Clique e Assine a partir de R$ 9,90/mês
José Casado Por José Casado Informação e análise

PSDB chega aos 34 anos sem candidato, sem projeto e em plena desordem

Consenso, realmente, só existe sobre aquilo que se tornou inexistente: partido não tem projeto para se apresentar como alternativa nesta temporada eleitoral

Por José Casado Atualizado em 24 Maio 2022, 15h53 - Publicado em 24 Maio 2022, 08h00

Partidos políticos se estruturam para conquistar o poder.

O PSDB é diferente. Aos seis anos de idade, em 1994, chegou ao poder. Vai completar 34 anos, em 25 de junho, ainda sem saber como se organizar.

Isso porque, para alguns tucanos influentes, a desorganização no fragmentado universo partidário virou meio de vida à margem do poder.

A renúncia do ex-governador paulista João Doria à candidatura presidencial, ontem, é produto dessa interessada desordem.

Não há nessa crise qualquer resquício de impasse ideológico.

Todos os envolvidos se moveram — e seguem — motivados por razões pragmáticas, eleitorais e financeiras.

Doria tropeçou no próprio manto. Venceu a dura disputa nas prévias mas acabou isolado dentro do partido.

Candidato de si mesmo, se viu obrigado a renunciar três vezes em apenas 56 dias.

Se despediu do governo de São Paulo na quarta-feira dia 30 de março para se candidatar a presidente.

Na noite seguinte, sob pressão para renunciar à candidatura, anunciou à cúpula do partido que resolvera continuar governador.

Continua após a publicidade

Deu errado. Foi obrigado a renunciar ao súbito desejo de continuar no Palácio dos Bandeirantes, e seguir o roteiro previsto da entrega do governo estadual ao vice, Rodrigo Garcia.

Para aliados como Garcia, a candidatura presidencial de Doria passou a representar um fator limitador às negociações de alianças na campanha pela reeleição ao governo de São Paulo.

Para adversários, como o deputado Aécio Neves, o mais influente na bancada do PSDB na Câmara, a candidatura de Doria era um inconveniente na origem, no presente e no horizonte.

Cada cacique tucano tem um plano de vôo diferente para o PSDB. O resultado é uma disputa pelo controle do partido na convenção de julho, se possível, ou depois das eleições, no ano que vem.

Há alguns aspectos comuns nesses projetos. O primeiro é a necessidade de sobrevivência do partido desorganizado num Congresso fragmentado.

Outro é a incerteza coletiva sobre ter candidato próprio na disputa presidencial.

Muitos acham sedutora a perspectiva de “economizar” R$ 60 milhões em gastos de campanha presidencial, investi-los na eleição legislativa e liberar alianças nos Estados.

Por enquanto, poucos demonstram entusiasmo com o desenho de um pacto com o MDB, para figurar na vice-presidência da senadora Simone Tebet.

Consenso, realmente, só existe sobre aquilo que se tornou inexistente: o PSDB não tem um projeto de governo para se apresentar como alternativa nesta temporada eleitoral.

No deserto de ideias, votos são rarefeitos e a escassez transforma o poder em miragem. Resta a desordem.

Continua após a publicidade


Publicidade

Essa é uma matéria exclusiva para assinantes. Se já é assinante, entre aqui. Assine para ter acesso a esse e outros conteúdos de jornalismo de qualidade.

Essa é uma matéria fechada para assinantes e não identificamos permissão de acesso na sua conta. Para tentar entrar com outro usuário, clique aqui ou adquira uma assinatura na oferta abaixo

Informação de qualidade e confiável, a apenas um clique. Assine VEJA.

Impressa + Digital

Plano completo de VEJA. Acesso ilimitado aos conteúdos exclusivos em todos formatos: revista impressa, site com notícias 24h e revista digital no app (celular/tablet).

Colunistas que refletem o jornalismo sério e de qualidade do time VEJA.

Receba semanalmente VEJA impressa mais Acesso imediato às edições digitais no App.



a partir de R$ 39,90/mês

MELHOR
OFERTA

Digital

Plano ilimitado para você que gosta de acompanhar diariamente os conteúdos exclusivos de VEJA no site, com notícias 24h e ter acesso a edição digital no app, para celular e tablet. Edições de Veja liberadas no App de maneira imediata.

a partir de R$ 9,90/mês

ou

30% de desconto

1 ano por R$ 82,80
(cada mês sai por R$ 6,90)