Clique e Assine a partir de R$ 19,90/mês
José Casado Por José Casado Informação e análise

Na conta de luz, consumidor paga até por roubo de energia

Consumidores brasileiros estão pagando R$ 6,6 bilhões por ano, o equivalente a 1,2 bilhão de dólares, pela energia roubada nas redes de 109 distribuidoras

Por José Casado Atualizado em 30 ago 2021, 03h13 - Publicado em 30 ago 2021, 08h30

O custo da energia elétrica mais que dobrou nos últimos 20 meses, consequência de uma crise hídrica sem precedentes nos últimos 90 anos. Porém, um pedaço da conta de luz não tem nada a ver com a crise. É roubo mesmo.

Os consumidores brasileiros estão pagando R$ 6,6 bilhões por ano, o equivalente a 1,2 bilhão de dólares, pela energia roubada nas redes de 109 empresas distribuidoras — calcula a consultoria Strategy, do grupo PwC, com base em dados da Agência Nacional de Energia Elétrica.

Esse “gato” bilionário tem origem em ligações clandestinas para desvio direto da rede e em fraudes nos medidores de consumo. E está crescendo.

Em 2017 correspondia a 14,5% do total energia (baixa tensão) injetada nas redes de distribuição. Aumentou para 16,1% no ano passado.

A maior parte do roubo está concentrada no estados do Rio, Amazonas, Pará, Amapá e Alagoas.

Pobreza e inadimplência são responsáveis por apenas um terço do volume de desvios, de acordo com os dados da Aneel sobre desigualdade social e inadimplência nas áreas mais críticas em todo o país.

Continua após a publicidade

Significa que mais de 75% do volume de perdas reais (“não técnicas”, no jargão setorial) registradas no mercado de energia de baixa tensão têm origem no roubo de energia.

Há uma notória tolerância do poder público. Em alguns Estados existem até incentivos indiretos, como a concessão de “isenções” temporárias em períodos pré-eleitorais.

Na média nacional, as empresas distribuidoras cobram 3% na conta de luz de cada consumidor como “despesa não técnica” — ultrapassa 10% nos Estados da região Norte.

Elas se queixam do aumento dos furtos, recorrentemente. Mas suas perdas financeiras são neutralizadas por diferentes mecanismos criados pela Aneel, que permitem a transferência do custo final do roubo de energia para a conta de luz de todos os consumidores.

Um deles é o da “recuperação” de receita, que na conta de luz aparece como Cobrança de Consumo Não Registrado, motivo de aumento constante no volume de reclamações em órgão de defesa do consumidor, principalmente na região Norte.

Há possibilidade de que isso mude, ainda neste semestre. Hoje, a Comissão de Fiscalização e Controle do Senado discute um projeto de lei (nº 5.325) para proibir a continuidade da socialização da conta do furto de energia. Se aprovado, pode ajudar a atenuar um antigo vício no capitalismo nacional: alguns roubam e todos pagam.

Continua após a publicidade


Publicidade

Essa é uma matéria exclusiva para assinantes. Se já é assinante, entre aqui. Assine para ter acesso a esse e outros conteúdos de jornalismo de qualidade.

Essa é uma matéria fechada para assinantes e não identificamos permissão de acesso na sua conta. Para tentar entrar com outro usuário, clique aqui ou adquira uma assinatura na oferta abaixo

Informação de qualidade e confiável, a apenas um clique. Assine VEJA.

Impressa + Digital

Plano completo da VEJA! Acesso ilimitado aos conteúdos exclusivos em todos formatos: revista impressa, site com notícias 24h e revista digital no app, para celular e tablet.

Colunistas que refletem o jornalismo sério e de qualidade do time VEJA.

Receba semanalmente VEJA impressa mais Acesso imediato às edições digitais no App.

a partir de R$ 39,90/mês

Digital

Plano ilimitado para você que gosta de acompanhar diariamente os conteúdos exclusivos de VEJA no site, com notícias 24h e ter acesso a edição digital no app, para celular e tablet.

Colunistas que refletem o jornalismo sério e de qualidade do time VEJA.

Edições da Veja liberadas no App de maneira imediata.

a partir de R$ 19,90/mês