Veja Digital - Plano para Democracia: R$ 1,00/mês
José Casado Por José Casado Informação e análise

Disputa presidencial mostra a liquefação dos partidos políticos

Candidatos mantêm equidistância dos partidos, na maioria rachados e com identidade difusa

Por José Casado Atualizado em 4 ago 2022, 06h56 - Publicado em 4 ago 2022, 06h00

Um dos aspectos mais notáveis da campanha eleitoral é a liquefação dos partidos políticos. Há três dezenas registrados na Justiça Eleitoral, mas prevê-se que apenas uma dúzia sobreviva depois de outubro. Juntos, custam cerca de R$ 6 bilhões aos cofres públicos neste ano.

O mais organizado, o PT, tem candidato à presidência da República favorito nas pesquisas, mas não conseguiu sequer atraí-lo para a convenção nacional, dias atrás. Não houve festa de lançamento do candidato, tradição dos últimos 33 anos de disputas presidenciais. Lula preferiu viajar a Pernambuco.

Em outros partidos, o panorama é até mais desolador. MDB e PSDB racharam antes, durante e seguem fragmentados depois da definição dos seus candidatos.

O trio governista (PL, PP e Republicanos) tem Jair Bolsonaro como candidato, mas ainda não conseguiu o projetado amálgama de identidades junto ao eleitorado. O PL conseguiu conduzir seu candidato à reeleição numa incursão na internet: em video, Bolsonaro pede  dinheiro ao eleitorado para custear os gastos da campanha organizada por Valdemar da Costa Neto, dono do partido.

A melhor tradução dessa fase da liquefação político-partidária é o PSD de Gilberto Kassab, ex-prefeito paulistano. Define-se por não ser de esquerda, de centro e nem de direita. Não se sabe o que é, mas isso também pouco importa. No PSD, relevante mesmo é emergir das urnas com deputados e senadores em  número suficiente para ter peso específico na base parlamentar do próximo governo — qualquer que seja o presidente eleito.

Continua após a publicidade

Publicidade

Essa é uma matéria exclusiva para assinantes. Se já é assinante, entre aqui. Assine para ter acesso a esse e outros conteúdos de jornalismo de qualidade.

Essa é uma matéria fechada para assinantes e não identificamos permissão de acesso na sua conta. Para tentar entrar com outro usuário, clique aqui ou adquira uma assinatura na oferta abaixo

Informação de qualidade e confiável, a apenas um clique. Assine VEJA.

Plano para Democracia

- R$ 1 por mês.

- Acesso ao conteúdo digital completo até o fim das eleições.

- Conteúdos exclusivos de VEJA no site, com notícias 24h e acesso à edição digital da revista no app.

- Válido até 31/10/2022, sem renovação.

3 meses por R$ 3,00
( Pagamento Único )

Digital Completo



Acesso digital ilimitado aos conteúdos dos sites e apps da Veja e de todas publicações Abril: Veja, Veja SP, Veja Rio, Veja Saúde, Claudia, Placar, Superinteressante,
Quatro Rodas, Você SA e Você RH.

a partir de R$ 9,90/mês

ou

30% de desconto

1 ano por R$ 82,80
(cada mês sai por R$ 6,90)