Assine VEJA por R$2,00/semana
Imagem Blog

José Casado

Por José Casado
Informação e análise
Continua após publicidade

As razões de Jaques Wagner para ficar fora do ministério

Ontem, anunciou aos senadores: "Eu pretendo ficar, prefiro o Senado." E delineou seu papel no novo governo: "Vamos mandar até abril o novo pacote fiscal"

Por José Casado Materia seguir SEGUIR Materia seguir SEGUINDO Atualizado em 8 dez 2022, 13h27 - Publicado em 8 dez 2022, 09h30

Lula deve apresentar seu ministério nesta sexta-feira (9). Semana que vem receberá da Justiça Eleitoral a certificação de presidente eleito, com o vice Geraldo Alckmin.

Em Brasília, há mais candidatos a ministro e secretário no novo governo do que gente pedindo golpe na porta do Forte Apache, como é conhecido o Quartel-General do Exército. Somente no “Gabinete da Transição”, montado a cinco quilômetros do Palácio do Planalto, há cerca de mil interessados.

Na paisagem dessa luta pelo poder nos bastidores no novo governo, uma exceção é o senador Jaques Wagner. Líder petista mais próximo de Lula, ele tem atuado como portavoz do presidente eleito nas principais reuniões políticas — públicas e privadas.

Ontem, Wagner surpreendeu senadores. Ao defender a aprovação da PEC da Transição, anunciou que está fora do ministério de Lula: “Eu pretendo ficar aqui. Apesar de tantas opiniões, eu prefiro me manter no Senado, porque esta é a Casa da política.”

Continua após a publicidade

É caso raro de renúncia prévia à vaga de ministro, com anúncio feito em microfone do plenário para registro nos anais de uma sessão parlamentar.

Em seguida, delineou seu papel no novo governo: “Estou dizendo, em nome do governo, que nós vamos trabalhar para mandar até abril o novo pacote fiscal, porque ele, sim, vai significar estabilidade para a economia. É evidente que não estamos chegando aqui [no plenário] para ‘brincar’ de PEC [Proposta de Emenda Constitucional].”

Acrescentou: “E eu posso garantir, porque conversei com o presidente Lula, ontem, que, evidentemente, não nos interessa ficar dependendo de PEC! Nós queremos dar um arcabouço fiscal definitivo.”

Continua após a publicidade

É a segunda renúncia de Wagner neste ano. Em março, era o predileto de Lula, do PT e favorito nas pesquisas para voltar ao poder na Bahia, que governara por oito anos (2007 a 2015). Com discrição, manobrou para capitanear a eleição local sem se candidatar ao governo. Escolheu continuar no Senado até 2026.

Deu certo: Lula teve 72,1% dos votos — venceu em 415 dos 417 municípios — e o PT avança para completar um ciclo de 20 anos no governo da Bahia.

Wagner, 71 anos, aparentemente quer distância da Esplanada dos Ministérios. Já experimentou-a nos governos Lula e Dilma, quando foi ministro do Trabalho, de Relações Institucionais, da Defesa e da Casa Civil. Prefere participar do Lula-III no Senado , explicou, porque “é onde se constrói o país, como também se faz na Câmara dos Deputados”.

Publicidade

Matéria exclusiva para assinantes. Faça seu login

Este usuário não possui direito de acesso neste conteúdo. Para mudar de conta, faça seu login

Domine o fato. Confie na fonte.

10 grandes marcas em uma única assinatura digital

MELHOR
OFERTA

Digital Completo
Digital Completo

Acesso ilimitado ao site, edições digitais e acervo de todos os títulos Abril nos apps*

a partir de R$ 2,00/semana*

ou
Impressa + Digital
Impressa + Digital

Receba Veja impressa e tenha acesso ilimitado ao site, edições digitais e acervo de todos os títulos Abril nos apps*

a partir de R$ 39,90/mês

*Acesso ilimitado ao site e edições digitais de todos os títulos Abril, ao acervo completo de Veja e Quatro Rodas e todas as edições dos últimos 7 anos de Claudia, Superinteressante, VC S/A, Você RH e Veja Saúde, incluindo edições especiais e históricas no app.
*Pagamento único anual de R$96, equivalente a R$2 por semana.

PARABÉNS! Você já pode ler essa matéria grátis.
Fechar

Não vá embora sem ler essa matéria!
Assista um anúncio e leia grátis
CLIQUE AQUI.