Veja Digital - Plano para Democracia: R$ 1,00/mês
José Casado Por José Casado Informação e análise

Tasso estanca a sangria do PSDB, que encerra um ciclo

Depois de oito meses de autofagia, o PSDB decidiu não ter candidato próprio à presidência. Será a primeira vez em 34 anos

Por José Casado Atualizado em 9 jun 2022, 09h38 - Publicado em 9 jun 2022, 08h00

Fecha-se um ciclo. Depois de oito meses de autofagia, o PSDB decidiu não ter candidato próprio à presidência. Será a primeira vez em pouco mais de três décadas.

É o resultado de um dos raros pontos de consenso no partido: a inexistência de um projeto do PSDB para o país que justifique a sua liderança numa coalizão eleitoral alternativa na disputa pelo Palácio do Planalto.

É notável, pelo paradoxo. Se trata do partido responsável pelo mais abrangente e relevante debate político sobre o Brasil dos anos 90, que resultou no Plano Real.

Nascido dentro do Congresso, numa fração rebelde do MDB, nunca conseguiu organizar uma base eleitoral nacional para chegar ao poder, ao contrário do ocorreu com o Partido dos Trabalhadores.

Esse projeto anti-inflacionário num país que perdera a noção do valor da sua moeda, o levou ao centro do poder apenas seis anos depois da fundação.

Governou por oito anos. O PT veio em seguida, aos 22 anos de idade. Com raízes na modernidade paulista, prevaleceram no debate, no Congresso e nas urnas por três décadas, até o derretimento político-partidário que resultou na eleição de Jair Bolsonaro, em 2018.

Hoje, o único líder do PSDB com capacidade de aglutinar o partido é o senador cearense Tasso Jereissati.

O cenário está pronto para sua confirmação como candidato a vice-presidente da senadora Simone Tebet, do MDB.

Tasso, aparentemente, já venceu o primeiro obstáculo — estancou a sangria do PSDB antes do aniversário de 34 anos, no próximo dia 25.

Continua após a publicidade

Publicidade

Essa é uma matéria exclusiva para assinantes. Se já é assinante, entre aqui. Assine para ter acesso a esse e outros conteúdos de jornalismo de qualidade.

Essa é uma matéria fechada para assinantes e não identificamos permissão de acesso na sua conta. Para tentar entrar com outro usuário, clique aqui ou adquira uma assinatura na oferta abaixo

Informação de qualidade e confiável, a apenas um clique. Assine VEJA.

Plano para Democracia

- R$ 1 por mês.

- Acesso ao conteúdo digital completo até o fim das eleições.

- Conteúdos exclusivos de VEJA no site, com notícias 24h e acesso à edição digital da revista no app.

- Válido até 31/10/2022, sem renovação.

3 meses por R$ 3,00
( Pagamento Único )

Digital Completo



Acesso digital ilimitado aos conteúdos dos sites e apps da Veja e de todas publicações Abril: Veja, Veja SP, Veja Rio, Veja Saúde, Claudia, Placar, Superinteressante,
Quatro Rodas, Você SA e Você RH.

a partir de R$ 9,90/mês

ou

30% de desconto

1 ano por R$ 82,80
(cada mês sai por R$ 6,90)