João Pedroso de Campos, Reynaldo Turollo Jr., Tulio Kruse, Diogo Magri, Victoria Bechara e Sérgio Quintella. Este conteúdo é exclusivo para assinantes.

A acidentada história da terceira via: relembre quem já ficou pelo caminho

Nove postulantes de centro à Presidência desistiram de suas candidaturas; ex-governador de São Paulo João Doria (PSDB) foi o último a deixar o páreo

Por Da Redação Atualizado em 23 Maio 2022, 20h25 - Publicado em 23 Maio 2022, 17h47

O ex-governador de São Paulo João Doria (PSDB) anunciou, em pronunciamento feito nesta segunda-feira, 23, que não será mais pré-candidato à Presidência da República apesar de ter vencido as prévias feitas pelo partido em novembro do ano passado. O motivo foi a oposição interna ao seu nome, principalmente entre os dirigentes nacionais da legenda. “Me retiro da disputa com o coração ferido, mas com a alma leve”, disse.

Doria foi mais um na longa lista de nomes que se apresentaram como alternativas à polarização entre o ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva (PT) e o presidente Jair Bolsonaro (PL), mas acabaram ficando pelo caminho.

Há quase um ano, havia nada menos do que doze postulantes a serem o candidato do centro democrático. Em junho, veio a primeira baixa, quando o apresentador Luciano Huck (sem partido) anunciou que iria renovar o contrato com a TV Globo para ser o sucessor de Faustão e, com isso, adiar o sonho presidencial – depois de ter participado de articulações intensas em torno da perspectiva de ser candidato ao Palácio do Planalto.

LUCIANO HUCK -
O apresentador Luciano Huck conduziu várias articulações envolvendo o centro democrático, mas desistiu de ser candidato a presidente e renovou com a Globo Mauricio Mahas/.

Em novembro, mais dois ficariam pelo caminho: o ex-senador Arthur Virgílio e o governador do Rio Grande do Sul, Eduardo Leite, ambos do PSDB, que foram derrotados nas prévias presidenciais do partido pelo então governador de São Paulo, João Doria.

Também em novembro, logo após a fusão de PSL e DEM ser aprovada pelos dois partidos, foi a vez de o ex-ministro Luiz Henrique Mandetta (DEM) ficar pelo caminho – ele até tentou insistir para o seu nome ficar na disputa, mas a direção do novo partido, Luciano Bivar à frente, já tinha outros planos. Pelo mesmo motivo (a fusão), o apresentador José Luiz Datena também deixou o partido e desistiu do sonho de disputar a Presidência, que lhe havia sido prometido pelo PSL.

Em março de 2022, foi a vez de outro projeto presidencial naufragar: o do PSD do ex-ministro Gilberto Kassab. O presidente do Senado, Rodrigo Pacheco (MG), que havia sido filiado com pompa e circunstância alguns meses antes para ser o presidenciável do partido, desistiu após ver seu nome não sair do traço nas pesquisas de intenção de voto. Kassab ainda tentaria com o ex-governador Paulo Hartung e o ex-prefeito de Belo Horizonte Alexandre Kalil, mas foi obrigado a abandonar a ideia de ter candidato próprio à Presidência.

Continua após a publicidade

Ciro Gomes(PDT), Eduardo Leite (PSDB) e Luiz Henrique Mandetta (DEM) -
Ciro Gomes (PDT), Eduardo Leite (PSDB) e Henrique Mandetta (DEM) durante debate: só o primeiro segue no páreo Reprodução/Instagram

Também em março, o senador Alessandro Vieira (Cidadania-SE), uma das estrelas da CPI da Pandemia, desistiu de disputar a Presidência após romper com o presidente do seu partido, Roberto Freire, que mudou o estatuto para permanecer à frente da legenda – ele irá chegar a 34 anos no cargo. Ironicamente, Vieira foi para o PSDB, que agora se articula para fazer uma aliança com o Cidadania de Freire.

No final de março, veio a grande surpresa. O ex-juiz Sergio Moro, que pontuava em terceiro na maioria das pesquisas, abandona o Podemos, ao qual havia se filiado em outubro passado, e vai para o União Brasil, talvez pensando que teria maior estrutura para sua candidatura ao Palácio do Planalto. Não deu certo. O novo partido fechou-lhe as portas para o sonho presidencial e o ex-ministro agora não sabe nem se irá disputar algum cargo na eleição deste ano.

O ex-juiz Sergio Moro e presidente do Podemos, deputada Renata Abreu (SP)
Sergio Moro e a presidente do Podemos, deputada Renata Abreu (SP), durante filiação do ex-juiz: menos de seis meses no partido Podemos/Divulgação

Depois disso, o União Brasil confirmou o nome de Luciano Bivar como candidato a presidente, mas há quem ache que a legenda pode se aproximar de PSDB, MDB e Cidadania na discussão da candidatura da senadora Simone Tebet (MDB).

Hoje, portanto, o chamado centro democrático tem como candidatos Bivar, Tebet e o ex-ministro Ciro Gomes (PDT) entre os grandes partidos e mais dois postulantes por legendas menores: o cientista político Luiz Felipe d’Avila (Novo) e o deputado André Janones (Avante).

E, só para não perder as contas: foram nove os pré-candidatos que ficaram pelo caminho desde junho do ano passado.

Continua após a publicidade

Publicidade

Essa é uma matéria exclusiva para assinantes. Se já é assinante, entre aqui. Assine para ter acesso a esse e outros conteúdos de jornalismo de qualidade.

Essa é uma matéria fechada para assinantes e não identificamos permissão de acesso na sua conta. Para tentar entrar com outro usuário, clique aqui ou adquira uma assinatura na oferta abaixo

Informação de qualidade e confiável, a apenas um clique. Assine VEJA.

Impressa + Digital

Plano completo de VEJA. Acesso ilimitado aos conteúdos exclusivos em todos formatos: revista impressa, site com notícias 24h e revista digital no app (celular/tablet).

Colunistas que refletem o jornalismo sério e de qualidade do time VEJA.

Receba semanalmente VEJA impressa mais Acesso imediato às edições digitais no App.



a partir de R$ 39,90/mês

MELHOR
OFERTA

Digital

Plano ilimitado para você que gosta de acompanhar diariamente os conteúdos exclusivos de VEJA no site, com notícias 24h e ter acesso a edição digital no app, para celular e tablet. Edições de Veja liberadas no App de maneira imediata.

a partir de R$ 9,90/mês

ou

30% de desconto

1 ano por R$ 82,80
(cada mês sai por R$ 6,90)