Clique e Assine VEJA por R$ 9,90/mês
Imagem Blog

José Casado

Por José Casado Materia seguir SEGUIR Seguindo Materia SEGUINDO
Informação e análise
Continua após publicidade

‘Lenda’ da direita, embaixador dos EUA era espião de Cuba

Durante 40 anos espionou para Cuba na América Latina e chegou ao Conselho de Segurança dos EUA: "Criaram a lenda de uma pessoa de direita"

Por José Casado Materia seguir SEGUIR Materia seguir SEGUINDO Atualizado em 9 Maio 2024, 18h48 - Publicado em 5 dez 2023, 08h00

No verão de vinte e um anos atrás, o Congresso da Bolívia cassou o mandato do então deputado Evo Morales, líder dos cocaleros (produtores de folha de coca). Era janeiro de 2002 e ele foi responsabilizado pela rebelião indígena contra a erradicação das plantações na província de Chapare, de onde sai a maior parte da matéria-prima da cocaína boliviana. Morreram quatro pessoas, entre elas um policial.

Morales decidiu se candidatar à presidência da República. Na semana da eleição, em agosto, ele não aparecia com mais do que 12% nas pesquisas.

Quatro dias antes da votação, o embaixador dos Estados Unidos na Bolívia, Victor Manuel Rocha, fez o inimaginável na diplomacia — interferiu na eleição. Anunciou que seu país não queria ver os bolivianos votando no líder cocaleiro. Disse a uma pequena plateia, sabendo que estava sendo gravado: “Como representante dos Estados Unidos, quero recordar ao eleitorado boliviano que se elegem a quem desejam, para fazer com que que a Bolívia volte a ser um importante exportador de cocaína, isto deixará em perigo o futuro da assistência à Bolívia”.

Rocha virou uma “lenda” na direita latino-americana. Morales viu a oportunidade e embalou a campanha em chavões anti-imperialistas. Só faltou prometer aos eleitores uma declaração de guerra aos EUA, num país com 60% vivendo na pobreza absoluta e acumulando frustrações econômicas com a erradicação das plantações de coca, patrocinada pelo governo norte-americano. Contados os votos, o líder cocalero passou ao segundo turno (com 20,9% do total) em disputa com o candidato liberal Gonzalo Sánchez de Lozada, que acabou vencedor.

Na época, alguns políticos de esquerda qualificaram o embaixador Rocha como “terrorista eleitoral”. Outros, com ironia, como  “verdadeiro chefe da campanha” de Morales. Estavam certos:  o líder indígena venceu a eleição presidencial seguinte, ficou no poder por 12 anos e já é candidato à próxima, em 2025. Sempre com a bandeira do anti-imperialismo dos EUA.

Nesta segunda-feira (4/12), o ex-embaixador Rocha esteve num tribunal de Miami. Foi acusado de espionagem para o governo de Cuba durante as últimas quatro décadas, como havia confessado em conversas com um agente do FBI disfarçado de “contato” cubano, todas gravadas clandestinamente em áudio e vídeo.

Continua após a publicidade
.
(Reprodução/VEJA)

Rocha completou 73 anos. Nasceu colombiano numa família pobre que migrou para Nova York, obteve a cidadania, estudou nas universidades de Yale, Harvard e Georgetown e foi trabalhar no serviço diplomático. Fez carreira em postos relevantes na República Dominicana, em Cuba e na Argentina. Foi embaixador na Bolívia e, depois, ocupou uma vice-diretoria no Conselho de Segurança Nacional, órgão de assessoria da Casa Branca. É provável que passe o resto da vida numa cela, condenado por traição.

O espião cubano foi ludibriado, e se entregou. Michael Haley, agente especial, contou ao tribunal que em novembro do ano passado o FBI recebeu “informação anônima” sobre a dupla atividade do ex-embaixador. Montou-se uma armadilha: outro agente, disfarçado com o codinome “Miguel”, mandou-lhe um recado por WhatsApp: “Tenho uma mensagem para você de parte dos seus amigos em Havana. Trata-se de um assunto delicado”. Rocha respondeu: “Não entendo, mas pode me telefonar”.

Encontraram-se na manhã de quarta-feira 16 de novembro de 2022, em frente a um templo de estilo colonial no centro de Miami, construído depois da II Guerra por uma congregação presbiteriana. Ao ver Miguel, o ex-embaixador sugeriu que conversassem ali perto, numa praça de alimentação.

— Medida…de precaução. Sempre… Recebi treinamento suficiente para saber que você deve estar alerta…

Miguel, agente encoberto do FBI, disse estar trabalhando secretamente na cidade e que havia sido orientado a se apresentar a como “novo contato” para combinar um “plano de comunicação”. Rocha mordeu a isca. Concordou, e iniciou uma longa conversa sobre a sua atividade como espião da Dirección General de Inteligencia, para estrangeiros DGI cubana, para os mais íntimos “la Dirección”. Até pediu que Miguel agradecesse “aos companheiros”, e contou sobre o seu último contato direto com a Dirección:

Continua após a publicidade

[Pude viajar] … para a capital e lá tive uma longa reunião …

Miguel — [Em] Havana.

Rocha: — Temos outro nome. Nunca utilizamos Havana… Costumo dizer ‘A Ilha’. … Eu nunca uso “C” ou “H” … “Desde que a “Dirección” me pediu… para levar uma vida normal… Criaram a lenda de uma pessoa de direita. Eu sei, através de meu treinamento e experiência, que uma lenda é o pano de fundo artificial de um agente ou uma característica de sua biografia usada para manter sua identidade secreta.

