Clique e Assine a partir de R$ 9,90/mês
José Casado Por José Casado Informação e análise

Lava Jato do Peru leva Humala, PT, Odebrecht e OAS a julgamento

O protagonismo da Odebrecht e OAS no enredo da corrupção política peruana, durante o governo Lula, tende a se refletir na campanha eleitoral brasileira

Por José Casado Atualizado em 23 fev 2022, 13h23 - Publicado em 23 fev 2022, 08h00

A Lava Jato avança… no Peru. Começou ontem, em Lima, o julgamento do ex-presidente Ollanta Humala, sua mulher Nadine Heredia e do Partido Nacionalista, pelo qual se elegeu presidente em 2011.

São acusados de corrupção e lavagem de dinheiro no financiamento da campanha presidencial.

O Ministério Público pediu 20 anos de prisão para Humala e 26 anos e cinco meses para a ex-primeira-dama. O Partido Nacionalista Peruano foi extinto durante as investigações, mas discute-se em juízo se ainda pode ou não ser penalizado.

Ontem, Humala assistiu no tribunal à apresentação do procurador Gérman Juárez, que gastou uma hora no resumo das acusações sobre o manejo ilegal de recursos, entre eles US$ 4,6 milhões repassados por empreiteiras brasileiras.

Esse dinheiro, descreveu Juárez, saiu de “um fundo pecuniário corrupto sustentado por funcionários públicos da República Federativa do Brasil, pertencentes ao Partido dos Trabalhadores, canalizado pelo Departamento de Operações Estruturadas do grupo Odebrecht”.

De forma similar, a OAS também participou do financiamento ilegal do candidato Humala, que na época venceu nas urnas a líder da direita peruana Keiko Fujimori, filha do ex-ditador Alberto Fujimori.

A abundância, segundo Juárez, levou a disputas no comitê central da campanha eleitoral e dentro da Odebrecht.

Continua após a publicidade

Um dos publicitários brasileiros vinculados ao PT, Valmir Garreta, recebeu US$ 700 mil em espécie da Odebrecht, contou. Nadine Heredia não gostou e exigiu do executivo local da empreiteira, Jorge Barata, que lhe entregasse diretamente todo dinheiro.

Na Odebrecht houve, também, desentendimentos sobre o financiamento da campanha presidencial. Barata não queria dar dinheiro a Humala, disse Juárez, mencionando depoimentos e documentos entregues pelo executivo. Relutou quando Marcelo Odebrecht, presidente do grupo no Brasil, ordenou um aporte de US$ 3 milhões. “Ele se opôs por considerar Humala um candidato ‘antissistema’, mas Marcelo disse-lhe que era um acordo com o Partido dos Trabalhadores” — acrescentou.

O executivo Marcelo Odebrecht
Marcelo Odebrecht, ex-presidente do grupo Odebrecht — Heuler Andrey/AFP

Um depoimento de Marcelo Odebrecht ao tribunal está previsto para a quarta-feira 16 de março. O julgamento tende a ser longo e complexo. Ontem, por exemplo, o advogado Davi León pediu a exclusão das acusações de lavagem de dinheiro atribuídas ao Partido Nacionalista Peruano.

“Foi extinto, e seu registro oficial cancelado, já não existe legalmente”, argumentou. O procurador insistiu na tese de que, mesmo assim, o partido deveria continuar sendo julgado. León retrucou: “Não se pode condenar um movimento político a futuro, está se julgando o partido que existia em 2011”. A juíza Nayko Coronado não aceitou e seguiu com a sessão.

Humala é o quarto ex-presidente enlaçado pela Lava Jato peruana em negócios obscuros com a Odebrecht e a OAS, entre outras empresas brasileiras. É o primeiro a ser julgado.

Alejandro Toledo (2001-2006) foi extraditado dos Estados Unidos e está preso. Pedro Pablo Kuczynski (2016-2018) renunciou e enfrenta processos. Alan García (1985-1990 e 2006-2011) se matou em casa, depois de receber o mandado de prisão. Keiko Fujimori, adversária de Humala, chegou a ser presa, mas conseguiu se livrar de parte das acusações, se candidatou à presidência nas eleições do ano passado e perdeu, de novo.

O protagonismo de empresas como Odebrecht e OAS  no enredo da corrupção política peruana, durante o governo Lula, tende a se refletir na campanha eleitoral brasileira.

Continua após a publicidade


Publicidade

Essa é uma matéria exclusiva para assinantes. Se já é assinante, entre aqui. Assine para ter acesso a esse e outros conteúdos de jornalismo de qualidade.

Essa é uma matéria fechada para assinantes e não identificamos permissão de acesso na sua conta. Para tentar entrar com outro usuário, clique aqui ou adquira uma assinatura na oferta abaixo

Informação de qualidade e confiável, a apenas um clique. Assine VEJA.

Impressa + Digital

Plano completo de VEJA. Acesso ilimitado aos conteúdos exclusivos em todos formatos: revista impressa, site com notícias 24h e revista digital no app (celular/tablet).

Colunistas que refletem o jornalismo sério e de qualidade do time VEJA.

Receba semanalmente VEJA impressa mais Acesso imediato às edições digitais no App.



a partir de R$ 39,90/mês

MELHOR
OFERTA

Digital

Plano ilimitado para você que gosta de acompanhar diariamente os conteúdos exclusivos de VEJA no site, com notícias 24h e ter acesso a edição digital no app, para celular e tablet. Edições de Veja liberadas no App de maneira imediata.

a partir de R$ 9,90/mês

ou

30% de desconto

1 ano por R$ 82,80
(cada mês sai por R$ 6,90)