Assine VEJA por R$2,00/semana
Imagem Blog

Letra de Médico Materia seguir SEGUIR Materia seguir SEGUINDO

Orientações médicas e textos de saúde assinados por profissionais de primeira linha do Brasil
Continua após publicidade

Vírus Nipah: saiba o tamanho da emergência e os riscos para o Brasil

Patógeno tem alta taxa de letalidade e é responsável por surto na Índia. Infectologista explica suas características e medidas preventivas

Por Leonardo Weissmann*
18 set 2023, 15h03

Em meio a uma pandemia e a outras ameaças que têm abalado o planeta, um vírus menos conhecido ganhou evidência e fez soar um alarme: o vírus Nipah. Embora ele não seja uma novidade no mundo da infectologia, o surto recente na Índia tem despertado preocupações.

O Nipah foi identificado inicialmente na Malásia, em 1999, quando causou um surto de encefalite entre criadores de porcos. Posteriormente, descobriu-se que os morcegos frugívoros (que se alimentam de frutos), do gênero Pteropus, conhecidos como “raposas voadoras”, eram seus hospedeiros naturais, transmitindo-o a porcos, que, por sua vez, passavam o patógeno para seres humanos.

Desde então, ocorreram vários surtos em Bangladesh, na Índia e nas Filipinas. A partir de maio de 2018, quatro eventos desse tipo foram relatados no estado indiano de Kerala, onde o surto atual acontece.

De acordo com a Organização Mundial da Saúde (OMS), outros países do Sudeste Asiático e da África também apresentam risco de infecções pelo Nipah, uma vez que esse vírus foi observado em morcegos que habitam esses locais, entre eles Camboja, Gana, Indonésia, Madagascar, Filipinas e Tailândia.

O vírus pode ser transmitido de animais para humanos, principalmente por morcegos ou porcos, mas também de pessoa a pessoa. A transmissão de morcegos pode ocorrer diretamente ou através de um hospedeiro animal intermediário, como porcos ou cavalos.

Continua após a publicidade

Já a transmissão entre humanos ocorre principalmente por meio de contato próximo com fluidos corporais, além de alimentos contaminados e gotículas respiratórias. Isso torna o controle desse vírus particularmente desafiador em áreas densamente povoadas, caso da própria Índia.

Os sintomas variam de febre, dor de cabeça, dor muscular, náusea e vômito a sintomas respiratórios e neurológicos graves, incluindo encefalite, convulsões e coma. A taxa de mortalidade varia entre 40% e 75%, tornando o Nipah um dos vírus mais letais conhecidos. O diagnóstico é complexo, frequentemente confundido com outras doenças febris, o que dificulta o controle precoce dos surtos.

Atualmente, não existe um tratamento antiviral específico. Recomendam-se cuidados de suporte, como repouso, hidratação, medicação para os sintomas, e monitoramento em terapia intensiva para casos graves. A maioria das pessoas se recupera totalmente, embora algumas fiquem com sequelas.

O rastreamento de infectados é fundamental para prevenir a disseminação, evitando contato físico próximo e lavando as mãos regularmente após o contato com doentes.Vacinas e anticorpos monoclonais estão em estudos, visando a prevenção e tratamento.

Continua após a publicidade

Nesse momento, o risco de o Nipah se espalhar, levando a uma epidemia ou pandemia, é baixo, mas uma vigilância eficaz é necessária.

Não há motivo para pânico no Brasil; afinal, as “raposas voadoras” não existem por aqui e a transmissão entre pessoas não é tão comum. Porém, a pandemia de Covid-19 nos ensinou que estar preparado para ameaças virais emergentes é essencial para a segurança global. Portanto, as autoridades devem manter o alerta contínuo.

* Leonardo Weissmann é infectologista do Instituto de Infectologia Emílio Ribas, diretor da Sociedade Brasileira de Infectologia (SBI) e professor da Universidade de Ribeirão Preto (UNAERP) – Campus Guarujá

Compartilhe essa matéria via:
Publicidade

Matéria exclusiva para assinantes. Faça seu login

Este usuário não possui direito de acesso neste conteúdo. Para mudar de conta, faça seu login

O Brasil está mudando. O tempo todo.

Acompanhe por VEJA.

MELHOR
OFERTA

Digital Completo
Digital Completo

Acesso ilimitado ao site, edições digitais e acervo de todos os títulos Abril nos apps*

a partir de R$ 2,00/semana*

ou

Impressa + Digital
Impressa + Digital

Receba Veja impressa e tenha acesso ilimitado ao site, edições digitais e acervo de todos os títulos Abril nos apps*

a partir de R$ 39,90/mês

*Acesso ilimitado ao site e edições digitais de todos os títulos Abril, ao acervo completo de Veja e Quatro Rodas e todas as edições dos últimos 7 anos de Claudia, Superinteressante, VC S/A, Você RH e Veja Saúde, incluindo edições especiais e históricas no app.
*Pagamento único anual de R$96, equivalente a R$2 por semana.

PARABÉNS! Você já pode ler essa matéria grátis.
Fechar

Não vá embora sem ler essa matéria!
Assista um anúncio e leia grátis
CLIQUE AQUI.