Assine VEJA por R$2,00/semana
Imagem Blog

José Casado Materia seguir SEGUIR Materia seguir SEGUINDO

Por José Casado
Informação e análise
Continua após publicidade

A nova imagem do colapso da Argentina, que Lula tenta evitar

Hoje, a recém-lançada nota de 2 mil pesos vale 20 reais. Se a sorte ajudar o governo Alberto Fernández, vai chegar ao Natal valendo oito reais

Por José Casado Materia seguir SEGUIR Materia seguir SEGUINDO
Atualizado em 23 Maio 2023, 09h36 - Publicado em 23 Maio 2023, 09h30

Quando foi anunciada, às vésperas no Carnaval, valia 25 reais. Nesta semana de lançamento, vale 20 reais.

A nova cédula de maior valor da Argentina (dois mil pesos) perdeu 20% do seu poder de compra no curto espaço de três meses.

Se a sorte ajudar o governo Alberto Fernández, ela vai chegar ao Natal valendo oito reais.

É o efeito da hiperinflação na vida real. Hoje, está estimada em 109% ao ano. Mas empresas brasileiras exportadoras acreditam que deve avançar para 130% nos próximos cinco meses, na turbulência da campanha para a eleição presidencial de outubro.

O governo Alberto Fernández havia previsto lançar em julho a nova nota de peso e contratou parte da produção com a Casa da Moeda do Brasil para entrega em agosto.

Continua após a publicidade

Antecipou o plano porque os preços crescentes, de forma contínua, obrigam a população a sair das agências bancária e dos caixas eletrônicos carregando pilhas de dinheiro cada vez maiores para pagar as compras de cada dia.

O processo inflacionário argentino tem sido lucrativo para a Casa da Moeda do Brasil. Semana passada encomendou 155 mil caixas de papelão e 44 toneladas de filmes polietileno para embalar novas notas de peso com o logotipo da Casa da Moeda da Argentina.

As exportações de cédulas para Buenos Aires aumentaram cerca de 60%, para 160 milhões de reais, no ano passado. Representaram aproximadamente 12% da receita líquida da empresa estatal sediada no Rio.

Para o Brasil, aspecto mais relevante do colapso da Argentina é a redução das exportações de produtos industrializados de média e alta tecnologia.

Continua após a publicidade

O mercado argentino absorvia 80% das vendas externas de fábricas localizadas no Sudeste, reduto tradicional sindicalismo lulista. Elas já estavam debilitadas na competição com empresas da China, que assumiram a liderança como provedores. Empresários chineses obrigaram os brasileiros a recuar de 30% (2011) para 19% do mercado argentino (2022).

No fim de semana, em Hiroshima, no Japão, Lula apelou à diretora-geral do Fundo Monetário Internacional, Kristalina Gueorguieva, por novo socorro financeiro ao governo de Alberto Fernández. Nas últimas seis décadas, os argentinos fizeram 22 acordos com o FMI.

Lula, também, resolveu enviar o ministro da Fazenda Fernando Haddad à reunião do banco de desenvolvimento do grupo do Brics, no final desta semana em Xangai. Tenta alternativa de socorro a Fernández, convencendo a China, Rússia, Índia e África do Sul a dar garantias às exportações brasileiras para a Argentina, que não consegue crédito no exterior. A missão de Haddad é difícil, mas não impossível.

Se der tudo certo, como imagina-se no Palácio do Planalto, em dezembro o peronista Fernández conseguirá passar a faixa ao sucessor eleito, em meio à hiperinflação e com 39% dos argentinos vivendo na pobreza. Até lá, é muito provável que o governo da Argentina mande imprimir novas cédulas de maior valor, em substituição à emitida nesta segunda-feira (22).

Publicidade

Matéria exclusiva para assinantes. Faça seu login

Este usuário não possui direito de acesso neste conteúdo. Para mudar de conta, faça seu login

O Brasil está mudando. O tempo todo.

Acompanhe por VEJA.

MELHOR
OFERTA

Digital Completo
Digital Completo

Acesso ilimitado ao site, edições digitais e acervo de todos os títulos Abril nos apps*

a partir de R$ 2,00/semana*

ou
Impressa + Digital
Impressa + Digital

Receba Veja impressa e tenha acesso ilimitado ao site, edições digitais e acervo de todos os títulos Abril nos apps*

a partir de R$ 39,90/mês

*Acesso ilimitado ao site e edições digitais de todos os títulos Abril, ao acervo completo de Veja e Quatro Rodas e todas as edições dos últimos 7 anos de Claudia, Superinteressante, VC S/A, Você RH e Veja Saúde, incluindo edições especiais e históricas no app.
*Pagamento único anual de R$96, equivalente a R$2 por semana.

PARABÉNS! Você já pode ler essa matéria grátis.
Fechar

Não vá embora sem ler essa matéria!
Assista um anúncio e leia grátis
CLIQUE AQUI.