Assine VEJA por R$2,00/semana
Imagem Blog

José Casado Materia seguir SEGUIR Materia seguir SEGUINDO

Por José Casado
Informação e análise
Continua após publicidade

Dinheiro para campanha equivale à receita de 147 mil microempresas

Com o aval de Lula, nunca antes parlamentares federais tiveram acesso a tantos recursos do orçamento para influenciar nas eleições em suas cidades

Por José Casado Materia seguir SEGUIR Materia seguir SEGUINDO
23 jan 2024, 08h00

Com o aval de Lula, nesta segunda-feira (22/1), a campanha eleitoral deste ano será irrigada por 53 bilhões de reais extraídos do orçamento federal.

Esse volume de dinheiro é equivalente à soma do faturamento de 147 mil microempresas privadas, cada uma delas com vendas anuais de 360 mil reais e empregando de nove a 19 pessoas em atividades comerciais, de serviços ou industriais.

Corresponde, também, à receita somada de 170 das maiores empresas privadas do país — todas faturando acima de 300 milhões de reais por ano e cada uma empregando mais de 100 pessoas nos segmentos de comércio, serviços e indústria.

A maior parte (48,1 bilhões) desses recursos destina-se ao financiamento de obras pequenas em municípios escolhidos conforme o interesse eleitoral de deputados e senadores.

O restante do dinheiro (4,9 bilhões) será compartilhado por 29 partidos políticos envolvidos na disputa pelas prefeituras e câmaras municipais.

Continua após a publicidade

A distribuição entre eles é desigual, baseia-se na proporção da bancada que cada um possui na Câmara dos Deputados.

Esse critério leva à concentração de um terço do fundo eleitoral em apenas duas organizações políticas.

O Partido Liberal (PL), que abriga Jair Bolsonaro, vai receber 803 milhões de reais para financiar as suas campanha municipais.

Já o PT de Lula terá um caixa de 604 milhões.

Continua após a publicidade

Os demais vão dividir, proporcionalmente, os 3,4 bilhões restantes desse fundo público.

Será a eleição de prefeito e vereador mais cara da história. Prevê-se um gasto médio de 337,5 reais por eleitor.

Isso equivale a 24% do novo salário mínimo, estabelecido pelo governo em 1.412 reais.

Nunca antes, parlamentares federais tiveram acesso a tantos recursos do orçamento para influenciar nas eleições em suas cidades

Continua após a publicidade

Quem vai pagar a conta é a sociedade. Como dizia a ex-primeira-ministra britânica Margaret Tatcher 1925-2013), não existe dinheiro público, existe somente o dinheiro de quem paga impostos.

Publicidade

Matéria exclusiva para assinantes. Faça seu login

Este usuário não possui direito de acesso neste conteúdo. Para mudar de conta, faça seu login

O Brasil está mudando. O tempo todo.

Acompanhe por VEJA.

MELHOR
OFERTA

Digital Completo
Digital Completo

Acesso ilimitado ao site, edições digitais e acervo de todos os títulos Abril nos apps*

a partir de R$ 2,00/semana*

ou

Impressa + Digital
Impressa + Digital

Receba Veja impressa e tenha acesso ilimitado ao site, edições digitais e acervo de todos os títulos Abril nos apps*

a partir de R$ 39,90/mês

*Acesso ilimitado ao site e edições digitais de todos os títulos Abril, ao acervo completo de Veja e Quatro Rodas e todas as edições dos últimos 7 anos de Claudia, Superinteressante, VC S/A, Você RH e Veja Saúde, incluindo edições especiais e históricas no app.
*Pagamento único anual de R$96, equivalente a R$2 por semana.

PARABÉNS! Você já pode ler essa matéria grátis.
Fechar

Não vá embora sem ler essa matéria!
Assista um anúncio e leia grátis
CLIQUE AQUI.