Clique e Assine a partir de R$ 9,90/mês
José Casado Por José Casado Informação e análise

A ilusão da esquerda com o socialista alinhado a Bolsonaro

Líder do "novo socialismo", festejado por Lula e Dilma, Pedro Castillo adotou a agenda de Bolsonaro e anunciou lei para castração química no Peru

Por José Casado Atualizado em 19 abr 2022, 10h03 - Publicado em 19 abr 2022, 08h00

No meio do último inverno, expoentes da esquerda na América do Sul se uniram na celebração do “novo socialismo” de Pedro Castillo, que acabara de superar nas urnas uma coalizão de centro-direita se elegendo presidente do Peru.

Do Brasil, Lula enxergou na vitória de Castillo uma mensagem simbólica: “Representa mais um avanço na luta popular em nossa querida América Latina”.

Dilma Rousseff foi além: “Sua vitória sobre a extrema direita é um alento para as forças progressistas latino-americanas. Castillo representa a esperança dos camponeses, indígenas e trabalhadores peruanos.”

.
./Reprodução

Aos 52 anos, Castillo conseguira revigorar o cardápio de ideias cultuadas pela esquerda latina desde anos 60 do século passado.

Se apresentava em chapéu de palha chotano, poncho e chinelos feitos a partir de pneus velhos, com histórico e retórica típicas do “socialista” que vê o mundo como paraíso prometido aos pobres que odeiam ricos.

Vinha de uma vida camponesa em Tacamba, na província peruana de Chota, a mil quilômetros da capital, lugar só alcançável por barco ou avião, onde a miséria resplandece ao redor de um símbolo do capitalismo colonial, uma mina de ouro.

Em Lima, vendeu até picolés antes de se empregar como professor na rede pública de ensino básico. Ascendeu na política pela militância no sindicalismo dos professores da rede pública de ensino básico. Chegou à presidência como azarão, acenando aos peruanos com um slogan eficiente (“Não mais pobres num país rico”) e um programa de governo onde se desenhava para o Peru um futuro no paleolítico da política.

Incluiu coisas como a promessa de nova Constituição para estabelecer o regime de “economia popular” e exterminar o neoliberalismo — “o inimigo”; estatização total; apropriação de 80% dos lucros das multinacionais; e, “distribuição ao povo” das reservas cambiais do país, estimadas em US$ 68 bilhões em junho do ano passado.

Continua após a publicidade

Deu tudo errado. Castillo passou os últimos oito meses mudando a equipe. Já trocou 46 ministros, um a cada dez dias. Está no quarto ministério (19 integrantes), já anuncia o quinto e ainda lhe faltam quatro meses para completar o primeiro ano do mandato.

A incapacidade de fazer o governo funcionar acirrou uma crise nascida do descrédito institucional, inflada pelos casos de corrupção revelados na versão peruana da Operação Lava Jato. Quatro ex-presidentes foram investigados por receber subornos de empreiteiras brasileiras — um se suicidou antes da prisão, outro foi preso e um terceiro está sob julgamento. A confusão peruana foi agravada pela alta nos preços dos alimentos e combustíveis, a maior em duas décadas.

.
./Reprodução

Ontem, Castillo teve uma ideia, vestiu a faixa presidencial e convocou rede nacional de rádio e televisão: “Estamos propondo a aplicação da castração química como uma das medidas drásticas contra estupradores. A proposta será formalizada nos próximos dias e esperamos que o Congresso não dê as costas ao clamor popular.”

O líder do “novo socialismo”, festejado representante do “avanço na luta popular” na América Latina se exibiu como o conservador que sempre foi.

Castillo só surpreende quem, em nome da antiga “luta de classes”, optou pelo autoengano sobre o extremista peruano do tradicionalismo, visceralmente contrário ao casamento gay e à liberação do aborto, entre outros aspectos do debate social.

Ontem, no entorno de Lula e Dilma, alguns extravasavam perplexidade. Ficaram ainda mais atônitos quando souberam que o incensado representante da “esperança dos camponeses” havia se inspirado numa proposta de legislação sobre castração química apresentada nove anos atrás na Câmara, em Brasília.

Foi Jair Bolsonaro o autor do projeto (nº 5398/2013) que acabou arquivado. Dois anos atrás, a pedido, foi resgatado e reapresentado (nº 4239/20) pelo deputado Eliéser Girão Monteiro Filho, conhecido no Rio Grande do Norte como general Girão, do União Brasil.

Castillo, o socialista cuja eleição foi saudada no Brasil como “um alento para as forças progressistas”, acabou abraçado ao “mito” da direita verde-amarela numa agenda política radicalmente tradicionalista sobre costumes.

Bolsonaro deve visitá-lo em Lima, no próximo inverno. Se Castillo ainda estiver na presidência.

Continua após a publicidade

Publicidade

Essa é uma matéria exclusiva para assinantes. Se já é assinante, entre aqui. Assine para ter acesso a esse e outros conteúdos de jornalismo de qualidade.

Essa é uma matéria fechada para assinantes e não identificamos permissão de acesso na sua conta. Para tentar entrar com outro usuário, clique aqui ou adquira uma assinatura na oferta abaixo

Informação de qualidade e confiável, a apenas um clique. Assine VEJA.

Impressa + Digital

Plano completo de VEJA. Acesso ilimitado aos conteúdos exclusivos em todos formatos: revista impressa, site com notícias 24h e revista digital no app (celular/tablet).

Colunistas que refletem o jornalismo sério e de qualidade do time VEJA.

Receba semanalmente VEJA impressa mais Acesso imediato às edições digitais no App.



a partir de R$ 39,90/mês

MELHOR
OFERTA

Digital

Plano ilimitado para você que gosta de acompanhar diariamente os conteúdos exclusivos de VEJA no site, com notícias 24h e ter acesso a edição digital no app, para celular e tablet. Edições de Veja liberadas no App de maneira imediata.

a partir de R$ 9,90/mês

ou

30% de desconto

1 ano por R$ 82,80
(cada mês sai por R$ 6,90)