Lembrou que esse era seu “primeiro contato” desde a sua “última viagem” a Havana, via Panamá, “em 2016 ou 2017″.

Rocha: [do] Panamá, fui para… quero dizer, entrei como dominicano [com passaporte da República Dominicana] … Eu sempre disse a mim mesmo: “A única coisa que pode colocar em perigo tudo o que fizemos é, é… a traição de alguém”, alguém que pode ter me conhecido, alguém que pode ter sabido de algo em algum momento.

Continua após a publicidade

Continuou: — A minha preocupação número um, a minha prioridade número um era … qualquer ação por parte de Washington que pudesse… [ou] colocaria em perigo a vida de… da liderança, ou da própria revolução… Foram décadas, décadas. Quer dizer, décadas de profundo…

Miguel: — Quantos anos?

Rocha: — Quase 40.

Miguel: — Uau…

Rocha: — Ah, de muito perigo. Ah …Eles devem ter te contado algo porque você mencionou o Chile [poucos sabiam onde Rocha havia morado por volta de 1973, época do golpe de estado estimulado pelos EUA e pelo Brasil contra o governo constitucional de Salvador Allende] … Isso inspirou confiança em mim … Eu tenho que contar a você uma coisa.

Continua após a publicidade

Miguel: — Diga-me.

Rocha: — Ah, dá muito…orgulho e satisfação ver isso, que as pessoas gostam, Miguel, que são muito mais jovens, mas…

Miguel: — Obrigado.

Rocha: — … Mas estamos lutando. E isso não é fácil.

Miguel: — Obrigado pela amizade e ajuda de tantos anos. Certo? Muito obrigado.

Continua após a publicidade

Rocha: — Claro, não tem problema… Isso é um sacrifício enorme… enorme. Com muita tensão que você tem que administrar internamente… com autodisciplina .. . o tempo todo. Quando você tem convicção, você tem autodisciplina…

O ex-embaixador passou a explicar ao agente do FBI disfarçado como via o resultado do próprio trabalho de espionagem:

— O que foi feito, fortaleceu a Revolução. Fortaleceu-a imensamente… [Nós] não podemos colocar, colocar isso em perigo. Sou muito zeloso em relação ao que fizemos e com o que, eu tenho que proteger, e o que copiamos. Tenho que proteger o que fizemos, porque o que fizemos, porque o que fizemos foi… o cimento que fortaleceu nos últimos 40 anos. Quer dizer, esse cimento é concreto… Você sabe?… Eu não colocaria em perigo o que temos em cópia… porque… eles reagiriam fortemente contra a Revolução… fortemente pelo fato de que através da minha participação nós, nós fizemos o que fizemos… Eles subestimaram o que poderíamos fazer com eles. Fizemos mais do que eles pensavam…

Miguel: — A “Dirección” sabe o que Rocha fez.

Prosseguiu — O que temos copiado… é enorme… Mais do que um grande golpe.

Encontraram-se mais duas vezes nos sete meses seguintes. A última foi na quinta-feira 23 de junho deste ano. Mesmo local, a praça de alimentação ao redor do templo presbiteriano, no centro de Miami.

Miguel, de novo, provocou Rocha: — A “Dirección” quer garantir que você ainda é um companheiro nosso… Você ainda está conosco?

Na hora, o ex-embaixador desconversou. Pouco depois, retrucou: — Estou com raiva. Estou chateado… Por causa da pergunta que foi feita… É isso, isso… É como questionar minha masculinidade… É como se você quisesse que eu os largasse… e mostrasse a você se eu ainda tenho culhões.

Prometeu a Miguel que, se houvesse uma investigação, saberia “como lidar com ela”.

— Sei me defender… Tenho a inteligência e tenho o conhecimento… Quero dizer… no desempenho de minhas funções, quantas vezes já me reuni com… com eles, para responder perguntas… Eu sei como funciona o sistema.

Completou: — Nunca em 40 anos coloquei um companheiro em perigo. Sejam nossos, sejam os russos… Então, quem está numa missão não vê o outro em outra. É simplesmente um não, porque põe tudo em risco… Eu protejo, eu protejo tudo o que foi feito. Eu sempre protegi e irei proteger e sei como proteger.

Durante 40 anos, o espião se resguardou de tudo e de todos. Esqueceu de se proteger da própria vaidade.

Publicidade

Matéria exclusiva para assinantes. Faça seu login

Este usuário não possui direito de acesso neste conteúdo. Para mudar de conta, faça seu login

Domine o fato. Confie na fonte.

10 grandes marcas em uma única assinatura digital

MELHOR
OFERTA

Digital Completo
Digital Completo

Acesso ilimitado ao site, edições digitais e acervo de todos os títulos Abril nos apps*

a partir de 9,90/mês*

ou
Impressa + Digital
Impressa + Digital

Receba Veja impressa e tenha acesso ilimitado ao site, edições digitais e acervo de todos os títulos Abril nos apps*

a partir de 49,90/mês

*Acesso ilimitado ao site e edições digitais de todos os títulos Abril, ao acervo completo de Veja e Quatro Rodas e todas as edições dos últimos 7 anos de Claudia, Superinteressante, VC S/A, Você RH e Veja Saúde, incluindo edições especiais e históricas no app.
*Pagamento único anual de R$118,80, equivalente a 9,90/mês.

PARABÉNS! Você já pode ler essa matéria grátis.
Fechar

Não vá embora sem ler essa matéria!
Assista um anúncio e leia grátis
CLIQUE AQUI.